Metodologia

Utilização e manutenção do microscópio

Embora os aparelhos modernos sejam mais sofisticados, os princípios de construção, uso e manutenção do microscópio óptico ainda são os mesmos. No entanto, as regras mais elementares de utilização são frequentemente ignoradas, até mesmo por usuários experientes, comprometendo assim não só a durabilidade do equipamento, mas também a não utilização de possíveis recursos.
Muitas vezes os microscópios que são enviados para conserto estão apenas com as lentes sujas e podem ser restaurados rapidamente. No entanto, é recomendável uma manutenção preventiva por ano, a qual deve ser feita por técnicos especializados.

Utilização

Mantenha o microscópio livre de poeira, vapores ácidos e do contato com reagentes. Para mantê-lo seco, cubra com capa de flanela, pois evita o pó e a multiplicação de fungos (as capas devem ser lavadas periodicamente).
Não manusear o equipamento com as mãos sujas ou molhadas.
Jamais comer ou beber próximo ao equipamento.
Na remoção do equipamento, segure-o firmemente com uma das mãos no braço e outra na base, ou com as duas no braço, a depender do modelo. Coloque-o bem apoiado sobre a mesa de trabalho de superfície plana, evitando qualquer movimentação brusca. Nunca desloque o aparelho com a lâmpada acesa ou logo após ter sido apagada.
Muita atenção é necessária quando se observa a preparação em meio líquido, pois há sempre o risco de molhar a lente frontal da objetiva; portanto o conselho é retirar o excesso de líquido com papel de filtro, antes de colocar a lâmina sobre a platina. Em caso de acidente, enxugar imediatamente com papel absorvente macio.

Observação

Na observação de uma preparação, inicie sempre pela objetiva de menor aumento. Para focalizar com as objetivas de 20 ou 40 vezes, proceda da seguinte forma:
Escolha uma estrutura na preparação, mova a lâmina até que o objeto fique exatamente no centro do campo e em seguida mude para a objetiva de maior aumento, olhando por fora para evitar o choque com a lamínula.
Olhe pela ocular e abaixe o tubo ou eleve a platina com o macrométrico muito lentamente. Assim que a imagem aparecer, mesmo confusa, pare e complete a focalização com o micrométrico. O uso da objetiva de imersão é mais delicado pois, a distância focal entre a face da objetiva e a parte superior da lamínula diminui quando a ampliação é aumentada.
Em primeiro lugar, assegure-se da existência de algo no campo, posicionando a objetiva de menor aumento. Certifique-se que a iluminação e o objeto estão bem centralizados, suspenda o tubo e coloque uma gota de óleo no centro da operação. O óleo deve ter o mesmo índice de refração da objetiva. Abaixe o tubo até colocar a lente frontal em contato com a gota de óleo ainda convexa, até a mudança de forma da mesma. Suspenda levemente o tubo, mas sem perda de contato com a gota, coloque os olhos nas oculares e abaixe o tubo muito lentamente. Assim que a imagem aparecer, complete a focalização com o micrométrico.
Apesar das precauções mencionadas, caso a imagem não fique no ponto, verifique se o revólver está bem centralizado, se a preparação está invertida, muito espessa ou se a lamínula não é tão fina quanto deveria.

Problemas comuns na prática da microscopia

Campo escuro: é resultante de má centralização de iluminação, tente regular a iluminação.
Falta de nitidez da imagem: se persistir após a regulagem da iluminação e de uma focalização cuidadosa, a causa deve ser buscada metodicamente.

A preparação pode estar suja em uma das faces e isto pode ser reconhecido pela movimentação de estrias e sombras, ao mesmo tempo que a preparação. Deve-se limpá-la com um lenço de papel extra-macio, embebido em álcool ou éter.
A ocular pode estar suja.
A objetiva pode estar com algum líquido na lente frontal ou com poeira na lente posterior. Ao usar a lente de imersã,o servir-se de óleo de imersão suficientemente fluído e nunca deixá-lo secar sobre a objetiva ou sobre as preparações.

Ao terminar as observações certifique-se que nenhuma lâmina permaneça sobre a platina, ponha a objetiva de menor aumento em posição, mova o macrométrico até o limite máximo (mais alto), e cubra o aparelho.

Regulagem da iluminação

Nos microscópios cujos condensadores ABBE são móveis, para verificar a centralização, feche completamente o diafragma e examine a imagem com a objetiva de menor aumento focalizada numa preparação.
Em microscópios que possuem condensador de campo (por onde passam os feixes de luz), este também deve ser fechado, reduzindo assim o cone de luz.
Em ambos os casos, a centralização é feita girando os parafusos laterais do condensador ABBE até que a íris do diafragma esteja exatamente no centro, ou seja, coincidindo com o eixo óptico do sistema de lentes.
A imagem da íris do diafragma, uma vez centralizada, deve ser regulada movimentando o condensador, para cima ou para baixo, até que sua borda azulada esteja nítida. Abre-se então o condensador de campo ou o diafragma para preencher todo o campo, obtendo-se assim um feixe luminoso exatamente centrado.
Esta iluminação crítica ou de Köhler é portanto, obtida quando o condensador focaliza a luz no objeto e a luz transmitida do objeto para a objetiva quase que preenche completamente as lentes.

LIMPEZA E LUBRIFICAÇÃO



Parte óptica

A falta de nitidez das imagens depende diretamente do estado de limpeza das lentes. Isto pode ser evitado pelo hábito de limpeza periódica.

Oculares

Com a objetiva de menor aumento focalizada em uma preparação, gire as oculares e verifique se existem partículas que acompanham o movimento. Caso existam, podem estar nas duas superfícies e neste caso ambas devem ser limpas com um bulbo de borracha e cotonete.
Para retirar eventuais manchas de óleo e dedos umedeça um cotonete com solvente apropriado (álcool a 70% ou éter), tomando cuidado para não inundar as lentes, e seque imediatamente com um lenço de papel. Frequentemente basta projetar o hálito na superfícies das lentes e limpá-las.
Limpe frequentemente as oculares com lenço de papel fino, pois o contato com os cílios e mesmo poeira podem sujá-las. Nunca toque as lentes com os dedos, pois gordura atrai poeira.
Uma precaução especial é requerida no uso de solventes hidrocarbonetos, como o xilol, pois podem penetrar na área de fixação das lentes dissolvendo a cola, bem como produzir película sobre as lentes.

Objetivas

Cada objetiva deve ser desatarraxada cuidadosamente do revolver e após a limpeza recolocada na posição original, para tanto, usar o mesmo método descrito para as oculares. No entanto, como as superfícies das lentes são menores que as das oculares, recomendamos inspecioná-las com uma pequena lupa manual.
Para retirar poeira da face posterior da objetiva, usa-se um pincel de pêlo muito macio.
Após o uso da objetiva de imersão, retirar o excesso de óleo com um papel de filtro e terminar a limpeza com um cotonete levemente embebido de éter . Jamais usar álcool na limpeza do óleo de imersão, pois este não é dissolvido pelo álcool, mas forma com ele um precipitado branco.
Nunca tente desmontar as objetivas ou oculares, pois poderá desalinhar as lentes ou colocá-las na ordem ou posição erradas. Se houver necessidade de limpá-las internamente, deve-se enviá-las ao serviço especializado.

Condensador

Tanto o condensador de campo como o que contém o diafragma devem ser limpos com álcool ou éter. Cuidadosamente limpe as lentes, primeiro retirando a poeira, em seguida aplicando o líquido de limpeza e enxugando com papel macio.

Parte mecânica

A lubrificação também deve ser regular, especialmente do macrométrico, que é a parte mecânica mais vulnerável, evitando assim o acúmulo de poeira e areia. Antes de proceder a lubrificação, a sujeira das partes metálicas devem ser eliminadas com álcool, e enxugadas com tecido de algodão macio e relubrificadas, colocando um pequena quantidade de lubrificante na base da cremalheira. Depois move-se para cima e para baixo, a fim de espalhá-lo. A cremalheira do condensador assim como macro e micrométrico podem ser lubrificados com vaselina neutra.
Importante: Esses procedimentos só são válidos para equipamentos que têm cremalheiras visíveis.

Nunca force um macro ou micrométrico que esteja emperrado ou duro.
Evite deixar o equipamento em locais que recebam luz solar ou calor por muito tempo, pois estes podem derreter as graxas, danificando o mecanismo, ou descolar as lentes.
É útil reservar uma pinça para limpar detritos ou fragmentos acumulados em reentrâncias, bem como dispor de alicates e chaves de fenda para apertar ou folgar alguma peça deslocada.
Para as partes expostas, é suficiente limpá-las com tecido umedecido com água e sabão neutro, mas pode-se aplicar à platina uma diminuta quantidade de vaselina neutra.

Parte elétrica

Se o equipamento apresenta problemas na hora de acender a lâmpada pode-se verificar a tomada, o fusível e a lâmpada do mesmo.

Tomadas: devem estar inteiras, com os fios bem firmes a ela, caso contrário, aconselha-se a sua substituição.

Fusíveis: Desligue e retire o equipamento da tomada e procure o fusível geralmente localizado na parte inferior ou posterior do equipamento. São constituídos por um tubo de vidro com duas extremidades de metal (uma de cada lado) com um diminuto fio no meio. Este fio deve estar inteiro. Caso contrário, o fusível deverá ser trocado por outro do mesmo tipo. A sua identificação fica em uma das partes de metal (caso não tenha identificação, consulte o manual do equipamento).

Lâmpadas: verifique se ela está bem atarraxada no bocal e se seus "filamentos" encontram-se inteiros. Evite pegar na lâmpada com os dedos, faça-o com um lenço de papel, pois existem lâmpadas halógenas que ao serem tocadas com os dedos, queimam.



Referência
Universidade Federal da Bahia. Manual de uso e manutenção parcial de microscópio.

Artigo por: Raphael Gonçalves Nicésio

Os artigos do blog são destinados a estudantes, profissionais e pessoas que se interessam pela biomedicina e demais áreas da saúde. O conteúdo não visa substituir as orientações de um médico, portanto não deve ser utilizado para autodiagnóstico ou automedicação.

Licença Creative Commons
Esta publicação está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional. Não é permitido duplicar, copiar ou reproduzir qualquer parte sem autorização prévia.

2 comentários:

  1. Gostei muitíssimo, também dou aula na área da microscopia e lancei um curso "Manutenção e Operação de Microscópios" assista a aula de apresentação, aula 0001 de 115 = https://www.youtube.com/watch?v=jpPrs6l7Pe4

    abçs e sucesso.
    Prof. Antônio Fco.

    ResponderExcluir
  2. Desafios para preservar materiais de bom estado em uma escola e não haver orçamentos para manutenção e zêlo com o matreial

    ResponderExcluir

2007-2016. Biomedicina Brasil. Tecnologia do Blogger.