Saúde Pública

A Febre Chikungunya

A doença conhecida como febre Chikungunya é transmitida aos humanos pela picada do mosquito Aedes aegypti, o mesmo responsável pelos surtos de dengue no Brasil e no mundo.

O Aedes aegypti, além de ser o vetor responsável pelo desenvolvimento dessas duas doenças, também pode transmitir outras enfermidades, como o Zika vírus e a febre amarela. Entretanto, o tipo da doença transmitida dependerá do vírus que está infectando o mosquito no momento da picada. Somente o mosquito fêmea pica e contamina o homem, devido à sua necessidade do sangue humano para desenvolvimento e maturação dos ovos.

Após o contato com o vírus Chikungunya, o organismo desenvolve anticorpos que o mantem imune contra uma nova infecção.

O mosquito Aedes aegypti voa baixo, e é comum picadas nos joelhos, pernas, panturrilhas e pés. Áreas tropicais e subtropicais com temperatura em torno de 30° C são ideais para o desenvolvimento e propagação da doença.

Transmissão

O vírus Chikungunya é transmitido pela picada do Aedes aegypti. Estes mosquitos são infectados pelo vírus ao se alimentarem do sangue de pessoas já infectadas. Assim, é importante que pessoas contaminadas evitem serem picadas por novos mosquitos na primeira semana dos sintomas, diminuindo a possibilidade de um novo mosquito contaminar outros indivíduos.

Atualmente, existem raros relatos da transmissão vertical (da mãe para o bebê durante o parto) e até o momento não há registros da transmissão do Chikungunya por aleitamento materno, segundo o Centers for Disease Control and Prevention (CDC).

Vale ressaltar que a identificação e a eliminação de criadouros de ovos de Aedes aegypti durante todo ano é muito importante, porque é desta origem que provém o maior número de mosquitos contaminados pelo vírus da febre Chikungunya.

O mosquito fêmea do Aedes aegypti coloca em média de 50 – 200 ovos em lugares quentes e úmidos e geralmente em recipientes com água.

Os ovos resistem no meio ambiente por mais de um ano, podendo ser transportados de um local a outro em recipientes, assim podendo ser depositado em um verão e eclodindo somente no próximo, quando estiver novamente em um ambiente quente e úmido devido à temperatura e às chuvas relacionadas à estação, dando origem a um novo mosquito. Um mosquito adulto vive em média 45 dias.

O vírus Chikungunya é transmitido pela picada do Aedes aegypti (Foto: Divulgação)
Sintomas e Tratamento

Os sintomas da doença aparecem entre 2 a 7 dias depois da picada e muitas vezes passam despercebidos ou são diagnosticados erroneamente. Em geral, há um aparecimento repentino de febre, acompanhada por dores articulares e musculares, mas que desaparecem em poucos dias. Estes sinais mais comuns podem vir acompanhados de dor de cabeça, cansaço, náuseas e erupções cutâneas.

Vale destacar que, alguns sinais clínicos são iguais aos da dengue, o que pode levar a uma falsa suspeita médica, quando não realizados o estudo da história do paciente com atenção e a solicitação dos exames adequados. Até o momento, não existe vacina ou medicamentos para prevenir a febre Chikungunya. A doença é tratada com base no alívio dos sintomas, com o uso de antipiréticos e analgésicos.

A taxa de mortalidade é muito baixa, sendo o risco maior em pacientes com idade avançada (superior a 65 anos) e com problemas articulares já existentes ou presença de outra doença grave.

Diagnóstico laboratorial

O diagnóstico precoce deve ser baseado em métodos sorológicos (ELISA) e de biologia molecular (RT-PCR). A confirmação do diagnóstico pode ser estabelecida por meio de exames que detectam a presença de anticorpos IgG e IgM contra o vírus em amostra de sangue do indivíduo com suspeita da doença.

Prevenção e controle

Viver próximo a lugares onde há proliferação de mosquitos devido ao acumulo de água parada é um grande risco de contaminação pelo vírus Chikunguya, e também de outras doenças transmitidas pelo Aedes aegypti. Dessa forma, a grande medida de prevenção e controle é eliminar os lugares que servem de criadouro para os mosquitos e utilizar inseticidas para tratar a água e eliminar as larvas, impedindo desta forma, a continuidade do ciclo reprodutivo do Aedes aegypti.

Em lugares onde há foco da doença, é indicado o uso de telas nas janelas e portas e inseticidas para eliminar a presença de mosquitos dentro das casas. Nos casos onde não é possível impedir a entrada de mosquitos, adote o uso de mosqueteiros ao deitar-se.

Para as crianças é recomendado o uso de repelentes e roupas que não deixem muito exposta a pele.

Pessoas que estão de viagem marcada para regiões de risco devem adotar no mínimo as precauções básicas, como uso de calças e blusas de manga comprida, uso de repelentes e instalação de mosquiteiros nas janelas. 

“Combater a febre Chikungunya é combater a Dengue, o modo como a doença se propaga e as medidas de controles e prevenção são as mesmas."

Artigo publicado na minha coluna do jornal Gazeta de S. Paulo - 5 de Outubro/2015 - Confira!
Informações importantes e de fácil compreensão ao alcance da população.

Artigo por: Marcel Alex Machado

Os artigos do blog são destinados a estudantes, profissionais e pessoas que se interessam pela biomedicina e demais áreas da saúde. O conteúdo não visa substituir as orientações de um médico, portanto não deve ser utilizado para autodiagnóstico ou automedicação.

Licença Creative Commons
Esta publicação está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional. Não é permitido duplicar, copiar ou reproduzir qualquer parte sem autorização prévia.

0 comentários:

Postar um comentário

2007-2016. Biomedicina Brasil. Tecnologia do Blogger.