Pular para o conteúdo principal

Problemas na coleta de sangue


Em princípio, qualquer veia dos membros superiores pode ser puncionada, desde que apresente boas condições como bom calibre, flexibilidade e integridade. O surgimento de hematomas após a coleta pode ocorrer, mas algumas medidas ajudam a fazê-lo desaparecer.

Para tentar evitar o hematoma, deve-se pressionar o local da punção por, no mínimo, três minutos. Também é necessário evitar flexionar o braço, massagear o local e fazer esforço físico no período posterior à coleta. Procure observar se não há relógio, pulseira ou qualquer outro tipo de acessório que esteja garroteando o braço.

Se ainda assim o hematoma aparecer, faça uma compressa de gelo por quinze minutos a cada hora, durante as seis primeiras horas. Após essa medida, compressas mornas podem ser colocadas no local para acelerar o desaparecimento do hematoma. Se houver qualquer outra reação ou dor no local, entre em contato com o laboratório ou um médico.

Veja abaixo alguns problemas que podem ocorrer durante a coleta de sangue e como resolvê-los. Ao verificá-los, mantenha-se calmo e tranquilize o paciente. Analise a situação e adote a conduta cabível.

Em qualquer um dos casos, se o problema não for resolvido, retire a agulha, cubra o local puncionado com algodão e pressione. Escolha um novo local, faça a antissepsia e realize nova punção.


Você puncionou a veia e o sangue não fluiu para o tubo.


O que pode ter acontecido?
1 - Transfixação da veia.
2 - Erro na direção da agulha.


Transfixação da veia.
Erro na direção da agulha.

O que fazer para resolver?
1 - Retroceda um pouco a agulha para que ela volte para dentro da veia.
2 - Localize a veia com sua mão livre e redirecione a agulha.

Você puncionou a veia e o fluxo sanguíneo foi interrompido.


O que pode ter acontecido?
1 - Transfixação da veia.
2 - É possível que a agulha esteja encostada na parede da veia
3 - Estenose ou colabamento da veia.
4 - O bisel está encostando na parede superior da veia.
Transfixação da veia.
Estenose ou colabamento da veia.

Bisel na parte superior da veia.

O que fazer para resolver?
1 - Retroceda um pouco a agulha para que ela volte para dentro da veia.
2 - Retroceda um pouco a agulha e gire sutilmente o adaptador ou a seringa para permitir o restabelecimento do fluxo.
3 - Retire o garrote para permitir o restabelecimento da circulação. Tente virar lentamente o adaptador ou a seringa para que o bisel seja desobstruído e permita a recomposição da veia. Se o tubo perder o vácuo, troque de tubo e lembre-se de identificá-lo ao final do procedimento. Se o problema não for resolvido, retire a agulha e faça uma nova punção em outro local.
4 -  Aumente o ângulo da agulha em relação ao braço e depois avance a agulha no interior da veia para permitir o fluxo sanguíneo.

Sangramento externo contínuo no local da punção.


O que pode ter acontecido?
O bisel penetrou apenas parcialmente na veia.

Bisel parcialmente penetrado na veia.

O que fazer para resolver?
Corrija o problema introduzindo a agulha corrretamente na veia. Se o tubo perder o vácuo, troque de tubo e lembre-se de identificá-lo ao final do procedimento.

Formação de edema ou hematoma após a punção.


O que pode ter acontecido?
A veia rompeu ou ocorreu extravasamento de sangue sob a pele.

Veia rompida.

O que fazer para resolver?
Interrompa imediatamente a coleta. Comprima o local e aplique uma compressa de gelo.

O sangue flui de forma pulsátil.


O que pode ter acontecido?
Uma artéria foi puncionada.

Artéria puncionada.

O que fazer para resolver?
Interrompa imediatamente a coleta e comprima o local ao menos por 5 minutos. Em seguida cubra o local puncionado com curativo oclusivo.


Fonte:
Coleta de Sangue - diagnóstico e monitoramento das DTS, AIDS e Hepatites virais.
Galena, HJ. Complications occuring fom diagnostic venipuncture. J. Fam. Pract. 1992;34:582-4.

Comentários

Artigos populares

Tubos para coleta de sangue

Os tubos de coleta de sangue são estéreis, feitos de vidro ou plástico e alguns possuem vácuo. Comumente utilizados em punções venosas, eles são projetados para a coleta, transporte e processamento das amostras.

O interior destes tubos pode ser revestido com anticoagulantes e as vedações preservam a integridade da amostra até a chegada ao laboratório. Embora não seja necessário ao coletor conhecer todos os detalhes sobre os procedimentos analíticos dos testes hematológicos, é essencial conhecer o tipo de amostra necessária para cada análise.


Tipo de Análise - Tipo de Amostra Bioquímica e Sorologia - Soro ou plasma Hematologia - Sangue total com EDTA Glicemia - Plasma com fluoreto de sódio Coagulação - Plasma com citrato de sódio
Tubos para coleta
A amostra deve ser coletada em tubos específicos para cada tipo de análise, sendo de extrema importância conhecê-los para a realização correta do exame. O material colhido em recipiente inadequado será rejeitado e descartado pelo laboratório p…

Conheça os principais meios de cultura

O crescimento dos microrganismos nos diferentes meios de cultura utilizados fornece as primeiras informações para a sua identificação. É importante conhecer o potencial de crescimento de cada meio de cultura e adequar ao perfil bacteriano esperado para cada material.


Alguns procedimentos são essenciais na hora da preparação de cada meio de cultura para a obtenção de melhores resultados e evitar contaminações, como nos diferentes casos: quando distribuir o meio antes de autoclavar, os tubos não precisam estar esterilizados; quando distribuir o meio após a autoclavação, os tubos, frascos, placas, pipetas e vidrarias ou materiais auxiliares obrigatoriamente devem ser estéreis e os meios devem ser autoclavados com as tampas semi-abertas, para que a esterilização seja por igual em todo o conteúdo dos tubos - tampas fechadas não permitem a entrada do vapor.

Ágar nutriente (AN)

Meio relativamente simples, de fácil preparo e barato, muito usado nos procedimentos do laboratório de microbiologi…

Vírus Epstein-Barr

O vírus Epstein-Barr, frequentemente referido como EBV, é um membro da família dos herpesvírus e um dos mais comuns nos humanos. O vírus ocorre em todo o mundo, e a maioria das pessoas é infectada com EBV em algum momento durante suas vidas.


Crianças tornam-se suscetíveis ao EBV tão logo a proteção de anticorpos maternos (presente no nascimento) desaparece. Muitas crianças são infectadas com EBV, e essas infecções geralmente não causam sintomas ou são indistinguíveis. Nos países desenvolvidos, muitas pessoas não estão infectadas com EBV na infância. Quando a infecção com EBV ocorre durante a adolescência ou na idade adulta jovem, provoca a mononucleose infecciosa em 35% a 50% dos casos.

Os sintomas da mononucleose infecciosa são febre, dor de garganta e aumento dos gânglios linfáticos. Às vezes, há o envolvimento do fígado e do baço. Problemas cardíacos ou envolvimento do sistema nervoso central ocorrem raramente, e a mononucleose infecciosa quase nunca é fatal. Não há associações co…