Últimas Novidades

A importância da inativação de micobactérias em esfregaços

Os numerosos registros de infecções pelo bacilo da tuberculose adquiridas em laboratório exibem o risco de trabalho com a manipulação de Mycobacterium tuberculosis. As precauções de segurança devem ser extremamente rigorosas devido à formação de aerossóis e risco de perfurações cutâneas.


Apesar da preparação e manipulação das amostras serem realizadas no interior de uma cabine de segurança biológica de nível 3, há um risco de exposição ao bacilo que geralmente não é priorizado pelos analistas: a viabilidade da bactéria Mycobacterium tuberculosis nas lâminas.

Todos os esfregaços são fixados no calor pela passagem da lâmina em uma chama ou superfície quente. No entanto, estudos microbiológicos mostram que mesmo após a fixação das lâminas, ainda são encontrados bacilos álcool-ácido resistentes viáveis no material. Portanto, a remoção das lâminas da cabine de segurança biológica para coloração constitui um risco potencial de transmissão por aerossóis ou infecção cutânea, caso as lâminas sejam quebradas ou o material se espalhe pelo ambiente.

Como complemento ao método de fixação por calor, existem técnicas que utilizam soluções com agentes descontaminantes eficientes, que inativam o bacilo da tuberculose e minimizam o risco da equipe laboratorial. Testes realizados mostram que após a descontaminação por 10 minutos das lâminas com soluções de fenol 5%, formalina tamponada 3,7% ou glutaraldeído 2%, houve a inativação do bacilo e ausência de crescimento em culturas. Micobactérias são resistentes aos desinfetantes devido ao alto teor lipídico na complexa parede celular destes micro-organismos.

A maior vantagem do uso desses métodos é que a eficácia dos reagentes na inativação de bacilos da tuberculose não afeta as características microscópicas originais dos esfregaços de escarro, mantendo as propriedades morfo-tintoriais e quantificações iniciais.

É importante que os profissionais de um laboratório de microbiologia realizem avaliações periódicas e instituam protocolos para minimizar ou eliminar riscos de exposição aos agentes microbiológicos e evitar infecções adquiridas no local de trabalho.


Artigos originais


Giacomelli, Luiz Roberto Bigão et al. Improved Laboratory Safety by Decontamination of Unstained Sputum Smears for Acid-Fast Microscopy. Journal of Clinical Microbiology 43.8 (2005): 4245–4248.

Chedore, Pamela et al. Method for Inactivating and Fixing Unstained Smear Preparations of Mycobacterium Tuberculosis for Improved Laboratory Safety. Journal of Clinical Microbiology 40.11 (2002): 4077–4080.