Pular para o conteúdo principal

Glóbulos vermelhos jovens contribuem mais para doenças cardiovasculares

Cientistas do Instituto de Medicina Molecular (IMM), em Lisboa, recorreram às nanotecnologias para perceber a relação entre a idade dos glóbulos vermelhos (eritrócitos) e a tendência para a sua excessiva agregação, um factor de risco cardiovascular.

Descobriram a existência de um receptor específico na membrana dos eritrócitos que acolhe o fibrinogénio, uma proteína do plasma sanguíneo que agrega glóbulos vermelhos. "Doentes com grande concentração desta proteína tendem a ter um sangue mais viscoso, o que dificulta a a circulação, podendo provocar problemas cardiovasculares", frisou Nuno Santos, líder da equipa de investigação. De acordo com o investigador, a integrina, nome deste receptor "apresenta duas subunidades (proteínas) que funcionam juntas, tendo sido identificado o gene responsável pela expressão de cada uma delas".

Também se concluiu que esta ligação entre o fibrinogénio e o seu receptor nos glóbulos vermelhos pode ser perdida, mascarada ou progressivamente tornada não funcional com o processo de envelhecimento destas células no sangue, pelo que os investigadores acreditam que os eritrócitos jovens são os que mais contribuem para as doenças cardiovasculares associadas à sua excessiva agregação.
Este estudo, publicado esta semana na revista "PLoS ONE", abre portas a um conhecimento mais aprofundado sobre estes mecanismos moleculares e poderá contribuir assim para o desenvolvimento de novos tratamentos que actuem na prevenção de patologias vasculares como a hipertensão arterial ou o enfarte agudo do miocárdio.

Nanotecnologia fundamental para este estudo

Nuno Santos explicou que "o tempo de vida entre a ligação do fibrinogénio aos glóbulos vermelhos não é suficientemente alto para ser estudado pelas metodologias convencionais". Desta forma, a equipa do IMM teve de recorrer a um microscópio de força atómica para "pescar" o receptor na membrana dos glóbulos vermelhos e poder estudar a sua interacção à "nano-escala" com o fibrinogénio.

"A espectroscopia de força [utilização deste microscópio] é uma das metodologias de eleição na área da nanomedicina", referiu, pois permite estudar as forças que se estabelecem entre duas moléculas. No caso deste estudo, constatou-se que, embora a força de ligação seja idêntica em todos os glóbulos vermelhos, a frequência de ligação do fibrinogénio aos mais jovens é maior, sugerindo que esta população tem uma maior influência em potenciais problemas cardiovasculares resultante da agregação destas células sanguíneas.

Este trabalho surge na sequência de outro anterior já publicado pela equipa liderada por Nuno Santos, mas esta linha de investigação tem ainda um terceiro estudo a decorrer. "Esperamos que surjam novos resultados ainda este ano", concluiu Nuno Santos.

As doenças cardiovasculares, que atingem meio milhão de portugueses, são responsáveis por entre 35e 40 por cento dos óbitos no país. Além disso, são apresentadas como a primeira causa de morte, doença, incapacidade e custos em saúde em Portugal.

Comentários

Artigos populares

Tubos para coleta de sangue

Os tubos de coleta de sangue são estéreis, feitos de vidro ou plástico e alguns possuem vácuo. Comumente utilizados em punções venosas, eles são projetados para a coleta, transporte e processamento das amostras.

O interior destes tubos pode ser revestido com anticoagulantes e as vedações preservam a integridade da amostra até a chegada ao laboratório. Embora não seja necessário ao coletor conhecer todos os detalhes sobre os procedimentos analíticos dos testes hematológicos, é essencial conhecer o tipo de amostra necessária para cada análise.


Tipo de Análise - Tipo de Amostra Bioquímica e Sorologia - Soro ou plasma Hematologia - Sangue total com EDTA Glicemia - Plasma com fluoreto de sódio Coagulação - Plasma com citrato de sódio
Tubos para coleta
A amostra deve ser coletada em tubos específicos para cada tipo de análise, sendo de extrema importância conhecê-los para a realização correta do exame. O material colhido em recipiente inadequado será rejeitado e descartado pelo laboratório p…

Conheça os principais meios de cultura

O crescimento dos microrganismos nos diferentes meios de cultura utilizados fornece as primeiras informações para a sua identificação. É importante conhecer o potencial de crescimento de cada meio de cultura e adequar ao perfil bacteriano esperado para cada material.


Alguns procedimentos são essenciais na hora da preparação de cada meio de cultura para a obtenção de melhores resultados e evitar contaminações, como nos diferentes casos: quando distribuir o meio antes de autoclavar, os tubos não precisam estar esterilizados; quando distribuir o meio após a autoclavação, os tubos, frascos, placas, pipetas e vidrarias ou materiais auxiliares obrigatoriamente devem ser estéreis e os meios devem ser autoclavados com as tampas semi-abertas, para que a esterilização seja por igual em todo o conteúdo dos tubos - tampas fechadas não permitem a entrada do vapor.

Ágar nutriente (AN)

Meio relativamente simples, de fácil preparo e barato, muito usado nos procedimentos do laboratório de microbiologi…

Vírus Epstein-Barr

O vírus Epstein-Barr, frequentemente referido como EBV, é um membro da família dos herpesvírus e um dos mais comuns nos humanos. O vírus ocorre em todo o mundo, e a maioria das pessoas é infectada com EBV em algum momento durante suas vidas.


Crianças tornam-se suscetíveis ao EBV tão logo a proteção de anticorpos maternos (presente no nascimento) desaparece. Muitas crianças são infectadas com EBV, e essas infecções geralmente não causam sintomas ou são indistinguíveis. Nos países desenvolvidos, muitas pessoas não estão infectadas com EBV na infância. Quando a infecção com EBV ocorre durante a adolescência ou na idade adulta jovem, provoca a mononucleose infecciosa em 35% a 50% dos casos.

Os sintomas da mononucleose infecciosa são febre, dor de garganta e aumento dos gânglios linfáticos. Às vezes, há o envolvimento do fígado e do baço. Problemas cardíacos ou envolvimento do sistema nervoso central ocorrem raramente, e a mononucleose infecciosa quase nunca é fatal. Não há associações co…