Metodologia Científica

Dicas importantes para estudar de forma eficiente

Profissionais da área da saúde precisam se atualizar constantemente sobre temas que envolvem suas carreiras. Tanto na graduação quanto após a especialização, é importante que a pessoa desenvolva métodos eficazes de estudo, que não interfiram na capacidade do cérebro em assimilar altos volumes de leitura diária.

O estudo incessante e excessivo pode ser prejudicial, portanto recomenda-se estimular a mente para processar e memorizar as informações mais importantes dentro de períodos de tempo mais curtos. Considerando algumas dicas e ajustando-as à rotina, é possível explorar melhor o conhecimento adquirido durante o tempo de estudo.


Divida o estudo em sessões de 30 minutos 🕒

Estudar em pequenos períodos, de 20 a 30 minutos durante semanas, é bem mais eficaz. As sinapses do cérebro processam bem melhor quantidades pequenas de informação do que grandes conteúdos de uma só vez. Portanto, separe um tempo por dia para ler matérias interessantes e relevantes.

Evite passar a noite estudando 🌙

Sessões de estudo prolongadas durante a noite trazem mais prejuízos do que benefícios quando se precisa estudar para uma prova, por exemplo. Essa prática, além de poder gerar notas ruins, diminui as habilidades de raciocínio e prejudica a memória. Apenas uma noite mal dormida é capaz de afetar negativamente o cérebro por até quatro dias. Dedicar-se em sessões de estudo no mesmo horário durante vários dias ajuda a treinar e habituar o cérebro.

Aproveite o essencial 📝

Ler, destacar e reler um livro não amplia muito a capacidade do cérebro em absorver informações ou unir conceitos-chave. Rascunhos e anotações são as melhores ferramentas de memorização, pois ajudam a realçar a informação que é mais importante, assegurando que a mente não se distraia com fatos supérfluos.

Limite-se a temas importantes ❗

Em vez de tentar estudar toda a informação como é passada, concentre-se em assuntos específicos. Por exemplo, procure memorizar o emprego de uma equação química ou como um determinado protocolo foi estabelecido. Buscar esses objetivos no estudo auxilia na criação de um processo confiável e organizado, desafiando conceitos-chave maiores.

Ensine para memorizar 💭

Quando o cérebro precisa processar as informações para ensinar, ele dispõe o conteúdo de uma maneira mais lógica a fim de transmiti-la para outra pessoa. Enquanto isso, os alunos que apenas aprendem não se obrigam a aplicar essa lógica na aprendizagem.

Aprenda na prática 👍

Não é sempre que vai ser possível, mas praticar a disciplina estudada facilita a memorização e ajuda a identificar possíveis lacunas no conhecimento. A atividade prática também torna o aprendizado mais relaxante e aumenta o nível de confiança da pessoa.

Reserve um local para estudar 📗

Definir um espaço exclusivo para o estudo melhora o desempenho. Além disso, é fundamental deixar todos os livros e objetos necessários ao alcance para remover quaisquer obstáculos ou distrações. O local reservado irá condicionar o cérebro a despertar o modo de estudo de maneira semelhante à escolha de horários próprios.

Avalie a música 🔊

Ainda que seja um assunto contraditório, normalmente as pessoas que estudam sem música compreendem melhor as informações do que aquelas que estudam com música. Mas essa afirmação depende muito do estilo musical, porque enquanto sons mais agitados podem interromper o processo de estudo, pesquisas sugerem que música clássica ajuda as pessoas a estudarem melhor.

Desligue o celular 📵

Desde mídias sociais a mensagens de texto, os smartphones estão recheados de distrações e são capazes de acabar com o potencial de aprendizagem. É praticamente impossível manter o foco quando um telefone está tocando, muito menos quando o mesmo está notificando você durante toda a sessão de estudo.

Artigo por: Raphael Gonçalves Nicésio

Os artigos do blog são destinados a estudantes, profissionais e pessoas que se interessam pela biomedicina e demais áreas da saúde. O conteúdo não visa substituir as orientações de um médico, portanto não deve ser utilizado para autodiagnóstico ou automedicação.

Licença Creative Commons
Esta publicação está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional. Não é permitido duplicar, copiar ou reproduzir qualquer parte sem autorização prévia.

0 comentários:

Postar um comentário

2007-2016. Biomedicina Brasil. Tecnologia do Blogger.