Meios de Cultura

O crescimento dos microrganismos nos diferentes meios de cultura utilizados fornece as primeiras informações para a sua identificação. É importante conhecer o potencial de crescimento de cada meio de cultura e adequar ao perfil bacteriano esperado para cada material.
Alguns procedimentos são essenciais na hora da preparação de cada meio de cultura para a obtenção de melhores resultados e evitar contaminações, como nos diferentes casos: quando distribuir o meio antes de autoclavar, os tubos não precisam estar esterilizados; quando distribuir o meio após a autoclavação, os tubos, frascos, placas, pipetas e vidrarias ou materiais auxiliares obrigatoriamente devem ser estéreis e os meios devem ser autoclavados com as tampas semi-abertas, para que a esterilização seja por igual em todo o conteúdo dos tubos - tampas fechadas não permitem a entrada do vapor.


Ágar nutriente (AN)
Meio relativamente simples, de fácil preparo e barato, muito usado nos procedimentos do laboratório de microbiologia.
Utilidade: análise de água, alimentos e leite como meio para cultivo preliminar das amostras submetidas à exames bacteriológicos e isolamento de organismos para culturas puras, conservação e manutenção de culturas em temperatura ambiente, como método opcional para os laboratórios que não dispõem do método da criopreservação (congelamento das cepas em freezer à - 70ºC) e observação da esporulação de espécies de bacilos Gram positivos.
Interpretação:
Cor original do meio: branco opalescente
Positivo: Crescimento na superfície do ágar;
Negativo: Ausência de crescimento.

Ágar sangue (AS)
O meio, usando uma base rica, oferece ótimas condições de crescimento a maioria dos microrganismos. A conservação dos eritrócitos íntegros favorecem a formação de halos de hemólise nítidos, úteis para a diferenciação de Streptococcus spp. e Staphylococcus spp.
Utilidade: isolamento de microrganismos não fastidiosos, verificação de hemólise dos Streptococcus spp. e Staphylococcus spp. e usado na prova de satelitismo (para identificação presuntiva de Haemophilus spp.).
Interpretação:
Cor original do meio: vermelho.
Beta hemólise: presença de halo transparente ao redor das colônias semeadas (lise total dos eritrócitos).
Alfa hemólise: presença de halo esverdeado ao redor das colônias semeadas (lise parcial dos eritrócitos).
Gama hemólise (sem hemólise): ausência de halo ao redor das colônias (eritrócitos permanecem íntegros).

Ágar chocolate (CHOC)
Amplamente utilizado para o cultivo de microrganismos exigentes, embora cresçam neste meio quase todos os tipos de microrganismos. À base do meio, é adicionado sangue de cavalo, carneiro ou coelho em temperatura alta, o que faz com que as hemácias lisem, liberando hemina e hematina, compostos fundamentais para o crescimento dos microrganismos exigentes.
Utilidade: crescimento de microrganismos exigentes Haemophilus spp., Neisseria spp., Branhamella catarrhalis e Moraxella spp.
Interpretação:
Cor original do meio: castanho escuro (chocolate).
Colônias de tamanho pequeno a médio, com pigmento amarelo: sugestivo de Neisseria spp,
Branhamella catarrhalis ou Moraxella spp.
Colônias pequenas e delicadas, com pigmento creme claro: sugestivo de Haemophilus spp.

Ágar MacConkey (MC)
O cristal violeta inibe o crescimento de microrganismos Gram positivos especialmente enterococos e estafilococos. A concentração de sais de bile é relativamente baixa em comparação com outros meios, por isso não é tão seletivo para Gram negativos como, por exemplo, o ágar SS.
Utilidade: isolar bacilos Gram negativos (enterobactérias e não fermentadores) e verificar a fermentação ou não da lactose.
Interpretação:
Cor original do meio: rosa avermelhado.
Crescimento de bacilos Gram negativos.
Colônias cor de rosa: fermentadoras de lactose.
Colônias incolores: não fermentadoras de lactose.
Não há crescimento de cocos Gram positivos.

Ágar Salmonella-Shigella (SS)
Possui componentes (sais de bile, verde brilhante e citrato de sódio) que inibem microrganismos Gram positivos. A incorporação de lactose ao meio permite diferenciar se o microrganismo é lactose positiva (bactérias que fermentam a lactose produzem ácido que na presença do indicador vermelho neutro resultando na formação de colônias de cor rosa), e bactérias que não fermentam a lactose formam colônias transparentes. Tissulfato de sódio e o citrato férrico permitem a detecção de H²S evidenciado por formação de colônias de cor negra no centro.
Utilidade: selecionar e isolar espécies de Salmonella e Shigella, em amostras de fezes, alimentos e água.
Interpretação:
Cor original do meio: vermelho alaranjado.
Colônias com centro negro (H²S) ou colônias incolores: suspeita de Salmonella.
Colônias incolores: suspeita de Shigella spp.
Colônias cor de rosa ou vermelho: suspeita de Escherichia coli ou Klebsiella spp.
As bactérias não fermentadoras de lactose são incolores.
As bactérias fermentadoras de lactose aparecem na cor rosa.

Ágar Hektoen enteric (HE)
Os sais biliares e os corantes azul de bromotimol e fucsina ácida inibem o crescimento da maioria dos microrganismos Gram positivos. Lactose, sacarose e salicina fornecem carboidratos fermentáveis ​​para incentivar o crescimento e diferenciação de enterobactérias.
Utilidade: isolar e diferenciar os membros da espécie Salmonella e Shigella de outros Enterobacteriaceae.
Interpretação:
Cor original do meio: azul-esverdeado
Colônias amarelas a salmão: enterobactérias fermentadoras de carboidratos.
Colônias azuis-esverdeadas com ou sem centro preto: suspeita de Salmonella spp. e Shigella spp.

Ágar Cystine Lactose Electrolyte Deficient (CLED)
Usado para isolamento e quantificação de microrganismos presentes em amostras urina. A deficiência de eletrólitos inibe o véu de cepas de Proteus.
Utilidade: isolar e quantificar microrganismos Gram positivos, Gram negativos e leveduras.
Interpretação:
Cor original do meio: azul claro.
Colônias lactose positiva: cor amarela.
Colônias lactose negativa: cor azul.

Ágar Thayer-Martin Chocolate (TM)
É um meio rico e superior a outros meios de cultivo destinados para o isolamento de Neisseria gonorrhoeae e Neisseria meningitidis, pois contém em sua fórmula antibióticos que inibem o crescimento de Neisserias saprófitas e outras bactérias, quando em amostras colhidas de sítios contaminados.
Utilidade: usado para o isolamento seletivo de Neisseria gonorrhoeae e Neisseria meningitidis, a partir do material de investigação.
Interpretação:
Cor original do meio: marrom-chocolate
Colônias pequenas e opacas: suspeita de Neisseria gonorrhoeae e Neisseria meningitidis.

Ágar Löwenstein-Jensen (LJ)
A base do meio é constituída por ovos integrais, o que permite amplo crescimento das micobactérias e o crescimento é satisfatório para o teste de niacina (que é positivo para Mycobacterium tuberculosis).
Utilidade: Isolamento primário das micobactérias.
Interpretação:
Cor original do meio: verde claro
Positivo: Crescimento de colônias amarelas
Negativo: ausência de crescimento.

Ágar Saboraud (AS)
Meio com nutrientes que favorece o crescimento de diversos fungos leveduriformes e filamentosos.
Utilidade: cultivo e crescimento de espécies de Candidas e fungos filamentosos, particularmente associados a infecções superficiais e caracterização macroscópica do fungo filamentoso (colônia gigante).
Interpretação:
Cor original do meio: amarelo claro opalescente.
Após o crescimento, deve-se seguir a identificação do microrganismo que cresceu.

Ágar Regan-Lowe (RL)
Consiste em uma base de carvão vegetal acrescida de sangue (carneiro ou cavalo) e cefalexina. O carvão e o amido atuam como absorventes, removendo qualquer substância inibitória, o sangue tem função desintoxicante e enriquecedor e a cefalexina inibe a maioria dos contaminantes da microbiota do trato respiratório.
Utilidade: isolamento do gênero Bordetella em amostras clínicas que são geralmente contaminadas com a microbiota do trato respiratório.
Interpretação:
Cor original do meio: preto
Colônias pequenas acinzentadas e brilhantes: suspeita de Bordetella pertussis e Bordetella parapertussis.

Ágar verde brilhante (BG)
O extrato de levedura e duas peptonas fornecem os nutrientes; a lactose e a sacarose, juntamente com o vermelho de fenol, fornecem um sistema de diferenciação que exclui os fermentadores da lactose e/ou sacarose (ex: E. coli), enquanto que as salmonelas não produzem ácido a partir destes açúcares.
Utilidade: isolamento de outras salmonelas que não sejam as S. Typhi, existentes nas fezes e em outros materiais.
Interpretação:
Cor original do meio: castanho
Colônias brancas a vermelhas rodeadas por zonas vermelhas: suspeita de Salmonella spp. ou Proteus spp.
Colônias amarelas a esverdeadas rodeadas por zonas amarelo-esverdeadas: suspeita de Escherichia coli, Klebsiella spp. ou Enterobacter spp.

Ágar Mueller-Hinton (MH)
Meio padronizado por Kirby e Bauer e pelo CLSI que oferece condições de crescimento das principais bactérias.
Utilidade: realização do teste de avaliação da resistência aos antimicrobianos pelos métodos de difusão em disco e E-test para enterobactérias, não fermentadores, Staphylococcus, Enterococcus sp.
Interpretação:
Cor original do meio: amarelo palha.
A zona do diâmetro é particular para cada antibiótico e organismo, sendo comparado com diâmetros padronizados pelo CLSI, que determina cada microrganismo sendo sensível, intermediário ou resistente.

Um comentário:

Mais artigos