Oncologia

Pesquisadores identificam novo alvo para tratar câncer de mama

Pela primeira vez, estudo demonstra que fonte de energia das células cancerígenas vem da produção anormal das mitocôndrias. Descoberta pode mudar modo de tratamento e prevenção da doença Segundo pesquisa publicada na edição de dezembro do periódico Cell Cycle, as mitocôndrias são extremamente importantes para que as células cancerígenas cresçam e haja metástase.



Para os pesquisadores, essa conclusão sugere que uma droga capaz de bloquear a atividade mitocondrial pode reverter o desenvolvimento dos tumores e até a resistência à quimioterapia. A boa nova é que já existe um remédio assim. A metformina, utilizada para tratar o diabetes, foi apontada pelos autores do estudo como uma opção para o combate ao câncer de mama.

Estudos recentes já haviam mostrado que a metformina pode ser eficiente em impedir que células do câncer de mama cresçam. Porém, esse é o primeiro estudo que relaciona diretamente a ação do medicamento à inibição das mitocôndrias nessas células. A pesquisa foi desenvolvida no Centro de Câncer Kimmel da Universidade Thomas Jefferson, nos Estados Unidos. As mitocôndrias são produtoras de energia em células normais. Mas, como observou a pesquisa, em células cancerígenas, essa produção pode ser aumentada em pelo menos cinco vezes. O estudo foi feito em laboratório com tecidos humanos. "Nós mostramos que o câncer é uma 'doença parasita' que rouba energia dos hospedeiros, ou seja, do nosso corpo", afirma o presidente do Departamento de Biologia de Células-Tronco e Medicina Regenerativa da Universidade e coordenador do estudo, Michael P. Lisanti. Efeito reverso — Nos últimos 85 anos, especialistas vêm debatendo se as células cancerígenas possuem, ou não, mitocôndrias funcionais. Alguns afirmam que essas células não utilizam mitocôndria, mas sim exclusivamente a glicose para obter energia, ação conhecida como o 'Efeito Warburg'. Porém, a pesquisa feita na Universidade Thomas Jefferson defende que, além desse método de produção de energia ser ineficiente, as células cancerígenas usam sim a mitocôndria, que por sua vez fornece grande quantidade de combustível para as células. Os responsáveis pela pesquisa chamaram esse mecanismo de 'Efeito Warburg reverso'. "Nós apresentamos novas evidências de que as mitocôndrias de células cancerígenas são o coração do crescimento da célula tumoral e da metástase", diz Dr. Lisanti. "A metformina impede que as células cancerígenas usem suas mitocôndrias, induz a produção de glicose e desloca as células cancerígenas para o convencional Efeito Warburg, que, não sendo um mecanismo eficaz, leva as células à morte". Pesquisa — Para estudar o papel da mitocôndria nas células cancerígenas, os pesquisadores utilizaram coloração em amostras humanas de câncer de mama. Anteriormente, esse mecanismo era somente aplicado em tecido muscular, que é rico em mitocôndrias. Os pesquisadores descobriram que as células de câncer de mama humano apresentaram altos níveis de atividade da mitocôndria. Em contrapartida, os outros tecidos mostraram pouca ou nenhuma capacidade oxidativa mitocondrial. Além disso, observaram que a regulação da atividade mitocondrial é uma característica comum de células humanas de câncer de mama e está associada com um risco de aumento de metástase. "As mitocôndrias são o 'calcanhar de Aquiles' das células tumorais", diz Dr. Lisanti. "E acreditamos que a segmentação do metabolismo mitocondrial tem amplas implicações para o diagnóstico e terapia de câncer, e pode ser explorada na busca de medicamentos personalizados para o câncer." Este novo conceito pode mudar radicalmente a forma como os pacientes com câncer são tratados e estimular novas estratégias para a prevenção e terapia da doença.

Fonte: Revista Veja

Artigo por: Rafael Fernandes

Os artigos do blog são destinados a estudantes, profissionais e pessoas que se interessam pela biomedicina e demais áreas da saúde. O conteúdo não visa substituir as orientações de um médico, portanto não deve ser utilizado para autodiagnóstico ou automedicação.

Licença Creative Commons
Esta publicação está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional. Não é permitido duplicar, copiar ou reproduzir qualquer parte sem autorização prévia.

1 comentários:

  1. Descoberta sensacional, e que com certeza vai trazer grandes avanços para o tratamento.

    ResponderExcluir

2007-2016. Biomedicina Brasil. Tecnologia do Blogger.