Pular para o conteúdo principal

Maturação dos leucócitos

A maturação dos leucócitos ocorre a partir de células com alto poder de diferenciação situadas na medula óssea, as células totipotentes. Essas células, que passam por diversas etapas de diferenciação e multiplicação, formam células precursoras dos leucócitos, com alta atividade mitótica, o que propicia a proliferação na medula e, mais tarde, a diferenciação em células maduras.


As células progenitoras provêm de células multipotentes, ou seja, com alta capacidade mitótica, porém não auto-renováveis. São chamadas de Células Formadoras de Colônias (CFC) e, sob o estímulo da interleucina-7, diferenciam-se em Células Linfocíticas Formadoras de Colônia (LCFC). Também podem ser diferenciadas em outros tipos de células formadoras de colônia, como a monocítica-granulocítica (MGCFC), eosinofílica (ECFC) e basofílica (BCFC), através dos estímulos das interleucinas 3, 1 e 6 (IL-3, IL-1, IL-6) e fatores estimuladores de colônias (GM-CSF). Os fatores estimuladores de colônias são produzidos pelos macrófagos e estroma da medula óssea.

Maturação

A partir dessa fase, as células são monopotentes, provindas das células formadoras de colônias. Os linfoblastos estão presentes nos tecidos linfóides ou na medula óssea. Cada tipo de célula irá se tornar madura e migrar para locais específicos de atuação. A maturação dos linfoblastos B dando origem a pró-linfócitos B e consequentemente a linfócitos B é estimulada pela interleucina-7. A partir dos linfoblastos da medula óssea também são formados os pró-linfócitos NK, que durante a maturação, não migram e formam os linfonodos NK.

Já os linfoblastos de origem T estão predominantemente no timo e sofrem a maturação nesse órgão. Os linfócitos T maduros se diferenciam em subtipos denominados T-Helper, T-Supressor e T-Citotóxico. Durante esse processo, eles recebem os Cluster-diferenciation (CD), que determinam a sua especificidade. O desenvolvimento dos granulócitos ocorre a partir dos promielócitos, que se diferenciam em mielócitos e, após essa fase, de acordo com a especificidade de cada um, podem formar granulócitos basófilos, granulócitos eosinófilos e granulócitos neutrófilos.

Fatores

Os fatores envolvidos na maturação dos leucócitos podem ser descritos de acordo com a sua função:
A IL-3, liberada pelo linfócito T, age na formação das células da colônia, induzindo crescimento e indiferenciação das células leucocitárias mais jovens.

A IL-1 e IL-6 participam do mecanismo de indução das células fonte para formar células progenitoras. A IL-1 é o principal estimulador do sistema imune, além de outras funções. Ela é produzida por macrófagos em sua maioria, mas fibroblastos, células endoteliais e musculares lisas também a produzem. Já a IL-6 é produzida pelo linfócito T-Helper, quando este já se encontra ativado no organismo.

O GM-CSF induz o crescimento e diferenciação das células fonte às células formadoras de colônia granulocítica-monocíticas (GM-CFC). É produzido por macrófagos ativados e também por fibroblastos, células endoteliais e linfócitos, quando estes são estimulados pela IL-1.

A IL-7 é o fator de estimulação de linfócitos e age sobre os pro-linfócitos B e T dos tecidos linfóides, estimulando o seu desenvolvimento até células maduras. É produzida pelas células fonte da medula óssea, e circula pelo organismo por via hematogênica, onde atinge os tecidos linfóides, agindo sobre os nódulos.

Outras interleucinas também participam do processo, como:
IL-2 → Fator de crescimento para células T;
IL-4 → Proliferação de células B e secreção de imunoglobulinas;
IL-5 → Diferenciação de células B, secreção de imunoglobulinas e diferenciação de eosinófilos;
IL-7 → Estimulação de produção de células pré-B;
IL-9 → Formação de colônias eritróides e estimulação da proliferação da linhagem dos megacariócitos;
IL-10 → Inibição da síntese de citoquinas pelas células T e aumento de sua citotoxidade em número e função;
IL-11 → Estimulação da célula B, do megacariócito e da stem-cell;
IL-12 → Estimulação de células NK, proliferação de células T-Helper e produção de gama-interferon pelas células T e NK;
IL-13 → Produção de imunoglobulina pela célula B, troca de isótopos, estimulação da proliferação de células T e inibição da produção de citoquina inflamatória do monócito.

Comentários

Artigos populares

Tubos para coleta de sangue

Os tubos de coleta de sangue são estéreis, feitos de vidro ou plástico e alguns possuem vácuo. Comumente utilizados em punções venosas, eles são projetados para a coleta, transporte e processamento das amostras.

O interior destes tubos pode ser revestido com anticoagulantes e as vedações preservam a integridade da amostra até a chegada ao laboratório. Embora não seja necessário ao coletor conhecer todos os detalhes sobre os procedimentos analíticos dos testes hematológicos, é essencial conhecer o tipo de amostra necessária para cada análise.


Tipo de Análise - Tipo de Amostra Bioquímica e Sorologia - Soro ou plasma Hematologia - Sangue total com EDTA Glicemia - Plasma com fluoreto de sódio Coagulação - Plasma com citrato de sódio
Tubos para coleta
A amostra deve ser coletada em tubos específicos para cada tipo de análise, sendo de extrema importância conhecê-los para a realização correta do exame. O material colhido em recipiente inadequado será rejeitado e descartado pelo laboratório p…

Conheça os principais meios de cultura

O crescimento dos microrganismos nos diferentes meios de cultura utilizados fornece as primeiras informações para a sua identificação. É importante conhecer o potencial de crescimento de cada meio de cultura e adequar ao perfil bacteriano esperado para cada material.


Alguns procedimentos são essenciais na hora da preparação de cada meio de cultura para a obtenção de melhores resultados e evitar contaminações, como nos diferentes casos: quando distribuir o meio antes de autoclavar, os tubos não precisam estar esterilizados; quando distribuir o meio após a autoclavação, os tubos, frascos, placas, pipetas e vidrarias ou materiais auxiliares obrigatoriamente devem ser estéreis e os meios devem ser autoclavados com as tampas semi-abertas, para que a esterilização seja por igual em todo o conteúdo dos tubos - tampas fechadas não permitem a entrada do vapor.

Ágar nutriente (AN)

Meio relativamente simples, de fácil preparo e barato, muito usado nos procedimentos do laboratório de microbiologi…

Vírus Epstein-Barr

O vírus Epstein-Barr, frequentemente referido como EBV, é um membro da família dos herpesvírus e um dos mais comuns nos humanos. O vírus ocorre em todo o mundo, e a maioria das pessoas é infectada com EBV em algum momento durante suas vidas.


Crianças tornam-se suscetíveis ao EBV tão logo a proteção de anticorpos maternos (presente no nascimento) desaparece. Muitas crianças são infectadas com EBV, e essas infecções geralmente não causam sintomas ou são indistinguíveis. Nos países desenvolvidos, muitas pessoas não estão infectadas com EBV na infância. Quando a infecção com EBV ocorre durante a adolescência ou na idade adulta jovem, provoca a mononucleose infecciosa em 35% a 50% dos casos.

Os sintomas da mononucleose infecciosa são febre, dor de garganta e aumento dos gânglios linfáticos. Às vezes, há o envolvimento do fígado e do baço. Problemas cardíacos ou envolvimento do sistema nervoso central ocorrem raramente, e a mononucleose infecciosa quase nunca é fatal. Não há associações co…