Pular para o conteúdo principal

Congelamento de embriões como rotina em tratamentos de Fertilização In Vitro não aumenta taxas de gravidez

Ocorre anualmente na Europa o mais importante encontro sobre reprodução humana assistida, da Sociedade Europeia de Reprodução Humana e Embriologia (ESHRE - European Society of Human Reproduction and Embryology). O evento, que este ano ocorreu em Lisboa (Portugal), selecionou o estudo realizado pelo IVI, entre os temas maior impacto. Também é no velho continente onde normalmente surgem os principais avanços e a maior porcentagem de nascidos por meio de reprodução humana, que hoje representa 3% dos nascimentos europeus.

A pesquisa realizada pelo Instituto Valenciano de Infertilidade (IVI) comprovou que o congelamento de embriões como rotina antes de todas as transferências ao útero da gestante não aporta benefícios aos resultados da Fertilização in Vitro (FIV). Estudos anteriores sugeriam que os tratamentos de Fertilização In Vitro apresentavam melhores taxas de gravidez quando em lugar de transferir ao útero da gestante os embriões frescos, os mesmos eram congelados para a transferência em um ciclo posterior com objetivo de evitar que tratamento hormonal de estimulação dos ovários afetasse os resultados de gravidez.

Dr. Ernesto Bosch, diretor médico do IVI Valência, em sua pesquisa, analisou um total de 882 pacientes. “Por outro lado, este estudo também evidencia que congelar os embriões para um ciclo posterior reduz o pequeno risco de hiperestimulação dos ovários que existe nos tratamentos de Fertilização In Vitro (entre 0,6 e 10%), sendo este o único beneficio que esta prática aporta”, explica Dra. Genevieve Coelho, diretora do IVI Salvador que acudiu ao Congresso – “Quando os estudos anteriores identificaram um aumento nas taxas de implantação do embrião, ou seja, de gravidez, provavelmente foi porque estavam incluindo aquelas pacientes que efetivamente necessitam transferir os embriões em um ciclo posterior para evitar a hiperestimulação ovariana e ter mais chances de conseguir a gravidez”.

“Esta pesquisa não conclui que nunca é necessário fazer o congelamento de embriões para uma transferência posterior, pelo contrário, para os casos onde há risco de hiperestímulo dos ovários, continuamos recomendando proceder com o adiamento da transferência”, ressalta Dra. Silvana Chedid, diretora do IVI São Paulo, que também participou da ESHRE 2015 – “quando se trata de infertilidade, cada caso é um caso, por isso individualizamos os diagnósticos e tratamentos”.

Com sede em Valência, na Espanha, o Instituto Valenciano de Infertilidade (IVI) iniciou suas atividades em 1990. Possui 38 clínicas, em 9 países e é líder em medicina reprodutiva. O grupo conta com uma Fundação, um programa de Docência e Carreira Universitária. No Brasil, o IVI conta com unidades em Salvador e São Paulo, dirigidas respectivamente pelas especialistas Dra. Genevieve Coelho e Dra. Silvana Chedid.


Press Release
Instituto Valenciano de Infertilidade

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tubos para coleta de sangue

Os tubos de coleta de sangue são estéreis, feitos de vidro ou plástico e alguns possuem vácuo. Comumente utilizados em punções venosas, eles são projetados para a coleta, transporte e processamento das amostras.

O interior destes tubos pode ser revestido com anticoagulantes e as vedações preservam a integridade da amostra até a chegada ao laboratório. Embora não seja necessário ao coletor conhecer todos os detalhes sobre os procedimentos analíticos dos testes hematológicos, é essencial conhecer o tipo de amostra necessária para cada análise.


Tipo de Análise - Tipo de Amostra Bioquímica e Sorologia - Soro ou plasma Hematologia - Sangue total com EDTA Glicemia - Plasma com fluoreto de sódio Coagulação - Plasma com citrato de sódio
Tubos para coleta
A amostra deve ser coletada em tubos específicos para cada tipo de análise, sendo de extrema importância conhecê-los para a realização correta do exame. O material colhido em recipiente inadequado será rejeitado e descartado pelo laboratório p…

Conheça os principais meios de cultura

O crescimento dos microrganismos nos diferentes meios de cultura utilizados fornece as primeiras informações para a sua identificação. É importante conhecer o potencial de crescimento de cada meio de cultura e adequar ao perfil bacteriano esperado para cada material.


Alguns procedimentos são essenciais na hora da preparação de cada meio de cultura para a obtenção de melhores resultados e evitar contaminações, como nos diferentes casos: quando distribuir o meio antes de autoclavar, os tubos não precisam estar esterilizados; quando distribuir o meio após a autoclavação, os tubos, frascos, placas, pipetas e vidrarias ou materiais auxiliares obrigatoriamente devem ser estéreis e os meios devem ser autoclavados com as tampas semi-abertas, para que a esterilização seja por igual em todo o conteúdo dos tubos - tampas fechadas não permitem a entrada do vapor.

Ágar nutriente (AN)

Meio relativamente simples, de fácil preparo e barato, muito usado nos procedimentos do laboratório de microbiologi…

Vírus Epstein-Barr

O vírus Epstein-Barr, frequentemente referido como EBV, é um membro da família dos herpesvírus e um dos mais comuns nos humanos. O vírus ocorre em todo o mundo, e a maioria das pessoas é infectada com EBV em algum momento durante suas vidas.


Crianças tornam-se suscetíveis ao EBV tão logo a proteção de anticorpos maternos (presente no nascimento) desaparece. Muitas crianças são infectadas com EBV, e essas infecções geralmente não causam sintomas ou são indistinguíveis. Nos países desenvolvidos, muitas pessoas não estão infectadas com EBV na infância. Quando a infecção com EBV ocorre durante a adolescência ou na idade adulta jovem, provoca a mononucleose infecciosa em 35% a 50% dos casos.

Os sintomas da mononucleose infecciosa são febre, dor de garganta e aumento dos gânglios linfáticos. Às vezes, há o envolvimento do fígado e do baço. Problemas cardíacos ou envolvimento do sistema nervoso central ocorrem raramente, e a mononucleose infecciosa quase nunca é fatal. Não há associações co…