Pular para o conteúdo principal

Dosagem da proteína C-reativa (PCR)

A proteína C-reativa (PCR) é produzida pelo fígado e tem a sua concentração aumentada quando há um processo inflamatório em andamento. Ainda que não seja um teste específico por não localizar o local da inflamação, altos níveis de PCR são desencadeados por infecções e muitas outras condições como doenças reumáticas, lesões, algumas neoplasias e traumatismos.

Os níveis de PCR são mensurados em várias situações: para identificar infecções, linfomas, doenças autoimunes, inflamações, entre outros. Após uma cirurgia, é comum que os valores estejam aumentados de 2 a 6 horas, mas devem reduzir após o terceiro dia. Se os níveis permanecerem elevados, pode significar que há uma infecção. Normalmente, os níveis de PCR são mais altos em gestantes, fumantes, diabéticos e pacientes obesos.


É importante ressaltar que o teste de PCR não serve como diagnóstico para nenhuma doença, e deve ser relacionado com sinais, sintomas e outros testes para avaliar se um indivíduo possui uma condição inflamatória ou infecção.

Além do teste padrão, existe a dosagem de PCR de alta sensibilidade (PCRus), que é realizada para determinar o risco de um infarto e acidente vascular cerebral. Elevados níveis da proteína podem indicar aterosclerose, o que aumentaria a chance de tais condições. A diferença principal entre o teste padrão e o mais sensível é que o PCRus detecta quantidades muito baixas da proteína no sangue, variando de 0,5 a 10 mg/L, enquanto no teste normal o intervalo é de 10 a 1000 mg/L, aproximadamente.

De acordo com a American Heart Association e o US Centers for Disease Control and Prevention, os valores de referência para o teste de PCRus são: inferior a 1 mg/L (normal), entre 1 e 3 mg/L (risco moderado) e superior a 3 mg/L (risco elevado). Entretanto, mais exames devem ser solicitados para que a avaliação do risco de uma doença cardiovascular seja completa. Além disso, o indivíduo deve estar saudável no momento do exame, pois a existência de qualquer queixa clínica pode alterar os valores.

Quando é necessário verificar a eficácia de um tratamento, o teste da PCR também pode ser solicitado. Na maioria das infecções, o resultado é correlacionado com o hemograma para acompanhamento da evolução do caso. Por ser uma proteína de fase aguda, os valores da PCR na corrente sanguínea aumentam rapidamente, indicando a situação real da infecção. Se a detecção ainda for alta após 48 horas, o médico pode recomendar a troca do antibiótico utilizado.

Os valores em indivíduos normais são geralmente inferiores a 3 mg/L. Acima dessa quantidade, o resultado pode indicar um quadro infeccioso ou inflamatório. Valores muito altos podem corresponder a infecções bacterianas, e quando atingem dosagens maiores do que 200 mg/L refletem uma condição de sepse.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tubos para coleta de sangue

Os tubos de coleta de sangue são estéreis, feitos de vidro ou plástico e alguns possuem vácuo. Comumente utilizados em punções venosas, eles são projetados para a coleta, transporte e processamento das amostras.

O interior destes tubos pode ser revestido com anticoagulantes e as vedações preservam a integridade da amostra até a chegada ao laboratório. Embora não seja necessário ao coletor conhecer todos os detalhes sobre os procedimentos analíticos dos testes hematológicos, é essencial conhecer o tipo de amostra necessária para cada análise.


Tipo de Análise - Tipo de Amostra Bioquímica e Sorologia - Soro ou plasma Hematologia - Sangue total com EDTA Glicemia - Plasma com fluoreto de sódio Coagulação - Plasma com citrato de sódio
Tubos para coleta
A amostra deve ser coletada em tubos específicos para cada tipo de análise, sendo de extrema importância conhecê-los para a realização correta do exame. O material colhido em recipiente inadequado será rejeitado e descartado pelo laboratório p…

Conheça os principais meios de cultura

O crescimento dos microrganismos nos diferentes meios de cultura utilizados fornece as primeiras informações para a sua identificação. É importante conhecer o potencial de crescimento de cada meio de cultura e adequar ao perfil bacteriano esperado para cada material.


Alguns procedimentos são essenciais na hora da preparação de cada meio de cultura para a obtenção de melhores resultados e evitar contaminações, como nos diferentes casos: quando distribuir o meio antes de autoclavar, os tubos não precisam estar esterilizados; quando distribuir o meio após a autoclavação, os tubos, frascos, placas, pipetas e vidrarias ou materiais auxiliares obrigatoriamente devem ser estéreis e os meios devem ser autoclavados com as tampas semi-abertas, para que a esterilização seja por igual em todo o conteúdo dos tubos - tampas fechadas não permitem a entrada do vapor.

Ágar nutriente (AN)

Meio relativamente simples, de fácil preparo e barato, muito usado nos procedimentos do laboratório de microbiologi…

Vírus Epstein-Barr

O vírus Epstein-Barr, frequentemente referido como EBV, é um membro da família dos herpesvírus e um dos mais comuns nos humanos. O vírus ocorre em todo o mundo, e a maioria das pessoas é infectada com EBV em algum momento durante suas vidas.


Crianças tornam-se suscetíveis ao EBV tão logo a proteção de anticorpos maternos (presente no nascimento) desaparece. Muitas crianças são infectadas com EBV, e essas infecções geralmente não causam sintomas ou são indistinguíveis. Nos países desenvolvidos, muitas pessoas não estão infectadas com EBV na infância. Quando a infecção com EBV ocorre durante a adolescência ou na idade adulta jovem, provoca a mononucleose infecciosa em 35% a 50% dos casos.

Os sintomas da mononucleose infecciosa são febre, dor de garganta e aumento dos gânglios linfáticos. Às vezes, há o envolvimento do fígado e do baço. Problemas cardíacos ou envolvimento do sistema nervoso central ocorrem raramente, e a mononucleose infecciosa quase nunca é fatal. Não há associações co…