Informativos

Pedidos de exames laboratoriais em excesso devem ser evitados

Na entrevista ao programa Revista Brasil, das Rádios EBC, o médico patologista clínico e presidente da Sociedade Brasileira de Patologia Clínica/Medicina Laboratorial (SBPC/ML), Alex Galoro, comentou sobre os excessos de pedidos de exames laboratoriais e como a conversa do médico com o paciente é importante para fazer um diagnóstico preciso.


O uso adequado do exame laboratorial começa com uma história clínica bem detalhada do médico com o paciente ou com exame físico que finaliza com o médico fazendo a suas hipóteses diagnósticas. E o exame vai servir para confirmar ou para excluir uma hipótese diagnóstica”, diz o presidente.

Segundo ele, se não houver uma boa conversa entre as duas partes, muitos exames desnecessários podem ser solicitados. E como os valores de referência são estabelecidos de acordo com estudos populacionais, uma variação no exame talvez não corresponda a uma doença.

O doutor Alex Galoro ainda cita exemplos de como a geração de custos adicionais pode ser evitada na solicitação de exames. Quando o médico solicita vários exames de um único paciente, ele dá um tiro no escuro e essa atitude deve ser trabalhada por meio da conscientização dos profissionais. “A gente vê na prática do laboratório, no dia a dia, chegam pacientes com 30, 50, 70 exames no mesmo pedido”.

Ele explica que o uso racional de testes laboratoriais, além de propiciar um diagnóstico correto, pode evitar internações e reduzir os custos da prestadora de serviços. No final da entrevista Alex também menciona um estudo que afirma que aproximadamente 70% das decisões médicas se baseiam nos resultados de exames laboratoriais.


Fonte: Rádios EBC.

Artigo por: Raphael Gonçalves Nicésio

Os artigos do blog são destinados a estudantes, profissionais e pessoas que se interessam pela biomedicina e demais áreas da saúde. O conteúdo não visa substituir as orientações de um médico, portanto não deve ser utilizado para autodiagnóstico ou automedicação.

Licença Creative Commons
Esta publicação está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional. Não é permitido duplicar, copiar ou reproduzir qualquer parte sem autorização prévia.

0 comentários:

Postar um comentário

2007-2016. Biomedicina Brasil. Tecnologia do Blogger.