Pular para o conteúdo principal

A importância em aprender novas línguas no meio científico

O avanço e integração mundial da ciência e tecnologia exigem cada vez mais que estudantes e pesquisadores aprendam pelo menos um idioma adicional à língua nativa. O inglês, amplamente falado no mundo científico, não deve ser considerado como apenas um diferencial no currículo, e sim um requisito essencial para os principais processos seletivos de candidatos à vagas de emprego e programas de pós-graduação.


E como aprender inglês de forma mais rápida? Complementando o conteúdo oferecido pelas escolas especializadas, o aluno precisa buscar outras alternativas. Ler artigos científicos, mesmo sem o entendimento total dos termos, pode ser útil. O importante é tentar compreender a ideia geral do texto. Outra opção é fazer a matrícula em cursos de inglês instrumental, que lidam com a terminologia específica de cada área e beneficiam quem quer trabalhar em áreas mais exclusivas.

A compreensão por meio da audição também é importante para acelerar o processo do aprendizado de uma nova língua. Ouvir músicas, assistir a filmes e seriados sem legenda e até conversar com pessoas estrangeiras estimula o estudante a descobrir novas palavras e ficar mais habituado com o idioma praticado.

Outro ponto a ser destacado é que a maioria dos produtos utilizados em laboratórios ainda é importada, desde equipamentos até objetos de consumo. Saber ler as instruções ou as recomendações do fabricante pode fazer com que você seja visto como um profissional capacitado a executar todas as funções no seu local de trabalho.

Para evoluir profissionalmente e entrar em programas de pós-graduação, é desejável que o candidato apresente um certificado de proficiência em língua estrangeira. Os exames para a língua inglesa são os mais comuns pela ampla disseminação do idioma no mundo e frequentemente exigidos pelas principais universidades nacionais e estrangeiras. Os testes de maior reconhecimento internacional são o TOEFL (Test of English as a Foreign Language), TOEIC (Test of English for International Communication), IELTS (International English Language Testing System) e CPE (Certificate of Proficiency in English).

Considerando todas essas dicas e a forma de ensino habitual, o aluno pode descobrir por meio de testes quais métodos são mais eficazes para sua assimilação. Quanto maior for a prática do novo idioma, mais rápido será o retorno em conhecimento e aprendizado.

Um exemplo de resultado desse esforço é o caso do biomédico Alexander Birbrair, cientista reconhecido internacionalmente. Segundo ele, a importância em aprender línguas estrangeiras não só beneficia, mas dirige a carreira do profissional.

Nascido na União Soviética, ele se comunica com a família em russo. Quando tinha três anos, se mudou para Israel onde aprendeu hebraico. Com sete anos de idade, veio para o Brasil com os pais, aprendendo o português. Aos 14 anos, aprendeu espanhol na Espanha, onde seus pais foram para o ano sabático. E quanto ao inglês? Na verdade, ele não aprendeu uma única palavra até que completasse 24 anos.

Hoje, anos após o início da carreira científica, ele recomenda que quanto maior o número de idiomas aprendidos, melhor. Afinal, com a globalização, você pode acabar trabalhando com argentinos, americanos, russos, israelenses, canadenses e outras nacionalidades. O conhecimento nunca é demais, pode abrir portas e propiciar grandes oportunidades na carreira.

Leia o artigo original do biomédico, publicado na revista Nature Biotechnology, clicando aqui.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tubos para coleta de sangue

Os tubos de coleta de sangue são estéreis, feitos de vidro ou plástico e alguns possuem vácuo. Comumente utilizados em punções venosas, eles são projetados para a coleta, transporte e processamento das amostras.

O interior destes tubos pode ser revestido com anticoagulantes e as vedações preservam a integridade da amostra até a chegada ao laboratório. Embora não seja necessário ao coletor conhecer todos os detalhes sobre os procedimentos analíticos dos testes hematológicos, é essencial conhecer o tipo de amostra necessária para cada análise.


Tipo de Análise - Tipo de Amostra Bioquímica e Sorologia - Soro ou plasma Hematologia - Sangue total com EDTA Glicemia - Plasma com fluoreto de sódio Coagulação - Plasma com citrato de sódio
Tubos para coleta
A amostra deve ser coletada em tubos específicos para cada tipo de análise, sendo de extrema importância conhecê-los para a realização correta do exame. O material colhido em recipiente inadequado será rejeitado e descartado pelo laboratório p…

Conheça os principais meios de cultura

O crescimento dos microrganismos nos diferentes meios de cultura utilizados fornece as primeiras informações para a sua identificação. É importante conhecer o potencial de crescimento de cada meio de cultura e adequar ao perfil bacteriano esperado para cada material.


Alguns procedimentos são essenciais na hora da preparação de cada meio de cultura para a obtenção de melhores resultados e evitar contaminações, como nos diferentes casos: quando distribuir o meio antes de autoclavar, os tubos não precisam estar esterilizados; quando distribuir o meio após a autoclavação, os tubos, frascos, placas, pipetas e vidrarias ou materiais auxiliares obrigatoriamente devem ser estéreis e os meios devem ser autoclavados com as tampas semi-abertas, para que a esterilização seja por igual em todo o conteúdo dos tubos - tampas fechadas não permitem a entrada do vapor.

Ágar nutriente (AN)

Meio relativamente simples, de fácil preparo e barato, muito usado nos procedimentos do laboratório de microbiologi…

Vírus Epstein-Barr

O vírus Epstein-Barr, frequentemente referido como EBV, é um membro da família dos herpesvírus e um dos mais comuns nos humanos. O vírus ocorre em todo o mundo, e a maioria das pessoas é infectada com EBV em algum momento durante suas vidas.


Crianças tornam-se suscetíveis ao EBV tão logo a proteção de anticorpos maternos (presente no nascimento) desaparece. Muitas crianças são infectadas com EBV, e essas infecções geralmente não causam sintomas ou são indistinguíveis. Nos países desenvolvidos, muitas pessoas não estão infectadas com EBV na infância. Quando a infecção com EBV ocorre durante a adolescência ou na idade adulta jovem, provoca a mononucleose infecciosa em 35% a 50% dos casos.

Os sintomas da mononucleose infecciosa são febre, dor de garganta e aumento dos gânglios linfáticos. Às vezes, há o envolvimento do fígado e do baço. Problemas cardíacos ou envolvimento do sistema nervoso central ocorrem raramente, e a mononucleose infecciosa quase nunca é fatal. Não há associações co…