Microbiologia

Cepas de referência

As cepas de referência destinam-se à verificação dos resultados obtidos, pois suas características fenotípicas já são conhecidas, ou seja, sua identificação e seu perfil de sensibilidade já foram determinados. Devem possuir uma origem confiável, vindo de um laboratório de referência que realiza testes fenotípicos e moleculares para confirmar sua identificação e perfil de sensibilidade.
Define-se como cultura de estoque o subcultivo das cepas de referência. Essa cultura é armazenada no laboratório de microbiologia (a -20°C ou menos) e é descongelada anualmente.
A cultura de trabalho é o subcultivo semanal ou mensal da cultura de estoque e mantida no laboratório (4°C a 8°C) para realização dos testes diários ou semanais do Controle Interno de Qualidade.
Uma passagem é a transferência do organismo de uma cultura viável para um novo meio de cultura com crescimento de microrganismos. A hidratação (ou decongelamento) de uma cepa de referência não é considerada uma passagem ou repique. A primeira passagem será o subcultivo da cepa de referência para a cultura de estoque. A transferência do microrganismo da cultura de estoque para a cultura de trabalho será a segunda passagem.
As cepas de referência têm um número máximo de gerações a qual podem ser submetidas, são cinco passagens a partir da cepa de referência original. O número indefinido de passagens pode comprometer principalmente a pureza da cultura e as características fenotípicas de algumas bactérias.

Propagação da cultura de bactérias.
Seguindo os procedimentos padronizados e em condições ideais de armazenagem, a passagem para a produção das culturas de estoque pode ser anual e a passagem das culturas de trabalho pode ser realizada a cada três semanas. Algumas cepas devem ser mantidas em condições especiais devido a suas características intrínsecas (ex. cepas exigentes).
• As cepas de controle da qualidade devem ser testadas usando os mesmos materiais e métodos empregados para testes de isolados clínicos.
• No caso de armazenamento prolongado, as culturas de referência devem ser mantidas a temperatura de -20°C, ou menos, (de preferência a -60°C ou menos, ou em nitrogênio líquido) em meio estabilizador recomendado.
Em geral, as bactérias podem ser estocadas a -20°C por 1–3 anos, a -70°C por 1–10 anos e em nitrogênio líquido a -196°C por mais de 30 anos.
Meios utilizados para a manutenção das cepas de referência:
- Skin milk a 20% (p/v) de leite desnatado em pó dissolvido em água destilada, autoclavar a 121°C por 20 minutos.
- Caldo de soja tríptica a 10 - 20% de glicerol (v/v), autoclavar 121°C por 20 minutos.
- Sangue de coelho desfibrinado.
• OBS: Os criotubos com selo de proteção interna são os mais utilizados para o processo de armazenamento dessas amostras. Os criotubos são preparados com antecedência, em volumes que, em geral estão em torno de 0,5mL por tubo, e previamente testados quanto à esterilidade.

Armazenamento de cepas fúngicas

• Para o armazenamento prolongado das cepas de referência, as leveduras devem ser cultivadas em ágar batata-dextrose e depois congeladas a -70°C. Alternativamente, as cepas de referência (não Cryptococcus) podem ser cultivadas suspendendo as células fúngicas em solução de glicerol a 50% em pequenos frascos e armazenados a -70°C.
• Para armazenamento de curto prazo, as culturas-padrão de trabalho, ou seja, de uso rotineiro nos testes, devem ser cultivadas a 35°C (+ 2°C) em tubos de ágar-Sabouraud ou ágar sangue, em tubos inclinados, até se observar crescimento suficiente, sendo depois armazenadas à temperatura de 2 a 8°C, enquanto não são utilizadas nos testes.



Referência:
OPAS, ANVISA, SVS. Controle Interno da Qualidade para Testes de Sensibilidade a Antimicrobianos.

Artigo por: Raphael Gonçalves Nicésio

Os artigos do blog são destinados a estudantes, profissionais e pessoas que se interessam pela biomedicina e demais áreas da saúde. O conteúdo não visa substituir as orientações de um médico, portanto não deve ser utilizado para autodiagnóstico ou automedicação.

Licença Creative Commons
Esta publicação está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional. Não é permitido duplicar, copiar ou reproduzir qualquer parte sem autorização prévia.
2007-2016. Biomedicina Brasil. Tecnologia do Blogger.