Pular para o conteúdo principal

Como utilizar uma micropipeta corretamente

As micropipetas são usadas para transferir pequenas quantidades (inferiores a 5mL) de líquidos. Suas escalas são exibidas em microlitros (1000μL = 1mL) e possuem capacidades de volumes diferentes (P10, P20, P100, P200, P1000, P5000) para cada aplicação. Os dois tipos principais de micropipetas, são a monocanal (pipetagem única) e a multicanal (pipetagem múltipla). Dependendo do volume desejado, as ponteiras descartáveis também podem variar. Veja abaixo como utilizar corretamente a micropipeta para garantir a precisão do volume e não comprometer o resultado do seu experimento.


Nunca exceda a capacidade (superior ou inferior) das micropipetas, pois são instrumentos muito caros e delicados que podem ser facilmente danificados. A divisão de capacidade e os limites de cada pipeta são, em geral:

P10: 0,5 a 10μL
P20: 2 a 20,0μL
P100: 10 a 100μL
P200: 20 a 200μL
P1000: 200 a 1000μL
P5000: 1000 a 5000μL
(a capacidade e os limites podem variar de acordo com o fabricante)

Ajuste o volume desejado, girando o anel localizado na parte superior central da micropipeta em sentido horário para aumentar o volume, ou anti-horário para diminuir o volume. Encaixe uma ponteira na extremidade inferior da micropipeta com movimento de rotação. Se forem necessárias condições estéreis, evite que a ponteira toque em qualquer objeto ou em suas luvas.

A - Regulagem de volume; B - Encaixe da ponteira.

O botão da micropipeta tem duas fases diferentes quando é pressionado. A primeira fase (ponto de resistência inicial) é o nível de depressão que vai resultar no volume desejado de solução a ser transferida. Logo, a profundidade pressionada do botão para atingir o ponto de resistência inicial irá variar em função do volume a ser pipetado.

Partes da micropipeta.

O segundo ponto de parada é atingido quando o botão é pressionado além da resistência inicial, até que entre em contato com o corpo da micropipeta. Este segundo ponto é utilizado para o descarte completo de soluções da ponteira. Você não deve chegar a esta segunda parada ao aspirar o líquido para dentro da ponteira, somente quando for dispensar. Se estiver usando a micropipeta pela primeira vez, pratique pressionando o botão para cada um desses pontos de parada até que você possa distingui-los facilmente.

Para começar a pipetagem, pressione o botão de forma lenta e constante, até sentir a resistência inicial. Lembre-se de inserir a ponteira na solução apenas um pouco abaixo da superfície do líquido, e não na parte mais profunda.

Exemplo de pipetagem correta e incorreta.

Solte o botão cuidadosamente até o ponto inicial. Se a solução que você está pipetando é viscosa, aguarde até que a ponteira se preencha com o volume final antes de removê-la da solução, para evitar a presença de bolhas e um volume impreciso.

Deposite a solução no recipiente apropriado, pressionando o botão novamente. Desta vez, pressione-o até o segundo ponto de parada para dispensar totalmente o volume de solução.

Retire a ponteira pressionando o botão ejetor, localizado na parte de trás da maioria das micropipetas. Lembre-se de mudar a ponteira entre cada pipetagem para evitar misturar ou contaminar as soluções.

Comentários

Artigos populares

Tubos para coleta de sangue

Os tubos de coleta de sangue são estéreis, feitos de vidro ou plástico e alguns possuem vácuo. Comumente utilizados em punções venosas, eles são projetados para a coleta, transporte e processamento das amostras.

O interior destes tubos pode ser revestido com anticoagulantes e as vedações preservam a integridade da amostra até a chegada ao laboratório. Embora não seja necessário ao coletor conhecer todos os detalhes sobre os procedimentos analíticos dos testes hematológicos, é essencial conhecer o tipo de amostra necessária para cada análise.


Tipo de Análise - Tipo de Amostra Bioquímica e Sorologia - Soro ou plasma Hematologia - Sangue total com EDTA Glicemia - Plasma com fluoreto de sódio Coagulação - Plasma com citrato de sódio
Tubos para coleta
A amostra deve ser coletada em tubos específicos para cada tipo de análise, sendo de extrema importância conhecê-los para a realização correta do exame. O material colhido em recipiente inadequado será rejeitado e descartado pelo laboratório p…

Conheça os principais meios de cultura

O crescimento dos microrganismos nos diferentes meios de cultura utilizados fornece as primeiras informações para a sua identificação. É importante conhecer o potencial de crescimento de cada meio de cultura e adequar ao perfil bacteriano esperado para cada material.


Alguns procedimentos são essenciais na hora da preparação de cada meio de cultura para a obtenção de melhores resultados e evitar contaminações, como nos diferentes casos: quando distribuir o meio antes de autoclavar, os tubos não precisam estar esterilizados; quando distribuir o meio após a autoclavação, os tubos, frascos, placas, pipetas e vidrarias ou materiais auxiliares obrigatoriamente devem ser estéreis e os meios devem ser autoclavados com as tampas semi-abertas, para que a esterilização seja por igual em todo o conteúdo dos tubos - tampas fechadas não permitem a entrada do vapor.

Ágar nutriente (AN)

Meio relativamente simples, de fácil preparo e barato, muito usado nos procedimentos do laboratório de microbiologi…

Vírus Epstein-Barr

O vírus Epstein-Barr, frequentemente referido como EBV, é um membro da família dos herpesvírus e um dos mais comuns nos humanos. O vírus ocorre em todo o mundo, e a maioria das pessoas é infectada com EBV em algum momento durante suas vidas.


Crianças tornam-se suscetíveis ao EBV tão logo a proteção de anticorpos maternos (presente no nascimento) desaparece. Muitas crianças são infectadas com EBV, e essas infecções geralmente não causam sintomas ou são indistinguíveis. Nos países desenvolvidos, muitas pessoas não estão infectadas com EBV na infância. Quando a infecção com EBV ocorre durante a adolescência ou na idade adulta jovem, provoca a mononucleose infecciosa em 35% a 50% dos casos.

Os sintomas da mononucleose infecciosa são febre, dor de garganta e aumento dos gânglios linfáticos. Às vezes, há o envolvimento do fígado e do baço. Problemas cardíacos ou envolvimento do sistema nervoso central ocorrem raramente, e a mononucleose infecciosa quase nunca é fatal. Não há associações co…