6.7.17

Conteúdo científico: acesso aberto ou pago?

Você já deve ter se perguntado por que o acesso a alguns artigos científicos é aberto e a outros é pago. Atualmente, qualquer pessoa que queira ler artigos deve acessá-los por meio da internet, pagando ou não o seu custo. Geralmente, a maioria das editoras têm direitos sobre os artigos em suas revistas e o autor é quem decide como será essa disponibilidade.


De modo geral, os artigos são a moeda pela qual uma pesquisa é avaliada. Os diversos tipos de periódicos alteram o valor agregado ao trabalho e o perfil dos leitores. Essencialmente, o artigo é um produto qualquer antes de ser divulgado, e sua publicação marca e comercializa esse produto.

Muitas instituições possuem licenças que possibilitam aos usuários acessarem conteúdos restritos gratuitamente. Mas estes acordos envolvem longas negociações para a utilização anual do conteúdo, que por vezes é limitado e custa caro, muito caro.

Pagar o acesso a artigos de revistas faz todo o sentido no mundo da publicação impressa, que requer a produção de cópias físicas dos textos. Mas no mundo da internet, com uma distribuição tão ampla, faz menos sentido.

No entanto, executar a manutenção de um periódico ainda tem custos reais. As margens de lucro mais altas são menores de 40% em grandes editoras. O acesso aberto é um modelo de negócio onde o custo total é bancado pelo autor, e por isso é gratuito.

Além disso, com o desenvolvimento da internet, não é mais necessário passar a maior parte do dia em bibliotecas com pilhas de periódicos e as últimas cópias impressas de artigos científicos. Uma enorme variedade de conteúdo está disponível na rede e pode ser acessada de nossos próprios computadores.

Na hora de publicar um artigo, o pesquisador leva em conta alguns fatores que podem determinar se o periódico terá acesso aberto ou conteúdo pago. A visibilidade do trabalho, os custos envolvidos, o fator de impacto da revista e a facilidade de aceitação do artigo científico ajudam-no a tomar essa decisão.

Quanto maior for o número de pessoas que acessa o artigo, maiores as chances de downloads e leitura. Apesar de não haver relação direta entre o aumento do número de acessos e o aumento de citações, o acesso aberto tem impacto positivo para os artigos científicos, pois permite que a publicação atinja educadores, estudantes e outros pesquisadores com mais facilidade.

Tanto os periódicos tradicionais quanto os de acesso aberto geralmente cobram taxas de publicação, para cobrir gastos com revisões editoriais. O que varia é o valor pago às editoras para o processamento dos artigos pós-aceitação. A quantia cobrada pelos periódicos tradicionais geralmente é por página e/ou quantidade de figuras. Nos jornais de acesso aberto, a taxa pode ser fixa, mas possui um grande intervalo de valores.

A principal preocupação de alguns pesquisadores em publicar artigos em revistas de acesso aberto está na qualidade e no fator de impacto. Muitas delas são novas e não tão bem estabelecidas em áreas comuns do conhecimento científico. Portanto, ter um trabalho publicado em revistas tradicionais e reconhecidas pode aumentar as chances de promoção da pesquisa e obtenção de financiamentos para futuros projetos.

Fatores como a facilidade e o tempo de aceitação também têm relação direta na decisão de publicar. Em áreas que envolvem dados clínicos, o atraso na divulgação de dados pode acarretar consequências negativas a pacientes que esperam por novos métodos terapêuticos. O tempo é ligeiramente menor em revistas de acesso aberto, mas a espera chega a durar vários meses. E isso se agrava nos casos de jornais impressos, quando é necessário agrupar os artigos por assunto, há limitação de espaço e leva um certo tempo para produzir e distribuir as cópias.

Resumidamente, o aumento das publicações de acesso aberto estão alterando o modo com que revistas consideradas tradicionais se definem. Muitas já permitem ser chamadas de híbridas, pois ao publicar o artigo, o autor pode pagar uma taxa adicional para que o público tenha acesso gratuito ao conteúdo. Essa condição facilita a escolha do melhor periódico, pois fornece aos pesquisadores uma publicação com alto fator de impacto, alto prestígio e grande visibilidade.

Leia mais sobre o tema no artigo "Open access: The true cost of science publishing", da revista Nature.

COMPARTILHE

Autor(a):

Os artigos do blog são destinados a estudantes, profissionais e pessoas que se interessam pela biomedicina e demais áreas da saúde. O conteúdo não visa substituir as orientações de um médico, portanto não deve ser utilizado para autodiagnóstico ou automedicação.

0 comentários: