Pular para o conteúdo principal

Interferências comuns na coleta de sangue

A coleta de amostras de sangue para testes sorológicos deve ser realizada preferencialmente com o paciente em jejum. Além disso, alguns cuidados são necessários para que o resultado do exame de sangue não tenha nenhuma interferência, pois o diagnóstico preciso exibirá a real situação clínica do paciente.

Hematoma



O hematoma é o extravasamento do sangue para o tecido adjacente ao vaso e a sua formação é bastante comum. Veja a seguir as situações nas quais isso ocorre:

► Veias mais finas que a agulha;
► Tentativas mal sucedidas como, por exemplo, uma segunda coleta na mesma veia ou múltiplas tentativas de encontrar a veia redirecionando a agulha;
► Agulha retirada da veia antes de soltar o garrote;
► Manga da blusa do paciente apertando o braço como um garrote;
► A pressão no local de coleta for mantida por tempo inferior a 3 minutos após a punção;
► Carregar peso após a coleta de sangue.

Hemólise 

A hemólise é o resultado do rompimento da membrana da hemácia, causando liberação de hemoglobina. É a principal causa de rejeição de amostras nos laboratórios. Pode ser identificada a olho nu, pela observação do aspecto avermelhado presente no soro ou plasma.


Veja a seguir alguns cuidados que podemos ter após a coleta para evitar a hemólise:
► Quando coletar com seringa, retire a agulha antes de transferir o material coletado, dispensando-o suavemente pelas paredes do tubo;
► Após a coleta, sempre homogeneíze o tubo suavemente por inversão;
► Sempre que possível, faça os exames a partir do tubo primário, evitando a transferência de um tubo para outro. Pode haver ressuspensão das hemácias, causando hemólise pela ruptura das hemácias que permanecem junto com o soro transferido;
► Transporte os tubos sempre na posição vertical. Essa posição permite a completa formação do coágulo e reduz a agitação no interior do tubo durante o transporte;
► Proteja a amostra de sangue total da exposição a temperaturas muito elevadas ou baixas. Mantenha a temperatura entre 20° e 26°C.;
► Não interrompa bruscamente a centrifugação.

Nunca coloque o sangue total em contato direto com o gelo, pois baixas temperaturas podem provocar hemólise.

Lipemia

A lipemia é causada pela presença de grande quantidade de lipídeos no sangue. Pode ser identificada a olho nu pela observação do aspecto turvo (leitoso) do soro ou plasma.


Alguns pacientes em tratamento com antirretrovirais para infecção pelo HIV ou com outras enfermidades podem apresentar lipemia permanente. Outros podem apresentar a lipemia transitória, comum após a ingestão de alimentos gordurosos.
Para prevenir a lipemia nos exames sorológicos deve-se seguir as recomendações de jejum, definidas para cada tipo de exame, e evitar coletar amostras quando o paciente iver ingerido alimentos gordurosos a menos de quatro horas.

Fonte: Projeto Telelab. Coleta de sangue - Diagnóstico e monitoramento das DST, Aids e Hepatites Virais. 2010.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tubos para coleta de sangue

Os tubos de coleta de sangue são estéreis, feitos de vidro ou plástico e alguns possuem vácuo. Comumente utilizados em punções venosas, eles são projetados para a coleta, transporte e processamento das amostras.

O interior destes tubos pode ser revestido com anticoagulantes e as vedações preservam a integridade da amostra até a chegada ao laboratório. Embora não seja necessário ao coletor conhecer todos os detalhes sobre os procedimentos analíticos dos testes hematológicos, é essencial conhecer o tipo de amostra necessária para cada análise.


Tipo de Análise - Tipo de Amostra Bioquímica e Sorologia - Soro ou plasma Hematologia - Sangue total com EDTA Glicemia - Plasma com fluoreto de sódio Coagulação - Plasma com citrato de sódio
Tubos para coleta
A amostra deve ser coletada em tubos específicos para cada tipo de análise, sendo de extrema importância conhecê-los para a realização correta do exame. O material colhido em recipiente inadequado será rejeitado e descartado pelo laboratório p…

Conheça os principais meios de cultura

O crescimento dos microrganismos nos diferentes meios de cultura utilizados fornece as primeiras informações para a sua identificação. É importante conhecer o potencial de crescimento de cada meio de cultura e adequar ao perfil bacteriano esperado para cada material.


Alguns procedimentos são essenciais na hora da preparação de cada meio de cultura para a obtenção de melhores resultados e evitar contaminações, como nos diferentes casos: quando distribuir o meio antes de autoclavar, os tubos não precisam estar esterilizados; quando distribuir o meio após a autoclavação, os tubos, frascos, placas, pipetas e vidrarias ou materiais auxiliares obrigatoriamente devem ser estéreis e os meios devem ser autoclavados com as tampas semi-abertas, para que a esterilização seja por igual em todo o conteúdo dos tubos - tampas fechadas não permitem a entrada do vapor.

Ágar nutriente (AN)

Meio relativamente simples, de fácil preparo e barato, muito usado nos procedimentos do laboratório de microbiologi…

Vírus Epstein-Barr

O vírus Epstein-Barr, frequentemente referido como EBV, é um membro da família dos herpesvírus e um dos mais comuns nos humanos. O vírus ocorre em todo o mundo, e a maioria das pessoas é infectada com EBV em algum momento durante suas vidas.


Crianças tornam-se suscetíveis ao EBV tão logo a proteção de anticorpos maternos (presente no nascimento) desaparece. Muitas crianças são infectadas com EBV, e essas infecções geralmente não causam sintomas ou são indistinguíveis. Nos países desenvolvidos, muitas pessoas não estão infectadas com EBV na infância. Quando a infecção com EBV ocorre durante a adolescência ou na idade adulta jovem, provoca a mononucleose infecciosa em 35% a 50% dos casos.

Os sintomas da mononucleose infecciosa são febre, dor de garganta e aumento dos gânglios linfáticos. Às vezes, há o envolvimento do fígado e do baço. Problemas cardíacos ou envolvimento do sistema nervoso central ocorrem raramente, e a mononucleose infecciosa quase nunca é fatal. Não há associações co…