Pular para o conteúdo principal

Conjuntivite

Causas

A conjuntiva é uma membrana mucosa, cuja principal função é proteger o olho do meio ambiente, o que justifica o facto de responder a qualquer tipo de agressão externa com uma reacção defensiva inflamatória. As possíveis causas de conjuntivite são muito variadas.

A origem mais comum de conjuntivite consiste numa infecção, provocada por diversos tipos de agentes patogénicos, sobretudo bactérias, mas também vírus e, com menor frequência, fungos. O contágio pode ser provocado por contacto directo ou mediado por qualquer tipo de elemento contaminado, como toalhas ou lenços. Para além disso, tendo em conta que, em alguns casos, é o próprio paciente a transmitir a infecção do olho primeiramente afectado para o outro, é muito comum que ambos sejam afectados.

Existem determinadas alergias que podem igualmente provocar uma inflamação da conjuntiva. Neste caso, trata-se de uma resposta anómala do sistema imunitário em pessoas particularmente sensíveis após o contacto com substâncias que, na verdade, são inofensivas: pólen, partículas suspensas no pó doméstico, cosméticos, etc. A alergia ao pólen provoca, muitas vezes, uma inflamação simultânea da conjuntiva e do nariz, denominada rinoconjuntivite ou febre dos fenos.

Os agentes químicos e físicos que podem originar uma conjuntivite são muito diversos: corpos estranhos, fumos, gases irritantes, raios ultravioleta, calor intenso, produtos cáusticos, etc. Para além disso, existem alguns defeitos visuais, como a miopia ou a hipermetropia, que podem originar, caso não sejam devidamente tratados, um esforço excessivo do aparelho ocular e, consequentemente, provocar uma inflamação da conjuntiva.

Manifestações

A conjuntivite costuma ter uma evolução aguda e, embora esta seja diferente consoante a causa, provoca quase sempre o mesmo tipo de sinais e sintomas.

O sinal mais evidente corresponde a uma vermelhidão na parte branca do olho provocada pela dilatação dos vasos sanguíneos da conjuntiva e, por vezes, acompanhada de uma tumefacção que costuma rodear a córnea (quemose). As pálpebras também tendem a ficar vermelhas e tumefactas, tanto na sua face interna como nas extremidades.

Para além disso, costumam surgir sensações incómodas de diversa intensidade, como a impressão de ter areia nos olhos ou prurido e, até mesmo, dor.

É muito comum a produção de secreções, cujas características variam consoante a causa do problema: em caso de conjuntivite alérgica, surge uma secreção aquosa e transparente, enquanto que nas conjuntivites bacterianas a secreção é mucopurulenta, amarelada e tão espessa que se pega de tal forma às pálpebras que a sua separação é, por vezes, muito difícil.

Caso a inflamação seja intensa, costuma provocar fotofobia, ou seja, intolerância ou incómodo devido à luz, por vezes acompanhada por um espasmo dos músculos das pálpebras, que dificulta a abertura dos olhos.

Por último, também costuma provocar um certo lacrimejar, sobretudo nas conjuntivites alérgicas.

Evolução e tratamento

A conjuntivite bacteriana evidencia-se algumas horas após o contágio e, normalmente, afecta ambos os olhos. A inflamação é particularmente intensa ao fim de três a seis dias e a sua cura costuma levar entre dez dias a duas semanas.

A conjuntivite viral tem uma evolução específica de acordo com o microorganismo causador. Por vezes, a inflamação da conjuntiva apenas constitui uma manifestação de uma infecção viral geral, como a gripe, a rubéola ou o sarampo; neste caso, a evolução da conjuntivite acompanha a evolução da patologia desencadeadora. Noutros casos, a inflamação é provocada por vírus que atacam o olho de forma específica, provocando epidemias de conjuntivite, habitualmente de evolução curta e benigna. O tratamento baseia-se na utilização de medicamentos antivirais, de eficácia inconstante, por vezes acompanhados de antibióticos, para prevenir uma possível infecção bacteriana.

A conjuntivite alérgica costuma manifestar-se, sobretudo, ao longo da época de polinização da planta responsável. O seu tratamento consiste na prescrição de anti-histamínicos e, por vezes, anti-inflamatórios do tipo corticóides, desde que previamente já se tenha eliminado uma possível infecção; caso contrário, esta poderia agravar-se.

Tendo em conta que a conjuntivite provocada por agentes químicos ou físicos costuma evoluir favoravelmente e curar-se de forma espontânea ao fim de alguns dias, não necessita de tratamento, a menos que surjam complicações.

Comentários

Artigos populares

Tubos para coleta de sangue

Os tubos de coleta de sangue são estéreis, feitos de vidro ou plástico e alguns possuem vácuo. Comumente utilizados em punções venosas, eles são projetados para a coleta, transporte e processamento das amostras.

O interior destes tubos pode ser revestido com anticoagulantes e as vedações preservam a integridade da amostra até a chegada ao laboratório. Embora não seja necessário ao coletor conhecer todos os detalhes sobre os procedimentos analíticos dos testes hematológicos, é essencial conhecer o tipo de amostra necessária para cada análise.


Tipo de Análise - Tipo de Amostra Bioquímica e Sorologia - Soro ou plasma Hematologia - Sangue total com EDTA Glicemia - Plasma com fluoreto de sódio Coagulação - Plasma com citrato de sódio
Tubos para coleta
A amostra deve ser coletada em tubos específicos para cada tipo de análise, sendo de extrema importância conhecê-los para a realização correta do exame. O material colhido em recipiente inadequado será rejeitado e descartado pelo laboratório p…

Conheça os principais meios de cultura

O crescimento dos microrganismos nos diferentes meios de cultura utilizados fornece as primeiras informações para a sua identificação. É importante conhecer o potencial de crescimento de cada meio de cultura e adequar ao perfil bacteriano esperado para cada material.


Alguns procedimentos são essenciais na hora da preparação de cada meio de cultura para a obtenção de melhores resultados e evitar contaminações, como nos diferentes casos: quando distribuir o meio antes de autoclavar, os tubos não precisam estar esterilizados; quando distribuir o meio após a autoclavação, os tubos, frascos, placas, pipetas e vidrarias ou materiais auxiliares obrigatoriamente devem ser estéreis e os meios devem ser autoclavados com as tampas semi-abertas, para que a esterilização seja por igual em todo o conteúdo dos tubos - tampas fechadas não permitem a entrada do vapor.

Ágar nutriente (AN)

Meio relativamente simples, de fácil preparo e barato, muito usado nos procedimentos do laboratório de microbiologi…

Vírus Epstein-Barr

O vírus Epstein-Barr, frequentemente referido como EBV, é um membro da família dos herpesvírus e um dos mais comuns nos humanos. O vírus ocorre em todo o mundo, e a maioria das pessoas é infectada com EBV em algum momento durante suas vidas.


Crianças tornam-se suscetíveis ao EBV tão logo a proteção de anticorpos maternos (presente no nascimento) desaparece. Muitas crianças são infectadas com EBV, e essas infecções geralmente não causam sintomas ou são indistinguíveis. Nos países desenvolvidos, muitas pessoas não estão infectadas com EBV na infância. Quando a infecção com EBV ocorre durante a adolescência ou na idade adulta jovem, provoca a mononucleose infecciosa em 35% a 50% dos casos.

Os sintomas da mononucleose infecciosa são febre, dor de garganta e aumento dos gânglios linfáticos. Às vezes, há o envolvimento do fígado e do baço. Problemas cardíacos ou envolvimento do sistema nervoso central ocorrem raramente, e a mononucleose infecciosa quase nunca é fatal. Não há associações co…