Oncologia

Entendendo o câncer de próstata

Nem todos os homens conseguem reconhecer os sintomas do câncer de próstata. Apesar de apenas uma pequena porcentagem ser acometida pelas formas agressivas desse câncer, geralmente o diagnóstico é feito em um check-up de rotina. Algumas mudanças na função urinária e sexual podem indicar a presença do tumor. Na maioria dos casos, o câncer de próstata tem crescimento lento e leva um certo número de anos para se tornar suficientemente grande para ser detectável.


Entre os principais sintomas, podemos citar a necessidade de urinar com frequência, especialmente à noite; dificuldade para iniciar a micção ou retenção urinária; fluxo fraco ou interrompido de urina; dor ou queimação ao urinar; dificuldade em ter uma ereção; ejaculação dolorosa; presença de sangue na urina ou no sêmen; dor frequente ou rigidez na parte inferior das costas, quadris, coxas ou local superior.

Próstata (Imagem modificada: Mais Saúde).
No mundo, o câncer de próstata é o sexto tipo mais comum e o mais prevalente em homens, com aproximadamente 10% do total de casos. A taxa de incidência é cerca de seis vezes maior nos países desenvolvidos em comparação aos países em desenvolvimento, sendo o segundo câncer mais comum entre os homens no Brasil.

Fatores de risco

Mais de 65% de todos os cânceres de próstata são diagnosticados em homens com idade superior a 65 anos. Após essa idade, a chance de desenvolver câncer de próstata se torna mais comum do que qualquer outro câncer em homens ou mulheres.

A etnia também está relacionada com o desenvolvimento do câncer, já que africanos são mais propensos a desenvolverem formas agressivas da doença em comparação com caucasianos. Por outro lado, homens asiáticos que vivem na Ásia tem o menor risco.

O estilo de vida também parece ter bastante influência no desenvolvimento do câncer de próstata. Para os residentes nos EUA, o risco é de aproximadamente 17%, enquanto homens que vivem na zona rural da China têm apenas 2%. No entanto, quando os homens asiáticos se deslocam para a cultura ocidental, o risco aumenta substancialmente.

O histórico familiar e a genética também são fatores importantes. Um homem com um pai ou irmão que desenvolveram câncer de próstata é duas vezes mais propenso a desenvolver a doença. Este risco é ainda maior se o câncer foi diagnosticado em membros da família em uma idade mais jovem (menos de 55 anos de idade) ou se a doença afetou três ou mais membros da família.

Outros possíveis fatores de risco para o desenvolvimento do câncer de próstata agressivo incluem altura, ingestão de cálcio elevada, tabagismo, ausência de vegetais na dieta, falta de exercício e um estilo de vida sedentário.

Diagnóstico

A dosagem do antígeno prostático específico (PSA) e o exame de toque retal são utilizados para detectar a presença do câncer de próstata quando os sintomas não estão presentes. Eles podem ajudar a descobrir a doença na fase inicial, quando o tratamento pode ser mais eficaz e tem potencialmente menos efeitos colaterais.

No Brasil, desde 2002, o Instituto Nacional do Câncer (INCA) não recomenda a organização de programas de rastreamento populacional para o câncer de próstata. Homens que demandam espontaneamente a realização de exames de rastreamento devem ser informados sobre os riscos e possíveis benefícios associados a essa prática. Isso porque em muitos casos, o PSA pode detectar um câncer de próstata que não chegaria a comprometer a saúde do homem. Esse excesso de diagnósticos leva a exames de acompanhamento e tratamentos desnecessários. 

O exame do toque retal detecta alterações na glândula, avaliando o tamanho, a forma e a textura da próstata. Durante o procedimento, o médico introduz o dedo no reto do paciente, utilizando uma luva com lubrificante.

Exame de toque retal (Imagem: Grace Prostate Cancer Centre).

A dosagem de PSA, criada no início da década de 1990, mensura a quantidade deste no sangue e identifica possíveis alterações prostáticas. O PSA é uma proteína produzida pela próstata responsável pela liquefação do sêmen. Doenças benignas e tumores malignos da próstata podem provocar o aumento dessa proteína no sangue. Contudo, os níveis de PSA tendem a aumentar com o avanço da idade.

Além dos testes de PSA e toque retal, o diagnóstico do câncer de próstata deve ser feito pela análise de uma biópsia, a fim de examinar as células da glândula e determinar se são ou não cancerosas. Ao analisar a amostra com um microscópio, o patologista atribui o escore de Gleason, uma escala de 2 a 10 com base em quanto as células assemelham-se às células normais. Em geral, os cânceres com menores escores de Gleason (2-4) tendem a ser menos agressivos, enquanto cânceres com maiores escores de Gleason (7-10) tendem a ser mais agressivos.

Tratamento

Não há um tratamento geral para todo câncer de próstata. O paciente deve estar ciente sobre as muitas opções de tratamento disponíveis e, em conjunto com os seu médico, tomar uma decisão sobre qual será a melhor. O processo de tomada de decisão deverá incluir uma combinação de fatores clínicos e psicológicos.

Para a doença localizada, é oferecida a cirurgia, a radioterapia e até mesmo observação vigilante (em algumas situações especiais). Em casos de doença local avançada, a radioterapia ou cirurgia em combinação com tratamento hormonal têm sido utilizados. Na doença metastática (quando o tumor já se espalhou para outras partes do corpo), o tratamento de preferência é a terapia hormonal.

Referências
Instituto Nacional do Câncer - INCA
Prostate Cancer Foundation

Artigo por: Raphael Gonçalves Nicésio

Os artigos do blog são destinados a estudantes, profissionais e pessoas que se interessam pela biomedicina e demais áreas da saúde. O conteúdo não visa substituir as orientações de um médico, portanto não deve ser utilizado para autodiagnóstico ou automedicação.

Licença Creative Commons
Esta publicação está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional. Não é permitido duplicar, copiar ou reproduzir qualquer parte sem autorização prévia.

0 comentários:

Postar um comentário

2007-2016. Biomedicina Brasil. Tecnologia do Blogger.