Fisiologia

A visão sem os olhos

O cérebro, assim como todo o sistema nervoso é uma vasta rede de neurônios, sinapses, potenciais e muitas outras partes importantes que ainda estão sendo entendidas. Quando pensamos ter finalmente descoberto algo novo, sempre há algo que contradiz os chamados fatos científicos. Um destes fenômenos curiosos é o de como um ser humano utiliza os seus sentidos para perceber o ambiente.

Desde jovens, somos ensinados que temos cinco sentidos básicos: visão, audição, olfato, tato e paladar. Porém, há circunstâncias diferentes, como quando uma pessoa é surda ou cega. Ser surdo ou cego muda completamente a maneira como a pessoa percebe o mundo. Muitas vezes, a sensibilidade se torna muito maior, para compensar os sentidos que não são funcionais. Embora pareça natural esse acontecimento, como um cão de 3 patas que corre tão bem como qualquer outro cão, um olhar mais atento revela que não é tão simples quanto parece.

O sentido mais comum que as pessoas pensam ser reforçado em uma pessoa cega é o senso de audição. Embora isto seja verdade, há outros fatores e sentidos que uma pessoa cega utiliza. Em um estudo feito por pesquisadores, indivíduos cegos ou com os olhos vendados foram colocados em uma sala frente a diferentes circunstâncias, para testar como perceberiam um objeto presente e o quão perto poderiam chegar, sem esbarrar. Os indivíduos que foram vendados reconheceram os objetos rapidamente. Dentre as respostas sensoriais utilizadas na percepção estavam o som de seus passos, a reflexão do objeto, a sombra do objeto, as pressões faciais ou a respiração sendo refletida. Em outro teste, os pesquisadores cobriram toda a pele exposta, para eliminar qualquer onda de ar, permitindo apenas as passagem de ondas sonoras. Ainda assim, as pessoas tiveram um bom desempenho, mostrando que as ondas de ar e a respiração refletida não eram necessárias para a percepção de um objeto. No experimento que eliminou a capacidade dos indivíduos de ouvirem, nenhuma pessoa conseguiu localizar o objeto.

Todos esses testes mostram que a audição desempenha o papel mais importante ao permitir que uma pessoa cega perceba o ambiente ao redor, mas que existem outras ferramentas do sistema nervoso podem ser usadas ​​para ajudar nesta tarefa. No entanto, há outras questões que merecem reflexão, como o que "ver" significa? Como é definido? Como o cérebro e o sistema nervoso fazem essas adaptações? Na tentativa de solucionar essas perguntas outras linhas de pesquisa foram desenvolvidas, a fim de conhecer qual tipo de percepção uma pessoa cega tem e como ela funciona.

O pintor turco aplica sombras e perspectiva em seus quadros.

O artista cego turco, Esref Armagan, foi uma das pessoas estudadas porque é conhecido por ser uma pessoa que nunca teve a capacidade de ver, e mesmo assim pode produzir belas pinturas facilmente reconhecíveis por qualquer pessoa com visão. Armagan foi testado com vários objetos, solicitado a desenhá-los a partir de muitas perspectivas diferentes, o que fez perfeitamente e sem nenhuma dificuldade. Posteriormente, desenhou objetos enquanto seu cérebro era monitorado, para a visualização de quais partes estavam ativas durante estas tarefas. Quando Armagan lembrou dos objetos e os desenhou, seu córtex visual mostrou atividade de forma quase idêntica a uma pessoa que está realmente olhando para algum objeto. Baseados nessa pesquisa, os cientistas concluíram que o córtex visual tem um papel diferente do que pensavam. As pessoas que podem ver usam as mesmas áreas do córtex visual do que quando estão imaginando algo. A mente pode produzir uma imagem no "olho da mente", mesmo sem a possibilidade de usar os olhos para ver algo real. No entanto, o fato de que Armagan possa desenhar as sombras no objeto de qualquer ângulo ou perspectiva não é explicado, já que possivelmente nunca tenha visto como uma sombra é projetada.

Quando se pensa na capacidade da mente de imaginar coisas, tanto quando o indivíduo está acordado ou durante os sonhos, não deve ser surpresa que uma pessoa cega possa "ver" algo que nunca tenha visto fisicamente. É possível imaginar ou sonhar com uma criatura fantástica que não exista na vida real ou "ver" um lugar que nunca existiu. Esref Armagan faz a mesma coisa, pois recebeu instruções da definição de cores e as memorizou, aplicando-as em suas telas.

Retrato de Bill Clinton por Esref Armagan.

Então como o cérebro é capaz de fazer adaptações na percepção e "ver" quando o sentido da visão não funciona? Os sujeitos vendados do experimento puderam perceber objetos apesar de não terem prática sem a visão. Adaptaram-se rapidamente usando os outros sentidos, principalmente a audição. Aliás, todos os indivíduos utilizam o córtex visual para ver algo, tanto fisicamente ou em suas mentes, sejam cegos ou não.

Analisando os experimentos, pode-se dizer que todas as pessoas têm a capacidade de usar esses sentidos "extras" do corpo em situações desfavoráveis. Porém, é muito mais fácil usar os olhos, o que faz com que essas habilidades se ofusquem. Pessoas cegas apenas confiam nos sentidos que já estão presentes nas outras pessoas porque não têm a visão. O mais importante é notar que o ser humano é capaz de usar seus sentidos em um nível muito mais elevado do que imaginado.

Artigo por: Raphael Gonçalves Nicésio

Os artigos do blog são destinados a estudantes, profissionais e pessoas que se interessam pela biomedicina e demais áreas da saúde. O conteúdo não visa substituir as orientações de um médico, portanto não deve ser utilizado para autodiagnóstico ou automedicação.

Licença Creative Commons
Esta publicação está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional. Não é permitido duplicar, copiar ou reproduzir qualquer parte sem autorização prévia.

0 comentários:

Postar um comentário

2007-2016. Biomedicina Brasil. Tecnologia do Blogger.