Microbiologia

Médicos defendem transplante fecal contra superbactéria

Técnica ajudaria a repovoar flora intestinal com bactérias benéficas, que impedem proliferação da 'C. difficile', resistente a antibióticos.


A ideia pode fazer virar o estômago de muita gente, mas o transplante de bolo fecal de uma pessoa para outra pode ajudar a salvar vidas.
Alguns médicos estão usando o procedimento para ajudar a repovoar intestinos com bactérias benéficas, que podem desaparecer após algumas enfermidades.
Essas bactérias benéficas ajudam a flora intestinal a combater infecções como as causadas pela suberbactéria Clostridium difficile, altamente resistente a antibióticos.
Alisdair MacConnachie, que acredita ser o único médico na Grã-Bretanha a fazer esse tipo de transplante, diz que a eficácia do tratamento é comprovada, mas que ele deve ser usado apenas como último recurso.
A lógica é simples. A infecção por C.difficile pode ser provocada pelo uso de antibióticos, que matam bactérias no intestino. Isso dá às bactérias C.difficile sobreviventes espaço para se reproduzir amplamente e produzir grandes quantidades de toxinas que podem levar à diarreia e provocar a morte.
A solução mais óbvia, a ingestão de mais antibióticos, nem sempre funciona e alguns pacientes desenvolvem infecções crônicas.
A teoria é que ao adicionar mais bactérias ao intestino, elas competirão com a C.difficile e controlarão a infecção.



Tubo pelo nariz
MacConnachie, do Gratnavel General Hospital, de Glasgow, já realizou mais de 20 operações desse tipo desde 2003.
"Somente um dos pacientes que eu tratei não conseguiu se livrar da C.difficile", disse.
Se os tratamentos normais não funcionam, o paciente recebe antibióticos até a noite antes da operação, quando os remédios são trocados por outros para controlar a acidez do estômago.
Na manhã da operação, o doador vai ao hospital e produz uma amostra.
Normalmente, um parente é usado, preferencialmente alguém que vive com o paciente, porque viver no mesmo ambiente e comer a mesma comida significa que é mais provável que eles tenham bactérias da flora intestinal semelhantes.
Cerca de 30 gramas da matéria fecal é tomada e misturada em um liquidificador com um pouco de água salgada. Isso depois é filtrado para deixar apenas um líquido.
MacConnachie insere um tubo pelo nariz do paciente até seu estômago. Outros médicos usam diferentes caminhos para chegar ao intestino.
Cerca de 30 mililitros do líquido são então inserido pelo tubo.

Preconceito
"Minha visão pessoal é de que esta técnica está aí para pacientes que tentaram todos os tratamentos tradicionais", disse MacConnachie.
"Se um paciente não responde a isso e tem infecção crônica por C.difficile, então está em apuros e não há realmente nenhuma outra técnica ou tratamento com a eficácia provada que tem o transplante fecal", observa.
Para ele, o preconceito impede que mais gente se beneficie do tratamento. "É uma técnica publicada (em publicações científicas). Acho que as pessoas têm medo", diz.
"Parece nojento, é nojento, e eu acho que as pessoas provavelmente têm medo de chegar aos pacientes e discutir o assunto", avalia.
Este não é um problema enfrentado por Lawrence Brandt, gastroenterologista no Montefiore Medical Center, em Nova York.
Ele diz que recebe hoje entre dois e quatro e-mails diários de pessoas que querem passar pelo transplante. Até hoje ele já fez a operação em 42 pacientes.
Ele recorda sua primeira operação, em 1999: "A paciente me ligou seis horas após o transplante fecal e disse que não sabia o que eu havia feito ali, mas que ela se sentia melhor do que havia se sentido em seis meses. E de fato, ela nunca mais teve uma infecção por C.difficile", conta.
Além de pacientes, ele diz que há mais médicos expressando interesse na técnica nos Estados Unidos.
"Nos próximos seis meses ou um ano, isso será a coisa mais instigante que aconteceu à gastroenterologia. Isso vai certamente mudar a maneira como a C.difficile é tratada e outras doenças também", diz.
Síndrome do intestino irritável, diarreia e constipação também estão na lista de possíveis aplicações. "Isso parece ser uma abordagem incrível para uma grande variedade de doenças", ele diz.

Estudos
A prática foi relatada apenas em poucos estudos de casos no combate à infecção recorrente com C.difficile.
Houve um índice de sucesso de cerca de 90%. Isso não é suficiente, porém, para que a técnica seja adotada amplamente.
O padrão para determinar se um tratamento funciona é um teste clínico randômico - tomar um grande grupo de pacientes e dar a uma parte o tratamento em análise e a outro um placebo ou tratamento diferente. Os dois grupos são então comparados para ver se o tratamento realmente faz uma diferença.
Até que a técnica de transplante fecal seja analisada dessa maneira, será difícil que consiga uma aceitação ampla.

Fonte: g1.globo.com

Artigo por: Rafael Fernandes

Os artigos do blog são destinados a estudantes, profissionais e pessoas que se interessam pela biomedicina e demais áreas da saúde. O conteúdo não visa substituir as orientações de um médico, portanto não deve ser utilizado para autodiagnóstico ou automedicação.

Licença Creative Commons
Esta publicação está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional. Não é permitido duplicar, copiar ou reproduzir qualquer parte sem autorização prévia.

0 comentários:

Postar um comentário

2007-2016. Biomedicina Brasil. Tecnologia do Blogger.