Pular para o conteúdo principal

O exame de Ressonância Magnética

A Ressonância Magnética (RM) é um exame não invasivo que utiliza um grande campo magnético para formar imagens em alta definição dos órgãos e das estruturas do corpo. A técnica fornece informações diferentes das que podem ser obtidas pela radiografia, ultrassonografia ou tomografia computadorizada (TC).

Imagem: ABCMed.

São vários os motivos para se solicitar uma RM, tais como suspeita de tumores, hemorragias, lesões, problemas nos vasos sanguíneos, infecções, entre outros. Também pode-se utilizar contraste durante o procedimento para exibir mais claramente o tecido analisado.

Durante o exame, o paciente é posicionado dentro do equipamento, que contém um ímã (magneto) muito potente. Por essa razão, todos os objetos de metal do corpo devem ser removidos ou informados, pois podem ser atraídos pelo ímã. Alguns desses objetos são aparelhos auditivos, próteses, marca-passos, joias, moedas, relógios, grampos, cartões de crédito, entre muitos outros.

Dependendo da área do corpo, deve-se usar uma roupa própria que não interfira na imagem do exame. Para o procedimento, a pessoa se deita em uma mesa e é orientada a ficar imóvel. A bobina fica posicionada sobre ou perto da área a ser digitalizada para amplificar o sinal e possibilitar a varredura no momento correto.

Após o preparo, a mesa com o paciente desliza para dentro do espaço (tubo) que contém o ímã. Todo o processo baseia-se na formação de um campo magnético, no qual os prótons de hidrogênio presentes nos átomos do corpo humano são realinhados pela emissão da rádio frequência para a formação das imagens.

É indicado que se administre sedativos em pessoas com claustrofobia antes do exame para auxiliar no relaxamento e na imobilização. Como alternativa, a RM pode ser realizada com equipamentos abertos, mas além de ainda não estarem disponíveis em todos os lugares, suas imagens podem não ser tão boas quanto as de um equipamento convencional.

Componentes da Ressonância Magnética.

No interior do scanner, o paciente escuta ruídos conforme as imagens são obtidas. Geralmente, utiliza-se tampões ou fones de ouvido com música para diminuir o efeito do barulho. É muito importante manter-se completamente imóvel durante a realização do exame. Quando solicitado, o paciente também deve prender a respiração por curtos períodos de tempo.


Apesar do paciente permanecer sozinho na sala, há um tipo de campainha na qual ele pode acionar a qualquer momento durante o exame e um intercomunicador, por onde pode conversar com o operador. Em geral, o procedimento dura cerca de 30 a 60 minutos, chegando a até 2 horas em casos mais específicos.

Como as imagens de um exame de RM são digitais, podem ser gravadas e armazenadas em um computador ou outro dispositivo. Também podem ser analisadas ​​remotamente, no caso de uma clínica ou uma sala de operação.

Comentários

Artigos populares

Tubos para coleta de sangue

Os tubos de coleta de sangue são estéreis, feitos de vidro ou plástico e alguns possuem vácuo. Comumente utilizados em punções venosas, eles são projetados para a coleta, transporte e processamento das amostras.

O interior destes tubos pode ser revestido com anticoagulantes e as vedações preservam a integridade da amostra até a chegada ao laboratório. Embora não seja necessário ao coletor conhecer todos os detalhes sobre os procedimentos analíticos dos testes hematológicos, é essencial conhecer o tipo de amostra necessária para cada análise.


Tipo de Análise - Tipo de Amostra Bioquímica e Sorologia - Soro ou plasma Hematologia - Sangue total com EDTA Glicemia - Plasma com fluoreto de sódio Coagulação - Plasma com citrato de sódio
Tubos para coleta
A amostra deve ser coletada em tubos específicos para cada tipo de análise, sendo de extrema importância conhecê-los para a realização correta do exame. O material colhido em recipiente inadequado será rejeitado e descartado pelo laboratório p…

Conheça os principais meios de cultura

O crescimento dos microrganismos nos diferentes meios de cultura utilizados fornece as primeiras informações para a sua identificação. É importante conhecer o potencial de crescimento de cada meio de cultura e adequar ao perfil bacteriano esperado para cada material.


Alguns procedimentos são essenciais na hora da preparação de cada meio de cultura para a obtenção de melhores resultados e evitar contaminações, como nos diferentes casos: quando distribuir o meio antes de autoclavar, os tubos não precisam estar esterilizados; quando distribuir o meio após a autoclavação, os tubos, frascos, placas, pipetas e vidrarias ou materiais auxiliares obrigatoriamente devem ser estéreis e os meios devem ser autoclavados com as tampas semi-abertas, para que a esterilização seja por igual em todo o conteúdo dos tubos - tampas fechadas não permitem a entrada do vapor.

Ágar nutriente (AN)

Meio relativamente simples, de fácil preparo e barato, muito usado nos procedimentos do laboratório de microbiologi…

Vírus Epstein-Barr

O vírus Epstein-Barr, frequentemente referido como EBV, é um membro da família dos herpesvírus e um dos mais comuns nos humanos. O vírus ocorre em todo o mundo, e a maioria das pessoas é infectada com EBV em algum momento durante suas vidas.


Crianças tornam-se suscetíveis ao EBV tão logo a proteção de anticorpos maternos (presente no nascimento) desaparece. Muitas crianças são infectadas com EBV, e essas infecções geralmente não causam sintomas ou são indistinguíveis. Nos países desenvolvidos, muitas pessoas não estão infectadas com EBV na infância. Quando a infecção com EBV ocorre durante a adolescência ou na idade adulta jovem, provoca a mononucleose infecciosa em 35% a 50% dos casos.

Os sintomas da mononucleose infecciosa são febre, dor de garganta e aumento dos gânglios linfáticos. Às vezes, há o envolvimento do fígado e do baço. Problemas cardíacos ou envolvimento do sistema nervoso central ocorrem raramente, e a mononucleose infecciosa quase nunca é fatal. Não há associações co…