Bioquímica

Dosagem de enzimas e marcadores cardíacos

Os testes de dosagem das enzimas ou marcadores cardíacos são realizados para verificar os níveis de enzimas e proteínas ligadas às lesões do músculo cardíaco. Entre os mais solicitados na rotina laboratorial, estão o da enzima creatinoquinase (CK), sua isoenzima (CK-MB), das proteínas troponina I (TnI) e troponina T (TnT).

O exame é solicitado para determinar um possível infarto ou angina instável, no caso do relato de sintomas como dor no peito, falta de ar, náuseas, sudorese e resultados de eletrocardiograma anormais. Também é importante para verificar a existência de danos ao coração por outras causas, como uma infecção.


Essas enzimas e proteínas são normalmente encontradas em baixos níveis na corrente sanguínea. Se o músculo cardíaco sofre uma lesão (como um ataque cardíaco), as enzimas e proteínas são liberadas das células danificadas e os seus níveis no sangue aumentam. Como algumas delas também são encontradas em outros tecidos do organismo, é necessário que o resultado seja sempre associado a sintomas específicos, exame físico e eletrocardiograma.

A isoenzima CK-MB, que é encontrada em grandes quantidades no músculo cardíaco danificado, é uma maneira mais específica para estimar a quantidade muscular danificada. Em contrapartida, o nível de enzima CK total pode ser aumentado após exercícios, injeções intramusculares, lesões, distrofias ou inflamações musculares.

A dosagem das troponinas (TnI e TnT) também é solicitada na suspeita de um infarto do miocárdio. Normalmente, seus níveis sanguíneos não são mensuráveis em condições normais e uma elevação mínima pode indicar algum grau de lesão cardíaca. Portanto, é improvável que tenha ocorrido lesão se os níveis de troponina estiverem normais, ainda que o paciente apresente dor torácica. Além disso, os níveis sanguíneos de troponina permanecem elevados por uma ou duas semanas após um quadro de infarto do miocárdio, o que permite a detecção por um longo prazo.

Apesar de não ser necessária nenhuma preparação para o exame, já que a amostra é obtida por uma coleta de sangue, muitos medicamentos podem afetar os resultados. É importante certificar-se de informar o médico sobre o uso de medicamentos.

Os valores dos resultados da dosagem de enzimas cardíacas variam consideravelmente. O intervalo de referência muda de laboratório para laboratório, e o padrão pode ser ligeiramente diferente entre locais. Além disso, o médico avalia os resultados com base na saúde e outros fatores do paciente. Isso significa que um valor que saia fora do intervalo ainda pode ser normal, de acordo com outros exames clínicos e a população analisada.

As enzimas cardíacas geralmente são dosadas por um período de tempo, desde o momento da internação do paciente, e seguem em intervalos estabelecidos de acordo com o quadro clínico, para comparação futura.

Existem algumas condições que impedem a realização do teste ou invalidam os resultados da dosagem por afetarem diretamente nos valores de referência. Tais situações incluem hipotireoidismo, distrofia muscular, doenças auto-imunes, miocardites, cardioversão, desfibrilação. injeções intramusculares, uso de estatinas, alcoolismo, prática de exercícios, lesão renal, cirurgia recente, ferimentos graves, entre outras.

Artigo por: Raphael Gonçalves Nicésio

Os artigos do blog são destinados a estudantes, profissionais e pessoas que se interessam pela biomedicina e demais áreas da saúde. O conteúdo não visa substituir as orientações de um médico, portanto não deve ser utilizado para autodiagnóstico ou automedicação.

Licença Creative Commons
Esta publicação está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional. Não é permitido duplicar, copiar ou reproduzir qualquer parte sem autorização prévia.

0 comentários:

Postar um comentário

2007-2016. Biomedicina Brasil. Tecnologia do Blogger.