22 março, 2017

Oportunidade de Iniciação Científica na UFMG

Oportunidade de Iniciação Científica na UFMG

O Laboratório de Microambiente Tecidual no Departamento de Patologia da UFMG oferece vaga para Iniciação Científica. O candidato deve ter alta motivação e potencial para seguir carreira na área de pesquisa acadêmica, ser capaz de fazer parte de uma equipe multidisciplinar, pensar criticamente e de forma independente.


Os principais temas estudados no laboratório são:

➥ Microambiente celular do tumor, especialmente em tumores de mama e próstata;
➥ Papel do Sistema Nervoso Periférico (autônomo e sensorial) na regulação das células-tronco, bem como de outros tipos de células;
➥ Papel dos pericitos e células-tronco na fisiopatologia de doenças tropicais, como Doença de Chagas, Leishmaniose, entre outras;
➥ Biologia das células-tronco de vários tecidos, incluindo o Sistema Nervoso Central;
➥ Transplante de células, tecidos e órgãos.

Os alunos interessados em fazer parte da equipe devem enviar o Currículo Lattes para o e-mail do professor Alexander Birbrair (birbrairlab@gmail.com) com uma carta, descrevendo os objetivos da carreira.

Site do laboratório: www.icb.ufmg.br/birbrair

20 março, 2017

IV Curso de Inverno em Fisiopatologia e Análises Clínicas

IV Curso de Inverno em Fisiopatologia e Análises Clínicas

O Departamento de Análises Clínicas e Toxicológicas da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da USP realizará a quarta edição do Curso de Inverno em Fisiopatologia e Análises Clínicas. A comissão organizadora do evento conta com alunos de pós-graduação e pós-doutorandos da universidade.


Com o objetivo de despertar o interesse dos alunos da graduação pela pesquisa científica, o curso oferecerá aulas teóricas e teórico-práticas de 24 a 28 de julho de 2017. Todo o conteúdo do evento será apresentado no Auditório Verde - Bloco 13A, localizado na Avenida Professor Lineu Prestes, 580 - Cidade Universitária em São Paulo - SP.

As inscrições se iniciam pelo site do evento no dia 1º de abril e terminam no final do mesmo mês. Após o período, será realizada uma seleção de 50 alunos, com lista posteriormente divulgada por e-mail e pelo site do evento no dia 15 de maio de 2017.

Os 50 alunos contemplados com as vagas deverão pagar uma taxa de inscrição de R$ 65,00 após a divulgação do resultado, não sendo incluídas despesas com viagem e hospedagem. Dentre todos os participantes, a comissão oferecerá isenção da taxa de inscrição para 5 alunos, segundo os critérios: participação em PROUNI ou FIES, análise de currículo e melhor justificativa de interesse.

15 março, 2017

Pesquisa abre caminho para criação de bancos de células-tronco hematopoiéticas

Pesquisa abre caminho para criação de bancos de células-tronco hematopoiéticas

Um estudo recententemente publicado na revista Nature Cell Biology por uma equipe de cientistas nacionais e internacionais pode ajudar na criação de bancos de células-tronco hematopoiéticas, contribuindo para o tratamento de leucemias e outras doenças hematológicas.


A equipe brasileira, coordenada pelo professor Alexander Birbrair no Departamento de Patologia do Instituto de Ciências Biológicas (ICB), contribui com grupos dos Estados Unidos e Japão, em busca da compreensão dos mecanismos de diferenciação celular na medula óssea, assim como a comunicação existente entre os microambientes vasculares.

"O organismo protege as células hematopoiéticas em lugares muito especiais. No indivíduo adulto, a maior parte delas está na medula óssea, e algumas poucas, no baço. Apesar dos avanços na área, é difícil encontrar doador de medula óssea compatível, e a quantidade desse material é pequena. Algumas pessoas precisam de um segundo transplante", ressalta o professor Alexander Birbrair.

Embora conhecidas, as células hematopoiéticas não são obtidas com eficiência em laboratório justamente pelo desconhecimento das sinalizações químicas no organismo. Devido à necessidade de manter uma reserva de células superpotentes, o organismo mantém uma regulação no microambiente da medula óssea para garantir que o processo ocorra. Por isso, os pesquisadores estudam formas de mimetizar esse ambiente para o cultivo artificial, com todas as sinalizações químicas necessárias.

A grande descoberta da pesquisa foi o mecanismo de comunicação entre os pericitos (localizados nas arteríolas e sinusoides dos ossos) e as células-tronco hematopoiéticas, por proteínas e citocinas. Os cientistas identificaram duas citocinas principais (Stem Cell Factor - SCF e CXCL12) e mostraram que a inibição da CXCL12 altera o estado de manutenção das células da medula.

Com resultados promissores, o grupo pretende desvendar ainda mais os processos de sinalização celular. O domínio desse conhecimento possibilitará a criação de bancos de células-tronco com grande capacidade de proliferação e diferenciação em todas as células sanguíneas do organismo.

Acesse o artigo, publicado na revista Nature Cell Biology.
Site do laboratório: www.icb.ufmg.br/birbrair
Título: Contribuição diferente de citocinas das células perivasculares para os nichos das células-tronco hematopoiéticas.
Autores: Noboru Asada, Halley Pierce, Alexander Birbrair e Paul S. Frenette, vinculados ao Albert Einstein College of Medicine e ao Mount Sinai Center for Bioinformatics (EUA); Zichen Wang, Nicolas F. Fernandez e Avi Ma’ayan, vinculados ao Mount Sinai Center for Bioinformatics (EUA); Yuya Kunisaki, da Kyushu University (Japão).

14 março, 2017

Equipamento auxilia a localização de veias com luz de LED

Equipamento auxilia a localização de veias com luz de LED

DUAN Internacional do Brasil, empresa especializada na fabricação e comércio de produtos para laboratórios e hospitais, inova o setor com equipamentos que auxiliam a localização de veias no paciente através da emissão de luz.

Os dois dispositivos produzidos, Venos Baby e Venoscópio IV Plus, estão entre os mais compactos do mercado e emitem luz de LED de alta intensidade para facilitar a visualização de veias durante a coleta ou administração de medicamentos.


Os LEDs utilizam uma combinação de cores e, quando projetados sobre a pele, permeiam o tecido subcutâneo e destacam as veias em tom azulado, devido ao gás carbônico presente. Com forma anatômica e compacta, o portátil possui hastes com rotação de 90º, permitindo seu uso em qualquer superfície da pele.

O serviço bem executado é o objetivo de todo prestador da área da saúde. O conhecimento profissional e os parâmetros fornecidos pelo venoscópio podem evitar a formação de hematomas após a atividade, reduzir o custo excessivo de materiais e garantir a satisfação do paciente.

A ideia da DUAN foi criar um aparelho que otimizasse o processo, pois além da localização, é possível verificar o calibre, diâmetro, trajeto, bifurcações, fluxo e permeabilidade da veia. Pela facilidade da visualização de veias, o método torna desnecessário o uso de garrote e é muito útil nos casos de pacientes com acesso venoso difícil, como obesos, idosos, entre outros.

Certificado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA e pelo Food and Drug Administration - FDA, o equipamento ainda conta com prêmios internacionais no Annual Meeting of American Association for Clinical Chemistry (AACC) e International Society for Laboratory Haematology (ISLH).

Venos Baby


Os LEDs do Venos Baby possuem a combinação das cores vermelha, verde e branca. É considerado o único mecanismo que permite a visualização para a passagem do PICC (cateter central de inserção periférica) em recém-nascidos com menos de 1,5 kg. Indicado para crianças de 0 a 7 anos de idade, o dispositivo tem três modos de iluminação:

➜ Iluminação direta ou transdérmica: projetado diretamente sobre a pele para destacar as veias através do tom azulado.
➜ Iluminação oposta: posicionamento na região oposta ao membro a ser puncionado, indicado para crianças de até 2 kg.
➜ Iluminação bilateral: o membro do recém-nascido (diâmetros entre 1,5 - 2,0 cm) é posicionado entre as 2 hastes a 90°, possibilitando a visualização das veias superficiais e profundas. Há uma somatória dos fechos de luz da direita e da esquerda.

Venoscópio IV Plus


Projetado para uso em jovens e adultos, a versão IV Plus possui LEDs que utilizam a combinação de cores RGB (vermelho, verde e azul). Permeia o tecido subcutâneo em até 5mm de profundidade.

Assim que fixa o venoscópio ao membro do paciente, o profissional garante maior rapidez no trabalho, pois fica com as mãos livres para iniciar o procedimento.



12 março, 2017

Transformação bacteriana e clonagem de DNA

Transformação bacteriana e clonagem de DNA

Em experimentos laboratoriais, as bactérias são frequentemente utilizadas como células hospedeiras para a produção de cópias de DNA, pela facilidade de cultivo e crescimento em grande escala. Sua maquinaria celular realiza naturalmente a replicação de DNA e a síntese de proteínas.


Incrivelmente versáteis, esses micro-organismos têm a capacidade de absorver DNA exógeno e replicá-lo por várias gerações. Isto fornece uma vantagem evolutiva e ajuda na sobrevivência das bactérias frente a mudanças em seu ambiente.

O genoma bacteriano é constituído por um único cromossomo circular. Este material genético flutua livremente na célula, ao contrário de organismos eucariontes em que o material genético fica envolto por uma membrana nuclear. Algumas bactérias possuem círculos menores de DNA, chamados plasmídeos, que têm um número muito menor de genes e podem ser transferidos entre bactérias pelo processo chamado de conjugação.

As principais características dos plasmídeos produzidos em laboratórios são a presença de um gene de origem da replicação (promotor), um local de clonagem múltipla e um gene de resistência, que permite o crescimento das bactérias carreadoras do plasmídeo recombinante em um meio de cultura com um antibiótico específico.


Os plasmídeos são utilizados como vetores para transportar um fragmento de DNA. Uma vez inserido, ele é copiado pela maquinaria de replicação da célula hospedeira. No laboratório, os plasmídeos recombinantes são especificamente projetados de modo com que o DNA alvo seja copiado pelas bactérias.

Método de transformação

A transformação bacteriana é utilizada principalmente para criar cópias de fragmentos de um DNA alvo (clonagem), produzir grandes quantidades de proteínas específicas (insulina humana, por exemplo) e para modificar geneticamente uma bactéria ou outra célula.

No início do processo, é necessário preparar uma solução com os plasmídeos recombinantes e as bactérias. Para que o novo DNA seja inserido na célula bacteriana, são realizados tratamentos químicos ou elétricos na mistura, que aumentam a capacidade de transporte da membrana celular e induzem a entrada do plasmídeo.


As bactérias transformadas são então semeadas em placas com o antibiótico de escolha, selecionando apenas as que possuem o plasmídeo recombinante com o gene de resistência (bactérias competentes).

As demais bactérias sem resistência ao antibiótico não crescem no meio de cultura. Ainda assim, verifica-se a produção do DNA estudado por reação de PCR, garantindo o sucesso do método de transformação.

Tendo os dados confirmados, esse grupo bacteriano pode ser posteriormente armazenado e multiplicado para fornecer fragmentos genéticos ou proteínas de interesse em grande escala. As proteínas são obtidas a partir dos micro-organismos competentes por métodos de extração e purificação.

10 março, 2017

Luvas de Látex, Nitrílicas ou de Vinil?

Luvas de Látex, Nitrílicas ou de Vinil?

Dentro de um laboratório, as luvas são equipamentos de proteção individual obrigatórios para quase todo tipo de procedimento, protegendo o trabalhador de possíveis riscos. Ao selecionar as luvas de proteção, existem quatro perguntas básicas a se considerar:

► Quão tóxico ou infeccioso é o material se absorvido pela pele?
► Como a luva será utilizada?
► Os testes de qualidade do fabricante são realizados frequentemente?
► Qual é o custo do produto?

Conhecer os pontos positivos e negativos dos principais materiais pode ajudar na escolha da luva mais adequada para protegê-lo durante sua jornada de trabalho. É importante identificar as ameaças a que o profissional estará submetido e determinar se ele terá contato pontual ou prolongado com materiais prejudiciais.

Luvas de Látex



O látex é um material natural proveniente de extrativismo vegetal e a escolha mais popular de proteção para uso médico ou industrial. Algumas pessoas possuem alergia ao látex, o que torna inviável o uso das luvas. Em contrapartida, quando não há nenhuma causa impeditiva, as luvas de látex têm uma ligeira vantagem sobre as de outros materiais, pois propiciam mais conforto e destreza durante as atividades.

Características:

☛ Muito confortáveis
☛ Alto nível de sensibilidade
☛ Duráveis por um longo período de tempo
☛ Protegem bem em situações de alto risco com materiais infecciosos
☛ Opções com ou sem pó
☛ Material elástico e forte
☛ Estéreis ou não
☛ Biodegradáveis
☛ Ótimo custo-benefício

Luvas Nitrílicas



As luvas nitrílicas são feitas de borracha sintética, ideais quando a pessoa possui alergia ao látex. Seu principal ponto positivo é a resistência à perfuração, tento muita aprovação na área médica. Devido à resistência, essas luvas geralmente são mais caras do que as produzidas com outros materiais.

Características:

☛ Confortáveis
☛ Sem látex
☛ São resistentes à perfuração e produtos químicos
☛ Alto nível de sensibilidade
☛ Duráveis por um longo período de tempo
☛ Protegem bem em situações de alto risco com materiais infecciosos
☛ Disponíveis em várias cores
☛ Mais caras


Luvas de Vinil



As luvas produzidas com o composto químico vinil são o produto de escolha das indústria de alimentos e das empresas cujas situações de trabalho não exigem altos níveis de durabilidade e proteção. Embora possam ser menos duráveis, geralmente são a opção mais barata do mercado.

Características:

☛ Ajuste fraco
☛ Sem látex
☛ Transparentes
☛ Protegem bem em situações momentâneas com menor risco
☛ Propriedades antiestáticas
☛ Opções com ou sem pó
☛ Mais baratas


04 março, 2017

Ofertas de bolsas de estudo para Biomedicina

Ofertas de bolsas de estudo para Biomedicina

O site Guia do Estudante, através do GE Bolsas, oferece bolsas de estudo para o curso de Biomedicina em várias instituições espalhadas pelo Brasil. Os ótimos descontos viabilizam o ingresso de alunos que buscam valores de mensalidade mais baixos do que os encontrados atualmente nas universidade do país.


A oferta das bolsas de estudo funciona da seguinte maneira: o aluno busca no site o curso de sua preferência, paga a pré-matrícula online, faz o processo seletivo na instituição de ensino, apresenta o comprovante de pré-matrícula e se matricula com a bolsa até o fim do curso. Veja uma lista com algumas oportunidades e a avaliação de cada uma, segundo o próprio site do Guia do Estudante.

Universidade Metodista de São Paulo
Localização: São Bernardo do Campo - SP
Avaliação GE: ✭✭✭✭
Desconto: 13,3% (economia de R$ 10 mil)

Centro Universitário de Belo Horizonte - UniBH
Localização: Belo Horizonte - MG
Avaliação GE: ✭✭✭
Desconto: 20% (economia de R$ 14 mil)

Universidade Mogi das Cruzes - UMC
Localização: Mogi das Cruzes - SP
Avaliação GE: ✭✭✭
Desconto: 52% (economia de R$ 87 mil)

Faculdade Estácio do Amazonas
Localização: Manaus - AM
Avaliação GE: ✭✭✭
Desconto: 50% (economia de R$ 22 mil)

Centro Universitário São Lucas
Localização: Porto Velho - RO
Avaliação GE: ✭✭✭
Desconto: 35% (economia de R$ 24 mil)

Centro Universitário Central Paulista - UNICEP
Localização: São Carlos - SP
Avaliação GE: ✭✭✭
Desconto: 40% (economia de R$ 26 mil)

Centro Universitário Metodista - IPA
Localização: Porto Alegre - RS
Avaliação GE: ✭✭✭
Desconto: 6% (economia de R$ 5 mil)

Além destas oportunidades apresentadas, há uma ferramenta de busca no site do GE Bolsas na qual estudante procura descontos por curso (graduação ou pós-graduação), instituição de ensino, localização, modalidade (presencial ou EAD), valor de mensalidade e turno.


02 março, 2017

Aplicativos indispensáveis para biomédicos

Aplicativos indispensáveis para biomédicos

Os inúmeros aplicativos desenvolvidos para celulares e tablets surgiram para revolucionar o modo de estudar. Longe das redes sociais, que são as maiores causas de distração, os smartphones deixaram de ser os vilões nas horas de estudo para complementar o conteúdo visto nas aulas e em rotinas laboratoriais.


Na área biomédica existem muitas ferramentas úteis que podem otimizar tarefas diárias simples e melhorar a rotina de trabalho. Confira algumas delas abaixo e instale no seu dispositivo para aproveitá-las.

CellAtlas

O CellAtlas é um aplicativo desenvolvido por peritos da morfologia celular de todo o mundo. Ele combina apresentações de uma ampla biblioteca de imagens de células, fornecendo aos estudantes e profissionais de laboratório uma introdução de primeira linha para a morfologia celular.

Disponível para: iOS | Android


Guia dos Exames

Esse guia conta com informações sobre valores de referência, descrição de exames, diagnóstico diferencial e procedimentos de coleta. São mais de 200 exames divididos em várias categorias, que podem ser modificados conforme solicitação de usuários e atualização do aplicativo.

Disponível para: iOS


Evernote

O Evernote é uma grande ferramenta de organização que possibilita acessar e ler os seus documentos em PDF, além de criar notas, capturar e salvar imagens. O aplicativo possui uma excelente função de busca por palavras-chave em documentos ou textos dentro de imagens. Apesar da versão gratuita ter capacidade limitada, os dados são sincronizados com a nuvem, sendo muito útil para estudantes e profissionais.

Disponível para: iOS | Android | Windows Phone


Calculate by QxMD

Uma calculadora médica com muitos pontos positivos, design atraente e sistema de progressão através de uma série de telas, que induz o usuário a determinar os valores de interesse. Em contraste com outros aplicativos que fornecem calculadoras médicas, a interface atípica apresentada por Calculate requer mais cliques, mas melhora a experiência de aprendizagem sem retardar o processo de cálculo.

Disponível para: iOS | Android | Windows Phone


Mendeley

Com tantas opções de referências disponíveis, a opção grátis mais utilizada é sem dúvidas o Mendeley. O aplicativo torna a arte de pesquisar e formatar uma bibliografia mais fácil, e conta com um sistema gerenciador de referências baseado na web e ferramentas de desktop para Windows e Mac.

Disponível para: iOS | Android


LabTimer

O aplicativo LabTimer é um temporizador progressivo e regressivo com diversos alarmes. Projetado para simular temporizadores de laboratórios, oferece acesso rápido a contagens regressivas múltiplas e repetitivas, com a opção de criação de rótulos de texto para cada temporizador utilizado.

Disponível para: iOS


Hematology Outlines

O Hematology Outlines é um atlas e glossário de hematologia desenvolvido em colaboração com várias instituições. O aplicativo exibe uma breve descrição das células e permite a comparação lado a lado de imagens, sendo utilizado como parte do material de cursos de hematologia em várias escolas médicas e programas de treinamento em laboratórios clínicos.

Disponível para: iOS


Medscape

Um aplicativo que fornece respostas clínicas rápidas e precisas, utilizado como principal recurso médico para profissionais de saúde. Possui uma referência de medicamentos, que possibilita busca de dosagens e combinações medicamentosas adversas. Além disso, a consulta clínica permite aos usuários fazerem perguntas, compartilharem imagens interessantes e discutirem casos clínicos.

Disponível para: iOS | Android


Gene Screen

O aplicativo de genética inclui quatro animações que introduzem os conceitos básicos sobre hereditariedade, genética populacional, doenças genéticas recessivas, entre outros. Inclui calculadoras para verificação de padrões de herança recessiva e prevalência de diferentes doenças genéticas na população. Um mapa interativo destaca algumas doenças cujas prevalências são maiores em certas regiões do mundo.

Disponível para: iOS


Manual Blood Cell Counter

Este aplicativo auxilia alunos e profissionais de laboratórios clínicos na contagem de células sanguíneas. Os dois teclados disponíveis, um para esfregaço de sangue periférico com 13 teclas e outro para aspirado de medula óssea com 31 teclas, possibilitam a contagem diferencial. Em adição, o contador pode ser customizado e faz a correção automática da contagem global de leucócitos caso haja eritroblastos no sangue periférico.

Disponível para: iOS



Conhece algum outro aplicativo útil para indicar? Entre em contato!

01 março, 2017

IGH abre processo seletivo para biomédicos

IGH abre processo seletivo para biomédicos

O Instituto de Gestão e Humanização (IGH) realizará processo seletivo para a contratação imediata de profissionais e criação de cadastro reserva em instituições de saúde do estado de Goiás. As unidades contempladas são o Hospital de Urgências de Aparecida de Goiânia (HUAPA), Hospital Materno Infantil (HMI) e Maternidade Nossa Senhora de Lourdes (MNSL).


O concurso disponibiliza duas vagas para Biomedicina, sendo uma efetiva e outra cadastro reserva, para o HUAPA e MNSL, respectivamente. A jornada de trabalho é de 44 horas semanais com remuneração inicial de R$ 2.700,50.

As etapas da seleção seguirão a seguinte ordem: análise curricular, análise documental, avaliação presencial, entrevistas, entrega de documentação e exame médico admissional. A publicação do resultado final está prevista para o dia 22 de março de 2017, no site do IGH por ordem de classificação.

As inscrições são gratuitas, no período de 02 a 08 de março de 2017, e devem ser realizadas de forma presencial na Maternidade Nossa Senhora de Lourdes, localizada na cidade de Goiânia. Informações referentes ao processo seletivo, assim como anexos e formulários, podem ser encontradas no site do IGH (www.igh.org.br), no menu "transparência".

20 fevereiro, 2017

Cientista sugere a existência de seres humanos imortais

Cientista sugere a existência de seres humanos imortais

Durante a Campus Party de 2017, o gerontologista biomédico Aubrey de Grey ministrou uma palestra e apresentou várias possibilidades sobre o uso da tecnologia para retardar ou até mesmo evitar o envelhecimento humano.


O cientista inglês é fundador da SENS Research Foundation, uma ONG localizada na Califórnia que pesquisa processos de combate ao envelhecimento ou degeneração celular. Contrariando a ideia de que envelhecer é inevitável, ele sugere que o assunto seja tratado como matéria de engenharia, e que se forem feitas manutenções periódicas no corpo com uso de medicamentos, o ser humano pode viver muito mais tempo.

Segundo o cientista, pessoas consideradas jovens atualmente poderão ter acesso às tecnologias de imortalidade. Com isso, ele pretende descobrir todos os mecanismos que contribuem para o envelhecimento do organismo e criar fórmulas de medicamentos que revertam o processo, além de estimular uma alimentação mais saudável para as pessoas.

Ainda durante sua apresentação, ele fez uma afirmação polêmica, na qual garantiu que os primeiros seres humanos imortais já vivem entre nós. Apesar de otimista, suas pesquisas não recebem muito apoio da comunidade científica e a falta de grandes investimentos dificulta o financiamento das pesquisas para o desenvolvimento dos medicamentos e combate ao envelhecimento humano.

16 fevereiro, 2017

Médicos Sem Fronteiras para Biomédicos

Médicos Sem Fronteiras para Biomédicos

Já pensou em trabalhar para uma organização humanitária internacional? Saiba que os biomédicos podem atuar na "Médicos Sem Fronteiras" (MSF), que possui projetos de atividade médica em cerca de 70 países pelo mundo.

Criada em 1971 na França, a organização oferece cuidados de saúde a pessoas afetadas por graves crises humanitárias e também chama a atenção para as dificuldades enfrentadas pelos pacientes atendidos, independentemente do país onde se encontram.


Ao juntar-se à equipe de MSF, o candidato faz uma opção de vida. Todos os profissionais são pessoas que, acima de tudo, acreditam no trabalho humanitário imparcial, neutro e independente realizado pela organização mundo afora e sentem-se motivados por ele.

Ao contrário do que muitos pensam o trabalho não é voluntário. Todos os profissionais recebem remunerações e participam de processos de seleção rigorosos. No entanto, a remuneração não é o que atrai e retém os profissionais na organização e sim, a satisfação de trabalhar por uma causa que contribui para a mudança de vida de tantas pessoas.

A vaga destinada a biomédicos é a de Responsável por Laboratório, na qual o candidato deve ser capaz de organizar e coordenar todo o trabalho de análises clínicas em um projeto. Além disso, atua em parceria com outros profissionais da equipe nacional, realizando treinamentos e supervisão. Confira os requisitos para o cargo e avalie se o seu perfil é compatível:

✔ Diploma de graduação em Biomedicina, Bioquímica ou Biologia;
✔ Experiência profissional em laboratório e análises clínicas (Hematologia, Bioquímica e Imunologia);
✔ Experiência prática, de pelo menos, dois anos no diagnóstico e conhecimento teórico sobre Medicina Tropical, ou seja, sobre as doenças mais comumente tratadas por MSF: malária, cólera, tuberculose, hepatite, leishmaniose, tripanossomíase, febre tifoide, febre hemorrágica, HIV/Aids e doenças sexualmente transmissíveis;
✔ Experiência em gerenciamento de equipes;
✔ Experiência em implementação de técnicas de laboratório;
✔ Disponibilidade e vontade de trabalhar fora do Brasil, por períodos de pelo menos 6 meses;
✔ Disponibilidade e habilidade para trabalhar e viver em condições básicas;
✔ Fluência em francês e/ou inglês;
✔ Conhecimentos básicos em informática;
✔ Motivação pelo trabalho humanitário;
✔ Flexibilidade, fácil adaptação, sociabilidade, facilidade e interesse por trabalhar em equipe;
✔ Capacidade para administrar o estresse, grande carga de trabalho e o trabalho em condições, por vezes, difíceis;
✔ Estar em boas condições de saúde física e psíquica.

Os candidatos interessados devem enviar um e-mail para recrutamento@msf.org.br com o currículo obrigatoriamente em inglês ou francês, junto com uma carta de motivação em português.
Teste do suor para diagnóstico de Fibrose Cística

Teste do suor para diagnóstico de Fibrose Cística

A Fibrose Cística é uma doença genética hereditária progressiva, que provoca infecções pulmonares persistentes e limita a capacidade de respirar ao longo do tempo. Se alguma pessoa exibe sinais da doença, o teste do suor deve ser realizado para a dosagem quantitativa de cloro na amostra. O exame é a maneira mais confiável para se obter um diagnóstico conclusivo da Fibrose Cística, que apesar de ser incurável pode ser detectada precocemente.


O teste, baseado na iontoforese quantitativa por pilocarpina, é considerado o padrão-ouro para o diagnóstico da Fibrose Cística. Pode ser feito em pessoas de qualquer idade, porém algumas crianças não conseguem transpirar a quantidade suficiente na primeira vez, e o teste deve então ser repetido.

O procedimento não envolve agulhas e consiste na aplicação de um produto químico incolor inodoro (pilocarpina) associada a uma estimulação elétrica de baixa voltagem em uma área do braço ou perna do paciente, a fim de estimular as glândulas a produzirem suor. Após 30 minutos de estimulação, o suor é recolhido em gaze ou filtro de papel e depois enviado ao laboratório para que seja feita a análise quantitativa.

As pessoas com Fibrose Cística têm mais cloro (um componente do sal) no suor do que as pessoas saudáveis. O tempo mínimo para se obter o resultado do teste de cloro no suor é de 48 horas de vida, mas por recomendação geral a maioria dos testes é realizada após o segundo mês de idade.

Os valores de cloro no suor não mudam de positivo para negativo ou negativo para positivo conforme uma pessoa envelhece e também não são alterados por resfriados e outras doenças leves. Os valores de referência do exame são:

Inferior a 40 mEq/L - Fibrose Cística muito improvável.
Entre 40 e 59 mEq/L - Teste duvidoso, repetição necessária.
Maior ou igual a 60 mEq/L - Fibrose Cística provável.

Por ter a exigência de um volume mínimo, cada amostra deve ser analisada independentemente. A combinação ou análise de duas amostras com volumes insuficientes pode levar a resultados falso-positivos ou falso-negativos, que implicam em mudanças significativas no tratamento do paciente.

15 fevereiro, 2017

Ciclo de Cursos e Palestras em Toxicologia

Ciclo de Cursos e Palestras em Toxicologia

A Sociedade Brasileira de Toxicologia - SBTOX está promovendo a primeira edição do Ciclo de Cursos e Palestras em Toxicologia, que será realizado no dia 04 de março de 2017 em Goiânia - GO. O objetivo do evento é promover a difusão, discussão e atualização dos conhecimentos relacionados à Toxicologia, com temas em diferentes áreas de conhecimento.


Entre os assuntos contemplados estão os segmentos Clínico, Forense, Analítico, Experimental, Social, Ocupacional, de Alimentos, de Medicamentos, Ambiental, Neuro, Imuno e Nanotoxicologia. Além disso, a SBTOX deseja promover e ampliar a integração e colaboração entre estudantes e profissionais envolvidos na área, fortalecendo os laços da comunidade científica e profissional.

As palestras do Prof. Dr. Mauricio Yonamine e da perita Flávia Pine Leite serão ministradas das 8h30 às 17h30, no Auditório da Fundação Tiradentes da Polícia Militar, localizado na Avenida Contorno, nº 2.185 - Setor Central - CEP: 74055-140 - Goiânia - GO.

O número de vagas para o curso é limitado e o valor das inscrições é de R$ 100,00 para sócios da SBTOX e R$ 150,00 para não-sócios. Há também a possibilidade da inscrição de grupos de 20 estudantes ou mais, que devem enviar e-mail para secretaria@sbtox.org.

Visite o site do evento e inscreva-se!

09 fevereiro, 2017

Biomedicina e Farmacologia

Biomedicina e Farmacologia

A Farmacologia é a área médica que analisa a ação de um fármaco, definido como qualquer produto produzido de forma natural ou endógena que tem efeito bioquímico ou fisiológico no organismo. Resumidamente, é o estudo das interações que ocorrem entre um organismo vivo e os produtos químicos que afetam a função bioquímica. Se as substâncias possuem propriedades medicinais, elas são consideradas produtos farmacêuticos.


Em sua totalidade, abrange o conhecimento das fontes, propriedades químicas, biológicas e efeitos do uso terapêutico das substâncias. É uma ciência fundamental não só para a medicina, mas também para farmácia, biomedicina, enfermagem, odontologia e medicina veterinária. Os estudos farmacológicos abrangem os efeitos de agentes químicos sobre mecanismos subcelulares, potenciais perigos de pesticidas e herbicidas, tratamento e prevenção das principais doenças por terapia medicamentosa.

Teoria

Os farmacologistas investigam como os medicamentos interagem com os sistemas biológicos, in vitro ou in vivo, para que se possa prever o efeito que tais substâncias têm nos seres humanos. Entre os campos mais relacionados com a Farmacologia, estão a Toxicologia e a Bioquímica.

Os profissionais que atuam na área clínica aplicam o seu conhecimento de farmacocinética e farmacodinâmica em desenvolver, aprovar e lançar novos medicamentos para o uso da população em geral. Além disso, estão envolvidos na modelação molecular de fármacos e na utilização destas como ferramentas para dissecar os aspectos da função celular.

As diversas áreas de especialização incluem neurofarmacologia, farmacologia cardiovascular, farmacologia in vivo, psicofarmacologia, farmacologia veterinária, ecofarmacologia, entre outras. Apesar do progresso notável no desenvolvimento de novos medicamentos e na compreensão de como eles agem, os desafios que permanecem são infinitos. Sempre haverá novidades em processos fundamentais que levantarão questões novas e intrigantes, estimulando ainda mais a pesquisa e a necessidade de uma nova visão sobre o tema.

Resoluções

Para habilitação em Farmacologia, os biomédicos devem realizar cursos de pós-graduação lato sensu ou strictu sensu, reconhecidos pelo MEC.

Assim, para inclusão da habilitação conforme o Conselho Regional de Biomedicina, o profissional biomédico deverá obter sua experiência comprovada das seguintes maneiras: pelos cursos de pós-graduação, na conclusão da graduação (via estágio supervisionado de 500 horas) e nas residências multi-profissionais ou biomédicas, mediante comprovação de tempo de atuação ou residência.


Prática

O biomédico farmacologista deve compreender como os fármacos funcionam para que possam ser utilizados de forma eficaz e segura nas terapias existentes. Também realizam pesquisas para auxiliar a descoberta e o desenvolvimento de novos medicamentos, com a colaboração de outros investigadores.

A análise envolve coordenar ensaios de absorção, distribuição, metabolismo e excreção de um fármaco pelo corpo humano. Com grande parte do trabalho realizado em laboratório, a Farmacologia faz parte de uma ampla equipe de investigação científica. Entre as principais atividades, estão:

 concepção, planejamento e realização de experimentos controlados para melhorar a compreensão da atividade de um composto;
 uso da bioinformática, com sistemas de medição de alta tecnologia e outros equipamentos sofisticados para coletar, analisar e interpretar dados;
→ aplicação e desenvolvimento dos resultados da investigação por meio de novos produtos, processos, técnicas e práticas;
→ elaboração, organização e supervisão para testes de desenvolvimento de novos fármacos;
→ contato com autoridades reguladoras para assegurar a conformidade com as regulamentações locais, nacionais e internacionais;
→ planejar, coordenar e supervisionar as funções de pessoal técnico e formação de farmacologistas em início de carreira.

Os ensaios clínicos de um fármaco incluem até quatro fases, envolvendo pacientes voluntários. Nele, são decididos a quantidade e a forma de administração do medicamento, com base em pesquisas pré-clínicas e o tecido ou órgão a que se destina o uso.

No decorrer dos ensaios clínicos, os farmacologistas avaliam a eficácia de um medicamento, monitoram seus efeitos colaterais e fazem ajustes na estrutura química, se necessário. Além disso, podem sugerir outras opções que influenciam na eficácia de um fármaco, incluindo a presença de diferentes medicamentos, alimentos e suplementos alimentares.

A divulgação dos resultados das pesquisas também é muito importante. Derivada de uma literatura altamente específica, a Farmacologia permite que os seus profissionais compartilhem os resultados e conclusões com colegas e membros da equipe em reuniões de grupo. Os relatórios periódicos indicarão o real desenvolvimento da pesquisa e possibilitarão, no futuro, a aprovação do fármaco pelas autoridades reguladoras.

$ Salário $

Como a atividade envolve o desenvolvimento de produtos, a grande maioria dos farmacologistas trabalha em indústrias farmacêuticas ou em centros de pesquisa. Assim, o salário corresponde diretamente ao porte do estabelecimento e à relevância do produto estudado.

Opinião profissional

Nesta seção, entrevistamos um farmacologista para que você possa conhecer um pouco mais sobre a habilitação.

José Ernesto Belizário - graduado em Ciências Biológicas - Modalidade Médica pela Universidade Estadual de Londrina (1980), mestrado pela Universidade Federal de São Paulo (1984), doutorado pela Universidade Federal de São Paulo (1988) e pós-doutorado pela Tufs University sob a supervisão de Dr Charles Dinarello, e na Stanford University, sob a supervisão de Dr. Steven Sherwood. Atualmente é professor associado do Departamento de Farmacologia Universidade de São Paulo (USP). É co-descobridor do gene da dermcidin e investiga o seu papel na indução de tumores malignos, proteção contra a morte celular (apoptose e necrose) e indução de caquexia. Desenvolve pesquisa na área de genética animal e transgenia visando desenvolvimento de animais para servir de modelos de doenças e animais-bioreatores para a produção de proteínas recombinantes e anticorpos monoclonais.
Contatos → E-mail: jebeliza@usp.br

Entrevista

1 - Por que escolheu a Farmacologia?
José Ernesto Belizário - Durante o meu estágio do curso de Ciências Biomédicas na UEL em Londrina, onde fazia experimentos com ratos de laboratório, eu descobri que podia eliminar a dor (anestesia), modificar e explorar os vários sistemas biológicos e patológicos usando medicamentos. Queria entender como os medicamentos funcionam e aí vi que para isso precisaria aprofundar meus conhecimentos em ciências fundamentais como a química, bioquímica, fisiologia e genética. Fui fazer a pós-graduação na UNIFESP e depois pós-doutorado em Boston, USA. Comecei a ver e participar do mundo das descobertas científicas e tecnológicas. Essas pesquisas não têm fim, e estão diretamente relacionadas com o aumento médio de sobrevivência da população. Hoje está mais fácil ter acesso aos avanços tecnológicos e produtos, mas é preciso rigor científico para avaliar o que pode realmente trazer benefícios à saúde a longo prazo.

2 - Qual é a sua avaliação para o mercado de trabalho nessa área?
José Ernesto Belizário - O campo de trabalho para o cientista (o que faz pesquisa) no Brasil é ainda um pouco restrito, mas para os profissionais de saúde é muito amplo. O Brasil é o quarto maior consumidor de remédios no mundo, e precisamos de muita gente especializada para aplicar e desenvolver métodos de diagnósticos de doenças nos laboratórios e hospitais com as novas ferramentas tecnológicas e a bioinformática (biologia de sistemas). Também precisamos de gente especializada para a produção de novos medicamentos (sãos milhares em desenvolvimento), vigilância sanitária e ecofarmacologia, entre muitas outras.

3 - Na sua opinião, quais as vantagens e desvantagens da Farmacologia?
José Ernesto Belizário - Não sei como avaliar, mas uma vez na carreira, o bom profissional terá sempre vantagens e possibilidades de vários caminhos na profissão. Nunca parar de estudar é essencial.

4 - Considerações finais.
José Ernesto Belizário - A vocação profissional vem do interior, mas o contato com profissionais e centros universitários é importante na hora de decidir por uma carreira nas ciências biomédicas.

03 fevereiro, 2017

Espermograma e análise do sêmen

Espermograma e análise do sêmen

A análise do sêmen exibe o volume, número e a qualidade dos espermatozoides que o homem produz. Normalmente, é o primeiro teste para detectar problemas de fertilidade e fornecer informações importantes sobre uma vasectomia bem-sucedida ou casos de reversão do procedimento.


Durante a ejaculação, o sêmen é produzido a partir de uma suspensão concentrada de espermatozoides armazenados nos epidídimos, misturados e diluídos por secreções dos órgãos sexuais acessórios, principalmente a próstata e as vesículas seminais.

Os principais parâmetros macroscópicos e microscópicos analisados durante um espermograma são: cor, aspecto, volume, tempo de liquefação, concentração, número total de espermatozoides, morfologia, motilidade, vitalidade, pH, presença de leucócitos e bactérias.

Cor e aspecto: análise macroscópica que pode indicar alguma anormalidade na amostra.

➧ Volume: indica o volume total do sêmen após a ejaculação.

➧ Tempo de liquefação: de aspecto viscoso, o sêmen começa a se tornar líquido dentro de poucos minutos após a ejaculação.

➧ Concentração: avaliação do número de espermatozoides por mL em uma amostra.

➧ Número total: quantidade total de espermatozoides, obtida pela multiplicação da concentração pelo volume da amostra.

➧ Morfologia: análise do formato e tamanho dos espermatozoides, incluindo a cauda.

➧ Motilidade: avaliação de espermatozoides móveis e imóveis.

➧ Vitalidade: análise da presença de formas mortas ou viáveis de espermatozoides, por integridade da membrana celular.

➧ pH: análise da acidez (pH baixo) ou alcalinidade (pH elevado) do sêmen.

➧ Contagem de leucócitos: pesquisa de leucócitos na amostra de sêmen.

Coleta

Antes da coleta, recomenda-se um período de abstinência sexual entre 2 e 7 dias. A amostra de sêmen é coletada em um frasco estéril após masturbação sem uso de lubrificantes e normalmente é realizada em uma sala privada ou um banheiro de clínicas e laboratórios.

Coletas em casa não são recomendadas pelo tempo de transporte da amostra, que deve ser entregue ao laboratório dentro de uma hora sem exposição à luz ou temperaturas extremas. O processamento imediato do sêmen fornece resultados rápidos, que estão disponíveis de um dia após a coleta.

► Cor e aspecto
A amostra normal é homogênea, viscosa e tem coloração branca opalescente.

► Volume de sêmen
normal ⟶ igual ou superior a 1,5 mL por ejaculação.
anormal ⟶ volumes alterados de sêmen podem causar problemas de fertilidade.

► Tempo de liquefação
normal ⟶ de 20 a 30 minutos após a coleta.
anormal ⟶ tempos de liquefação mais longos podem indicar uma infecção.

► Concentração
normal ⟶ igual ou superior a 15 milhões de espermatozoides por mL. O valor pode ser zero se o homem foi submetido a uma vasectomia.
anormal ⟶ concentrações inferiores a 15 milhões indicam oligozoospermia, que pode ser leve, moderada ou grave.

► Número total
normal ⟶ igual ou superior a 39 milhões de espermatozoides.
anormal ⟶ se a concentração de espermatozoides é baixa ou nenhum espermatozoide é observado, deve-se suspeitar de oligozoospermia ou azoospermia, respectivamente.

► Morfologia
normal ⟶ igual ou superior a 4% dos espermatozoides com forma oval regular.
anormal ⟶ os espermatozoides amorfos possuem características evidentes, como duas cabeças ou duas caudas, cauda curta, formato cônico, piriforme, cabeça pequena ou partida, entre muitas outras.


► Motilidade
normal ⟶ mais de 32% do espermatozoides têm movimento normal e progressivo e mais de 40% do total com movimento após 1 hora.
anormal ⟶ se os espermatozoides não forem capazes de realizarem o movimento progressivo, haverá dificuldade na fecundação.

► Vitalidade
normal ⟶ superior a 58% de formas viáveis de espermatozoides na amostra de sêmen.
anormal ⟶ é importante identificar se os espermatozoides imóveis estão vivos ou mortos. O resultado da vitalidade deve ser analisado em conjunto com a motilidade.

► pH
normal ⟶ o pH do sêmen é neutro, de 7,1 a 8,0.
anormal ⟶ um pH alto ou baixo pode matar os espermatozoides e afetar a sua motilidade.

► Leucócitos
normal ⟶ ausência de leucócitos ou bactérias no sêmen.
anormal ⟶ presença de leucócitos ou bactérias indicam infecção.

Certas condições estão ligadas a uma contagem baixa de espermatozoides, sua ausência ou morfologia alterada. Entre elas estão a orquite, varicocele, síndrome de Klinefelter e exposição à radiação. Nesses casos, mais testes devem ser feitos para a confirmação, como a dosagem de hormônios ou biópsia dos testículos.


Leia o manual completo de análise e processamento de sêmen, fornecido pela Organização Mundial de Saúde.

18 janeiro, 2017

A centrífuga mais barata do mundo

A centrífuga mais barata do mundo

Uma ferramenta encontrada em ruínas arqueológicas de 3.300 a.C. intrigou cientistas da Universidade de Stanford. O que aparentemente era usado como brinquedo por crianças na época, hoje pode ter extrema importância na área médica.

Liderados por Manu Prakash, os pesquisadores decifraram como o mecanismo funciona: composto principalmente por um disco de papel cartão e fios, o disco consegue atingir uma velocidade de rotação muito alta. Após pequenos ajustes, eles acreditam que o dispositivo econômico pode ser aplicado para centrifugar amostras de sangue, urina, escarro e fezes.

Paperfuge, desenvolvida por cientistas da Universidade de Stanford.

Batizado de "paperfuge", a centrífuga custa 20 centavos de dólar e pesa apenas 2 gramas. Entre as melhorias realizadas pela equipe, foram inseridos pequenos canudos, que servem como suporte para os tubos das amostras.

Para funcionar, basta que o utilizador realize o movimento de enrolar e desenrolar do fio. Com gasto mínimo, o grupo de cientistas conseguiu que o pequeno dispositivo atingisse a velocidade de 125.000 RPM.

O instrumento seria muito útil em laboratórios de países mais pobres, que possuem baixa acessibilidade à eletricidade, pouco espaço físico e que necessitam de centrífugas eficazes para auxiliar no diagnóstico de doenças.

Manu Prakash afirma que modelos mais avançados da "paperfuge" já podem ser fabricados por impressoras 3D e que solicitou ao Guinness Book para reconhecer o equipamento como dispositivo giratório manual mais rápido do mundo.

Assista ao vídeo produzido pela Universidade de Stanford, que explica sobre a descoberta: