Patologia

Conjuntivite

Causas

A conjuntiva é uma membrana mucosa, cuja principal função é proteger o olho do meio ambiente, o que justifica o facto de responder a qualquer tipo de agressão externa com uma reacção defensiva inflamatória. As possíveis causas de conjuntivite são muito variadas.

A origem mais comum de conjuntivite consiste numa infecção, provocada por diversos tipos de agentes patogénicos, sobretudo bactérias, mas também vírus e, com menor frequência, fungos. O contágio pode ser provocado por contacto directo ou mediado por qualquer tipo de elemento contaminado, como toalhas ou lenços. Para além disso, tendo em conta que, em alguns casos, é o próprio paciente a transmitir a infecção do olho primeiramente afectado para o outro, é muito comum que ambos sejam afectados.

Existem determinadas alergias que podem igualmente provocar uma inflamação da conjuntiva. Neste caso, trata-se de uma resposta anómala do sistema imunitário em pessoas particularmente sensíveis após o contacto com substâncias que, na verdade, são inofensivas: pólen, partículas suspensas no pó doméstico, cosméticos, etc. A alergia ao pólen provoca, muitas vezes, uma inflamação simultânea da conjuntiva e do nariz, denominada rinoconjuntivite ou febre dos fenos.

Os agentes químicos e físicos que podem originar uma conjuntivite são muito diversos: corpos estranhos, fumos, gases irritantes, raios ultravioleta, calor intenso, produtos cáusticos, etc. Para além disso, existem alguns defeitos visuais, como a miopia ou a hipermetropia, que podem originar, caso não sejam devidamente tratados, um esforço excessivo do aparelho ocular e, consequentemente, provocar uma inflamação da conjuntiva.

Manifestações

A conjuntivite costuma ter uma evolução aguda e, embora esta seja diferente consoante a causa, provoca quase sempre o mesmo tipo de sinais e sintomas.

O sinal mais evidente corresponde a uma vermelhidão na parte branca do olho provocada pela dilatação dos vasos sanguíneos da conjuntiva e, por vezes, acompanhada de uma tumefacção que costuma rodear a córnea (quemose). As pálpebras também tendem a ficar vermelhas e tumefactas, tanto na sua face interna como nas extremidades.

Para além disso, costumam surgir sensações incómodas de diversa intensidade, como a impressão de ter areia nos olhos ou prurido e, até mesmo, dor.

É muito comum a produção de secreções, cujas características variam consoante a causa do problema: em caso de conjuntivite alérgica, surge uma secreção aquosa e transparente, enquanto que nas conjuntivites bacterianas a secreção é mucopurulenta, amarelada e tão espessa que se pega de tal forma às pálpebras que a sua separação é, por vezes, muito difícil.

Caso a inflamação seja intensa, costuma provocar fotofobia, ou seja, intolerância ou incómodo devido à luz, por vezes acompanhada por um espasmo dos músculos das pálpebras, que dificulta a abertura dos olhos.

Por último, também costuma provocar um certo lacrimejar, sobretudo nas conjuntivites alérgicas.

Evolução e tratamento

A conjuntivite bacteriana evidencia-se algumas horas após o contágio e, normalmente, afecta ambos os olhos. A inflamação é particularmente intensa ao fim de três a seis dias e a sua cura costuma levar entre dez dias a duas semanas.

A conjuntivite viral tem uma evolução específica de acordo com o microorganismo causador. Por vezes, a inflamação da conjuntiva apenas constitui uma manifestação de uma infecção viral geral, como a gripe, a rubéola ou o sarampo; neste caso, a evolução da conjuntivite acompanha a evolução da patologia desencadeadora. Noutros casos, a inflamação é provocada por vírus que atacam o olho de forma específica, provocando epidemias de conjuntivite, habitualmente de evolução curta e benigna. O tratamento baseia-se na utilização de medicamentos antivirais, de eficácia inconstante, por vezes acompanhados de antibióticos, para prevenir uma possível infecção bacteriana.

A conjuntivite alérgica costuma manifestar-se, sobretudo, ao longo da época de polinização da planta responsável. O seu tratamento consiste na prescrição de anti-histamínicos e, por vezes, anti-inflamatórios do tipo corticóides, desde que previamente já se tenha eliminado uma possível infecção; caso contrário, esta poderia agravar-se.

Tendo em conta que a conjuntivite provocada por agentes químicos ou físicos costuma evoluir favoravelmente e curar-se de forma espontânea ao fim de alguns dias, não necessita de tratamento, a menos que surjam complicações.

Artigo por: Rafael Fernandes

Os artigos do blog são destinados a estudantes, profissionais e pessoas que se interessam pela biomedicina e demais áreas da saúde. O conteúdo não visa substituir as orientações de um médico, portanto não deve ser utilizado para autodiagnóstico ou automedicação.

Licença Creative Commons
Esta publicação está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional. Não é permitido duplicar, copiar ou reproduzir qualquer parte sem autorização prévia.

0 comentários:

Postar um comentário

2007-2016. Biomedicina Brasil. Tecnologia do Blogger.