Hematologia

Maturação dos leucócitos

A maturação dos leucócitos ocorre a partir de células com alto poder de diferenciação situadas na medula óssea, as células totipotentes. Essas células, que passam por diversas etapas de diferenciação e multiplicação, formam células precursoras dos leucócitos, com alta atividade mitótica, o que propicia a proliferação na medula e, mais tarde, a diferenciação em células maduras.
As células progenitoras provêm de células multipotentes, ou seja, com alta capacidade mitótica, porém não auto-renováveis. São chamadas de Células Formadoras de Colônias (CFC) e, sob o estímulo da interleucina-7, diferenciam-se em Células Linfocíticas Formadoras de Colônia (LCFC). Também podem ser diferenciadas em outros tipos de células formadoras de colônia, como a monocítica-granulocítica (MGCFC), eosinofílica (ECFC) e basofílica (BCFC), através dos estímulos das interleucinas 3, 1 e 6 (IL-3, IL-1, IL-6) e fatores estimuladores de colônias (GM-CSF). Os fatores estimuladores de colônias são produzidos pelos macrófagos e estroma da medula óssea.

Maturação

A partir dessa fase, as células são monopotentes, provindas das células formadoras de colônias. Os linfoblastos estão presentes nos tecidos linfóides ou na medula óssea. Cada tipo de célula irá se tornar madura e migrar para locais específicos de atuação. A maturação dos linfoblastos B dando origem a pró-linfócitos B e consequentemente a linfócitos B é estimulada pela interleucina-7. A partir dos linfoblastos da medula óssea também são formados os pró-linfócitos NK, que durante a maturação, não migram e formam os linfonodos NK.
Já os linfoblastos de origem T estão predominantemente no timo e sofrem a maturação nesse órgão. Os linfócitos T maduros se diferenciam em subtipos denominados T-Helper, T-Supressor e T-Citotóxico. Durante esse processo, eles recebem os Cluster-diferenciation (CD), que determinam a sua especificidade. O desenvolvimento dos granulócitos ocorre a partir dos promielócitos, que se diferenciam em mielócitos e, após essa fase, de acordo com a especificidade de cada um, podem formar granulócitos basófilos, granulócitos eosinófilos e granulócitos neutrófilos.

Fatores

Os fatores envolvidos na maturação dos leucócitos podem ser descritos de acordo com a sua função:
A IL-3, liberada pelo linfócito T, age na formação das células da colônia, induzindo crescimento e indiferenciação das células leucocitárias mais jovens.
A IL-1 e IL-6 participam do mecanismo de indução das células fonte para formar células progenitoras. A IL-1 é o principal estimulador do sistema imune, além de outras funções. Ela é produzida por macrófagos em sua maioria, mas fibroblastos, células endoteliais e musculares lisas também a produzem. Já a IL-6 é produzida pelo linfócito T-Helper, quando este já se encontra ativado no organismo.
O GM-CSF induz o crescimento e diferenciação das células fonte às células formadoras de colônia granulocítica-monocíticas (GM-CFC). É produzido por macrófagos ativados e também por fibroblastos, células endoteliais e linfócitos, quando estes são estimulados pela IL-1.
A IL-7 é o fator de estimulação de linfócitos e age sobre os pro-linfócitos B e T dos tecidos linfóides, estimulando o seu desenvolvimento até células maduras. É produzida pelas células fonte da medula óssea, e circula pelo organismo por via hematogênica, onde atinge os tecidos linfóides, agindo sobre os nódulos.
Outras interleucinas também participam do processo, como:
IL-2 → Fator de crescimento para células T;
IL-4 → Proliferação de células B e secreção de imunoglobulinas;
IL-5 → Diferenciação de células B, secreção de imunoglobulinas e diferenciação de eosinófilos;
IL-7 → Estimulação de produção de células pré-B;
IL-9 → Formação de colônias eritróides e estimulação da proliferação da linhagem dos megacariócitos;
IL-10 → Inibição da síntese de citoquinas pelas células T e aumento de sua citotoxidade em número e função;
IL-11 → Estimulação da célula B, do megacariócito e da stem-cell;
IL-12 → Estimulação de células NK, proliferação de células T-Helper e produção de gama-interferon pelas células T e NK;
IL-13 → Produção de imunoglobulina pela célula B, troca de isótopos, estimulação da proliferação de células T e inibição da produção de citoquina inflamatória do monócito.

Artigo por: Raphael Gonçalves Nicésio

Os artigos do blog são destinados a estudantes, profissionais e pessoas que se interessam pela biomedicina e demais áreas da saúde. O conteúdo não visa substituir as orientações de um médico, portanto não deve ser utilizado para autodiagnóstico ou automedicação.

Licença Creative Commons
Esta publicação está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional. Não é permitido duplicar, copiar ou reproduzir qualquer parte sem autorização prévia.

0 comentários:

Postar um comentário

2007-2016. Biomedicina Brasil. Tecnologia do Blogger.