Pular para o conteúdo principal

Bombeiros do 11/9 têm mais chance de contrair câncer

Um dos aniversários mais lembrados no mundo, em 2011, não é de uma celebridade ou instituição, mas de uma tragédia que marcou o início do século XXI. No próximo dia 11, os ataques terroristas às torres gêmeas, em Nova Iorque (EUA), completam dez anos.


Apesar do tempo, cientistas ainda descobrem novas consequências daquela ocasião. Aparentemente, bombeiros que trabalharam durante a primeira remoção de destroços, logo após o atentado, têm maior tendência a ter câncer desde então.
O estudo, conduzido por médicos do próprio departamento de bombeiros de Nova Iorque, analisou, durante os anos seguintes, o quadro de saúde dos profissionais que atuaram logo após a catástrofe. A inalação de poeira e partículas tóxicas, pelo ar, causou danos permanentes no organismo dos bombeiros. Como resultado, 19% dos homens que atuaram no 11 de setembro tiveram câncer diagnosticado depois dessa data (considerando os que foram diagnosticados antes da ocasião, esse número sobe para 32%).
O que chama a atenção nesse estudo é justamente a rapidez. A inalação dessas substâncias tóxicas, conforme já se sabe, costuma se tornar um câncer de 10 a 15 anos depois, no mínimo. Desta vez, estes bombeiros foram diagnosticados com câncer logo nos primeiros sete anos.
A teoria que os cientistas têm, para essa rapidez, é a intensidade: em prédios de proporções gigantescas, como as torres gêmeas, a incidência de substâncias é muito maior. Supera, por exemplo, o nível tóxico de outras situações em que se costuma pegar câncer por inalação de partículas, tais como trabalhos em minas, siderúrgicas ou indústrias químicas, sem máscaras proteção.
Tal como nessas indústrias, as pequenas partículas minerais foram responsáveis pelos casos de câncer. As substâncias mais nocivas, como explicam os cientistas, são o amianto, que se fixa nos pulmões, brônquios e invade a circulação; e o benzeno, responsável pela proporção colossal dos incêndios que se seguiram ao choque dos aviões.
Um grande cuidado que os pesquisadores tomaram foi de não generalizar os casos de câncer. Dentre estes 19% diagnosticados, a maioria apresentou mieloma: grosso modo, é câncer nos glóbulos brancos. Isso corresponde às expectativas dos cientistas, já que a entrada de partículas tóxicas no sangue é diretamente relacionada ao mieloma.
Mas havia também vários outros tipos de câncer, que não necessariamente foram adquiridos depois da derrubada das torres. Como se trata de um câncer que deveria levar muitos anos adicionais para aparecer nos portadores, ainda é preciso esperar um bom tempo para tirar conclusões mais precisas.
O governo americano aprovou, em dezembro do ano passado, uma lei que facilita o atendimento médico a quem trabalhou em áreas de risco após o 11 de setembro, como uma espécie de plano de saúde. O problema é que isso não cobre, por enquanto, os casos de câncer. No passado, determinações governamentais dos EUA afirmaram não haver relação entre inalar produtos tóxicos e contrair a doença. Amparados pelas recentes pesquisas, os cientistas querem mudar essa realidade, para proteger os bombeiros.
Hypescience

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tubos para coleta de sangue

Os tubos de coleta de sangue são estéreis, feitos de vidro ou plástico e alguns possuem vácuo. Comumente utilizados em punções venosas, eles são projetados para a coleta, transporte e processamento das amostras.

O interior destes tubos pode ser revestido com anticoagulantes e as vedações preservam a integridade da amostra até a chegada ao laboratório. Embora não seja necessário ao coletor conhecer todos os detalhes sobre os procedimentos analíticos dos testes hematológicos, é essencial conhecer o tipo de amostra necessária para cada análise.


Tipo de Análise - Tipo de Amostra Bioquímica e Sorologia - Soro ou plasma Hematologia - Sangue total com EDTA Glicemia - Plasma com fluoreto de sódio Coagulação - Plasma com citrato de sódio
Tubos para coleta
A amostra deve ser coletada em tubos específicos para cada tipo de análise, sendo de extrema importância conhecê-los para a realização correta do exame. O material colhido em recipiente inadequado será rejeitado e descartado pelo laboratório p…

Conheça os principais meios de cultura

O crescimento dos microrganismos nos diferentes meios de cultura utilizados fornece as primeiras informações para a sua identificação. É importante conhecer o potencial de crescimento de cada meio de cultura e adequar ao perfil bacteriano esperado para cada material.


Alguns procedimentos são essenciais na hora da preparação de cada meio de cultura para a obtenção de melhores resultados e evitar contaminações, como nos diferentes casos: quando distribuir o meio antes de autoclavar, os tubos não precisam estar esterilizados; quando distribuir o meio após a autoclavação, os tubos, frascos, placas, pipetas e vidrarias ou materiais auxiliares obrigatoriamente devem ser estéreis e os meios devem ser autoclavados com as tampas semi-abertas, para que a esterilização seja por igual em todo o conteúdo dos tubos - tampas fechadas não permitem a entrada do vapor.

Ágar nutriente (AN)

Meio relativamente simples, de fácil preparo e barato, muito usado nos procedimentos do laboratório de microbiologi…

Vírus Epstein-Barr

O vírus Epstein-Barr, frequentemente referido como EBV, é um membro da família dos herpesvírus e um dos mais comuns nos humanos. O vírus ocorre em todo o mundo, e a maioria das pessoas é infectada com EBV em algum momento durante suas vidas.


Crianças tornam-se suscetíveis ao EBV tão logo a proteção de anticorpos maternos (presente no nascimento) desaparece. Muitas crianças são infectadas com EBV, e essas infecções geralmente não causam sintomas ou são indistinguíveis. Nos países desenvolvidos, muitas pessoas não estão infectadas com EBV na infância. Quando a infecção com EBV ocorre durante a adolescência ou na idade adulta jovem, provoca a mononucleose infecciosa em 35% a 50% dos casos.

Os sintomas da mononucleose infecciosa são febre, dor de garganta e aumento dos gânglios linfáticos. Às vezes, há o envolvimento do fígado e do baço. Problemas cardíacos ou envolvimento do sistema nervoso central ocorrem raramente, e a mononucleose infecciosa quase nunca é fatal. Não há associações co…