Biologia Molecular

HIV neutralizado pode combater tumor cerebral

O estudo desenvolvido pelo professor Alexander Birbrair, em colaboração com pesquisadores norte-americanos, demonstra que células-tronco neurais (neural-like stem cell - NLSC) podem migrar para áreas afetadas por tumores e combatê-los com a produção de uma potente droga. A pesquisa destas NLSC carreadoras do vírus HIV modificado, foi feita inicialmente em camundongos, mas já constitui uma promessa terapêutica nos casos de glioblastoma.


"O grande achado da pesquisa foi a descoberta de que uma célula-tronco neural derivada do pericito muscular, célula dos vasos sanguíneos do músculo esquelético, tem atração natural por substâncias produzidas pelo tumor", esclarece o professor Alexander Birbrair, do Departamento de Patologia do Instituto de Ciências Biológicas (ICB) da Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG, primeiro autor do artigo.

O HIV, que em casos normais causaria a AIDS, perde essa capacidade ao ser modificado por engenharia genética. Carreado pelas NLSC, o vírus descarrega a droga antitumoral ao chegar às áreas cancerosas e às suas metástases.

A droga antitumoral Trail, uma proteína potencializada pelo pesquisador colaborador Akiva Mintz (Wake Forest University - EUA), não conseguiria passar eficientemente pela barreira hematoencefálica por meio da circulação sanguínea. Assim, foi necessário que a sequência de DNA fosse inserida nas NLSC, para que estas produzissem a droga de forma contínua quando alcançassem a região cerebral.

NLSC (verde) e sua migração para áreas tumorais (vermelho) do cérebro (Foto: Birbrair, Sattiraju, Zhu et al).

Uma das etapas mais importantes do trabalho foi a espera de mais de um ano da equipe para verificar se as NLSC gerariam tumores. Como era esperado, as células-tronco não originaram tumores nem produziram vasos sanguíneos, o que as tornou aptas a carrearem o vírus e a droga antitumoral às regiões do cérebro afetadas pelo glioblastoma.

"Toda a pesquisa foi feita em camundongos. Para levar adiante as próximas etapas, incluindo testes pré-clínicos para pacientes com câncer de cérebro, grandes investimentos em pesquisa são necessários e muito bem-vindos", enfatiza Alexander Birbrair.

O pesquisador também salienta que a utilização de um vírus normalmente patogênico para benefício da população abre diversas possibilidades em outras áreas. Como exemplo, ele cita o vírus da Zika, que por ter tropismo pelo sistema nervoso central, poderia ser usado no futuro para levar drogas a certas regiões do cérebro afetadas por doenças neurodegenerativas.


Título: Novel peripherally derived neural-like stem cells as therapeutic carriers for treating glioblastomas.
Autores: Alexander Birbrair, Anirudh Sattiraju, Dongqin Zhu, Gilberto Zulato, Izadora Batista, Van T. Nguyen, Maria Laura Messi, Kiran Kumar Solingapuram Sai, Frank C. Marini, Osvaldo Delbono e Akiva Mintz.
Publicado em: Stem Cells Translational Medicine, em 15 de setembro de 2016.

Artigo por: Raphael Gonçalves Nicésio

Os artigos do blog são destinados a estudantes, profissionais e pessoas que se interessam pela biomedicina e demais áreas da saúde. O conteúdo não visa substituir as orientações de um médico, portanto não deve ser utilizado para autodiagnóstico ou automedicação.

Licença Creative Commons
Esta publicação está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional. Não é permitido duplicar, copiar ou reproduzir qualquer parte sem autorização prévia.

0 comentários:

Postar um comentário

2007-2016. Biomedicina Brasil. Tecnologia do Blogger.