Saúde Pública

Rotavírus - diarreia e vômito causados por infecção viral podem colocar crianças em risco de vida

A infecção por rotavírus causa diarreia severa e vômito, principalmente em bebês e crianças menores de 5 anos de idade. Devido à grande perda de líquido, as crianças sofrem uma grave desidratação, sendo a hospitalização muitas vezes necessária para não desencadear problemas mais severos que poderão colocar em risco a vida desses pacientes.

Uma das grandes preocupações dos pais com seus filhos é a de se encontrarem em situações que ainda não vivenciaram, sendo assim não estando preparados para enfrentá-las com uma criança. No caso de recém-nascidos e crianças até dois anos de idade, essa preocupação e atenção pelo bem-estar e zelo dos filhos ainda é maior. Situações como febre, vômito e diarreia são frequentes durantes os dois primeiros anos de vida e a dificuldade em saber o que ocasionou este mal-estar em crianças que ainda não se comunicam verbalmente é extremamente difícil. A infecção por rotavírus é uma doença global, perigosa e contagiosa sendo comum em crianças menores de 5 anos de idade, e um dos principais causadores da gastroenterite aguda.


Transmissão

A infecção por rotavírus é muito comum nos primeiros anos de vida, sendo que adolescentes e adultos também podem ser acometidos.

Trata-se de uma doença contagiosa, por isso devemos tomar alguns cuidados em casa e com a família. Crianças contaminadas transmitem facilmente o vírus a outras crianças, sendo que mãos, brinquedos, objetos, alimentos e água são os principais meios de transmissão da doença. As mães devem atentar-se ao trocar fraldas de crianças com diarreia, lavando as mãos e higienizando o local cuidadosamente, assim como o descarte da fralda em local adequado imediatamente.


Sintomas

Após o contato com o rotavírus, o paciente leva aproximadamente 48 horas para desenvolver os primeiros sintomas. A diarreia e vômito podem durar de 3 a 8 dias. Outros sintomas da infecção são dores abdominais, febre e desidratação desencadeadas por episódios repetitivos de diarreia e vômito.


Diagnóstico do rotavírus

Em geral, ao levar uma criança ao médico é importante relatar as informações relevantes que levem ao diagnóstico correto de uma doença. Relatos como choro, irritação e falta de apetite somados ao desespero dos pais dificilmente levam ao diagnóstico precoce de doenças graves. Entretanto, sintomas como febre, diarreia recorrente, dor intensa, sudorese, vômitos, falta de apetite, boca seca, ausência de lágrimas ao chorar são indicativos até mesmo para a saúde de um adulto da necessidade de cuidados médicos. Sendo assim, um grupo desses sintomas em crianças é sinal claro de atenção médica imediata. Em consulta médica, também é importante relatar se houve outras pessoas da família que apresentam ou apresentaram os mesmos sintomas.

O diagnóstico rápido e correto dependerá muito da anamnese e história clínica do paciente relatada pelos pais, assim proporcionando ao médico a confirmação rápida com a solicitação do exame adequado e tratamento imediato.

Rota Virus
A infecção por rotavírus é uma doença global, perigosa e contagiosa sendo comum em crianças menores de 5 anos (Foto: Divulgação)

O diagnóstico laboratorial é simples e a grande maioria dos hospitais disponibiliza teste rápido para detecção de rotavírus em fezes. É importante a realização deste exame assim que os sintomas aparecerem, porque a carga viral diminui ao longo dos dias, dificultando o diagnóstico laboratorial. Outros exames de rotina como anticorpos IgG e IgM, antígeno para rotavírus, exames moleculares para detecção do RNA do vírus também estão disponíveis.


Tratamento

Não existe medicamento antiviral para tratar pacientes infectados por rotavírus. A maior preocupação está em manter o paciente hidratado para compensar a perda de líquido causada pela diarreia e vômito. A reidratação pode ser oral, ou até mesmo venosa em casos mais graves. No caso de crianças de até dois anos de idade é importante a atenção no monitoramento de episódios repetitivos e diários de perdas de líquidos, não somente pela preocupação pela infecção por rotavírus, mas também pela necessidade de manter a criança hidratada e evitar maiores complicações.

Na grande maioria dos casos a manifestação é mais branda, sendo necessário somente a hidratação e aguardar o término dos sintomas no intervalo de até 8 dias.


Prevenção

Como o rotavírus é contagioso e se espalha facilmente, a higiene pessoal e do ambiente doméstico, são medidas profiláticas necessárias, porém não suficiente para controlar a propagação do vírus em muitos casos. Hábitos rotineiros como lavar bem as mãos e alimentos, tratar a água, desinfetar superfície de preparo dos alimentos, manter o lixo ensacado também ajudam na prevenção de muitas doenças. Atualmente existem dois tipos de vacinas (Rotateq e Rotarix) consideradas seguras e efetivas na prevenção contra o rotavírus, sendo importante que toda criança tome nos primeiros meses de idade, segundo OMS (Organização Mundial da Saúde). No Brasil a vacina contra rotavírus está disponibilizada gratuitamente para a população de até 6 meses de idade.

O rotavírus é um problema de saúde pública em todo o mundo, sendo que países em desenvolvimento apresentam uma incidência bem maior de registros de casos anuais. A estimativa é que o número de mortes por diarreia causadas por rotavírus em todo mundo seja superior a 450.000 casos anuais, segundo OMS e CDC.

Artigo publicado na minha coluna do jornal Gazeta de S. Paulo em 10 de Outubro de 2015.
Informações importantes e de fácil compreensão ao alcance da população.

Artigo por: Marcel Alex Machado

Os artigos do blog são destinados a estudantes, profissionais e pessoas que se interessam pela biomedicina e demais áreas da saúde. O conteúdo não visa substituir as orientações de um médico, portanto não deve ser utilizado para autodiagnóstico ou automedicação.

Licença Creative Commons
Esta publicação está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional. Não é permitido duplicar, copiar ou reproduzir qualquer parte sem autorização prévia.

0 comentários:

Postar um comentário

2007-2016. Biomedicina Brasil. Tecnologia do Blogger.