Pular para o conteúdo principal

Cultura de células

Não existem linhagens de células que se comportem exatamente da mesma forma, por isso é necessário aprender as peculiaridades de cada uma das células com as quais você trabalha. Independentemente do tipo de célula, todas são diluídas ou dispersas em uma cultura para depois voltarem a crescer na forma de uma cultura densa. Para a maioria das linhagens celulares, isto é feito periodicamente. Para células em suspensão, tudo o que você precisa fazer é diluir as células adequadamente. Para células aderentes, você precisa desprendê-las da placa, na maioria das vezes por tripsinização.


Quantas vezes as células precisam ser transferidas e em qual densidade deveriam ser semeadas quando transferidas ou repicadas? Não há uma resposta simples para esta pergunta. Cada linhagem de células é diferente. Algumas células não sobrevivem se eles são semeadas a uma densidade muito baixa. Algumas células não apresentam resposta satisfatória quando apresentam cultura muito densa, pois poderão esgotar seu meio de cultura rapidamente.

Algumas linhagens de células que apresentam inibição de crescimento dependente da densidade perdem esta característica no caso de possibilidade de formação de culturas densas. O problema aqui é que permitir que células "normais" cresçam a uma alta densidade seleciona as variantes que gostam de crescer nesta condição. Como esta é uma propriedade de células transformadas, as linhagens celulares normais, que crescem a uma densidade elevada, evoluem para pseudo-linhagens celulares transformadas e não são mais adequadas para estudos de regulação do crescimento.

Quando se trabalha com células envolvidas na regulação do crescimento, é essencial transferi-las antes que se tornem culturas densas. Algumas linhas de células hematopoiéticas, que são dependentes de citocinas devem ser manuseadas com muito cuidado. CTLL-2s são um exemplo disto. Se forem colocadas em meio com uma concentração inadequada de IL-2, ou se utilizarem todo o suprimento de IL-2, sofrem apoptose imediatamente e não podem ser recuperadas. Isso pode acontecer no espaço de 24 horas.

A coleção celular da ATCC é a mais completa e diversificada de seu tipo no mundo, composta por mais de 3.600 linhagens celulares de mais de 150 espécies diferentes. Possui mais de 950 linhas de células de câncer, 1.000 hibridomas e várias coleções especiais, incluindo células-tronco.


Meios de cultura

A maioria das células são cultivadas em DMEM. Algumas linhagens linfoides são cultivadas em RPMI. As células cultivadas em DMEM devem ser cultivadas numa atmosfera de CO₂ a 10%. Em contraste, as células cultivadas em RPMI devem ser cultivadas numa atmosfera de 5% de CO₂. Se as células crescerem em meio RPMI em CO₂ a 10%, o meio ficará muito ácido (amarelo).

➧ DMEM - esta é uma abreviatura do inglês Dulbecco/Vogt modified Eagle's (Harry Eagle) Minimal Essential Medium. O DMEM comercial é o meio utilizado para a maioria das células. Ele difere do meio original MEM, pois contém cerca de 4 vezes mais vitaminas e os aminoácidos do que as presentes na fórmula original, e alguns de 2 a 4 vezes mais glicose. Também contém ferro e outros adicionais. A maioria dos tipos de células humanas, de macaco, de hamster, de rato e galinha crescem bem neste meio.

➧ RPMI - esta é uma abreviatura do inglês Roswell Park Memorial Institute Medium. Linfócitos humanos são tradicionalmente cultivados em meio RPMI. Este meio contém uma grande quantidade de fosfato e é formulado para o cultivo em 5% de CO₂.

➧ Suplementos - os meios de cultura celulares são sempre suplementados com soro. A maioria das linhas de células é cultivada em meio DMEM suplementado, seja com soro bovino a 10% ou soro fetal bovino a 10%. As células transformadas normalmente crescem bem em soro fetal bovino. Algumas linhagens muito exigentes são cultivadas em soro fetal bovino a 20%. Como alternativa ao soro fetal bovino, devido ao custo e a escassez, algumas células são cultivadas em soro de cavalo. O meio de algumas células linfoides é suplementado com 5 x 10-⁵ M de 2-mercaptoetanol, independente da ocorrência de oxidação. Outras linhagens melhoram após a inclusão 2mM de glutamina; 2, 5 ou 10% de caldo triptose fosfato; 2mM de piruvato; ou aminoácidos não-essenciais nos seus meios de cultura.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tubos para coleta de sangue

Os tubos de coleta de sangue são estéreis, feitos de vidro ou plástico e alguns possuem vácuo. Comumente utilizados em punções venosas, eles são projetados para a coleta, transporte e processamento das amostras.

O interior destes tubos pode ser revestido com anticoagulantes e as vedações preservam a integridade da amostra até a chegada ao laboratório. Embora não seja necessário ao coletor conhecer todos os detalhes sobre os procedimentos analíticos dos testes hematológicos, é essencial conhecer o tipo de amostra necessária para cada análise.


Tipo de Análise - Tipo de Amostra Bioquímica e Sorologia - Soro ou plasma Hematologia - Sangue total com EDTA Glicemia - Plasma com fluoreto de sódio Coagulação - Plasma com citrato de sódio
Tubos para coleta
A amostra deve ser coletada em tubos específicos para cada tipo de análise, sendo de extrema importância conhecê-los para a realização correta do exame. O material colhido em recipiente inadequado será rejeitado e descartado pelo laboratório p…

Conheça os principais meios de cultura

O crescimento dos microrganismos nos diferentes meios de cultura utilizados fornece as primeiras informações para a sua identificação. É importante conhecer o potencial de crescimento de cada meio de cultura e adequar ao perfil bacteriano esperado para cada material.


Alguns procedimentos são essenciais na hora da preparação de cada meio de cultura para a obtenção de melhores resultados e evitar contaminações, como nos diferentes casos: quando distribuir o meio antes de autoclavar, os tubos não precisam estar esterilizados; quando distribuir o meio após a autoclavação, os tubos, frascos, placas, pipetas e vidrarias ou materiais auxiliares obrigatoriamente devem ser estéreis e os meios devem ser autoclavados com as tampas semi-abertas, para que a esterilização seja por igual em todo o conteúdo dos tubos - tampas fechadas não permitem a entrada do vapor.

Ágar nutriente (AN)

Meio relativamente simples, de fácil preparo e barato, muito usado nos procedimentos do laboratório de microbiologi…

Vírus Epstein-Barr

O vírus Epstein-Barr, frequentemente referido como EBV, é um membro da família dos herpesvírus e um dos mais comuns nos humanos. O vírus ocorre em todo o mundo, e a maioria das pessoas é infectada com EBV em algum momento durante suas vidas.


Crianças tornam-se suscetíveis ao EBV tão logo a proteção de anticorpos maternos (presente no nascimento) desaparece. Muitas crianças são infectadas com EBV, e essas infecções geralmente não causam sintomas ou são indistinguíveis. Nos países desenvolvidos, muitas pessoas não estão infectadas com EBV na infância. Quando a infecção com EBV ocorre durante a adolescência ou na idade adulta jovem, provoca a mononucleose infecciosa em 35% a 50% dos casos.

Os sintomas da mononucleose infecciosa são febre, dor de garganta e aumento dos gânglios linfáticos. Às vezes, há o envolvimento do fígado e do baço. Problemas cardíacos ou envolvimento do sistema nervoso central ocorrem raramente, e a mononucleose infecciosa quase nunca é fatal. Não há associações co…