Pular para o conteúdo principal

Recomendações sobre a normatização para determinação do perfil lipídico

O documento sobre as recomendações gerais do Consenso Brasileiro para a Normatização da Determinação Laboratorial do Perfil Lipídico já está disponível para os laboratórios de todo o país. A nova determinação trata principalmente da dispensa de jejum de 12 horas nos seguintes exames de perfil lipídico: Colesterol Total (CT), LDL-C, HDL-C, Não HDL-C e Triglicérides (TG).


Elaborada em conjunto pela Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica (ABRAMED) e pelas Sociedades Brasileiras de Cardiologia/Departamento de Aterosclerose (SBC/DA), Análises Clínicas (SBAC), Patologia Clínica e Medicina Laboratorial (SBPC/ML), Endocrinologia e Metabologia (SBEM) e Diabetes (SBD), a revisão apresenta valores referenciais do perfil lipídico para adultos e crianças nos casos em que há ou não jejum prévio.

Exceto alguns casos específicos mencionados no documento, a não obrigatoriedade do jejum é justificada pelas metodologias modernas utilizadas atualmente nos laboratórios clínicos, nas quais refeições comuns sem sobrecarga de gordura não alteram significantemente o resultado do exame.

De acordo com os autores, o consenso ainda auxilia na organização do fluxo de pacientes nos locais de coleta, evitando períodos excessivamente movimentados no início da manhã. Além disso, a coleta no período pós-prandial é mais segura em pacientes com uso de insulina (risco de hipoglicemia alto por jejum prolongado), gestantes, crianças e idosos.

Para adaptação da prática, que já é realizada nos Estados Unidos, Canadá e em países da Europa, o documento também fornece recomendações para o atendimento do paciente no laboratório clínico, modelo do laudo laboratorial e aplicação de fórmulas para a dosagem de LDL-C.

Clique aqui e obtenha o documento na íntegra.


Fonte: Sociedade Brasileira de Análises Clínicas - SBAC

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tubos para coleta de sangue

Os tubos de coleta de sangue são estéreis, feitos de vidro ou plástico e alguns possuem vácuo. Comumente utilizados em punções venosas, eles são projetados para a coleta, transporte e processamento das amostras.

O interior destes tubos pode ser revestido com anticoagulantes e as vedações preservam a integridade da amostra até a chegada ao laboratório. Embora não seja necessário ao coletor conhecer todos os detalhes sobre os procedimentos analíticos dos testes hematológicos, é essencial conhecer o tipo de amostra necessária para cada análise.


Tipo de Análise - Tipo de Amostra Bioquímica e Sorologia - Soro ou plasma Hematologia - Sangue total com EDTA Glicemia - Plasma com fluoreto de sódio Coagulação - Plasma com citrato de sódio
Tubos para coleta
A amostra deve ser coletada em tubos específicos para cada tipo de análise, sendo de extrema importância conhecê-los para a realização correta do exame. O material colhido em recipiente inadequado será rejeitado e descartado pelo laboratório p…

Conheça os principais meios de cultura

O crescimento dos microrganismos nos diferentes meios de cultura utilizados fornece as primeiras informações para a sua identificação. É importante conhecer o potencial de crescimento de cada meio de cultura e adequar ao perfil bacteriano esperado para cada material.


Alguns procedimentos são essenciais na hora da preparação de cada meio de cultura para a obtenção de melhores resultados e evitar contaminações, como nos diferentes casos: quando distribuir o meio antes de autoclavar, os tubos não precisam estar esterilizados; quando distribuir o meio após a autoclavação, os tubos, frascos, placas, pipetas e vidrarias ou materiais auxiliares obrigatoriamente devem ser estéreis e os meios devem ser autoclavados com as tampas semi-abertas, para que a esterilização seja por igual em todo o conteúdo dos tubos - tampas fechadas não permitem a entrada do vapor.

Ágar nutriente (AN)

Meio relativamente simples, de fácil preparo e barato, muito usado nos procedimentos do laboratório de microbiologi…

Vírus Epstein-Barr

O vírus Epstein-Barr, frequentemente referido como EBV, é um membro da família dos herpesvírus e um dos mais comuns nos humanos. O vírus ocorre em todo o mundo, e a maioria das pessoas é infectada com EBV em algum momento durante suas vidas.


Crianças tornam-se suscetíveis ao EBV tão logo a proteção de anticorpos maternos (presente no nascimento) desaparece. Muitas crianças são infectadas com EBV, e essas infecções geralmente não causam sintomas ou são indistinguíveis. Nos países desenvolvidos, muitas pessoas não estão infectadas com EBV na infância. Quando a infecção com EBV ocorre durante a adolescência ou na idade adulta jovem, provoca a mononucleose infecciosa em 35% a 50% dos casos.

Os sintomas da mononucleose infecciosa são febre, dor de garganta e aumento dos gânglios linfáticos. Às vezes, há o envolvimento do fígado e do baço. Problemas cardíacos ou envolvimento do sistema nervoso central ocorrem raramente, e a mononucleose infecciosa quase nunca é fatal. Não há associações co…