Pular para o conteúdo principal

Como você usa seu cérebro?

Muitas pessoas acreditam que nós só usamos uma pequena fração do nosso cérebro, digamos, 20% de nossa capacidade real. Algumas pessoas até afirmam que são capazes de usar mais o cérebro do que outros, o que lhes confere poderes psíquicos.
Será que isso existe? Um novo filme, “Limitless” (em português, “Sem limites”), conta a história ficcional de uma escritora que toma uma droga experimental que lhe permite utilizar 100% de seu cérebro, adquirindo uma memória e concentração sobre-humanas, além de outras habilidades fantásticas.
Como o enredo sugere, quem sabe do que seríamos capazes se usássemos os 80 ou 90% do nosso cérebro que estão sendo desperdiçados? Isso só o filme vai saber mesmo. Porque, na vida real, isso não passa de baboseira.
Pois é, a boa (ou má) notícia é que você já está usando 100% do seu cérebro. Não há velocidade superior ou grande potencial que você ainda não tenha acesso. Muitas pesquisas mostram claramente que o cérebro inteiro já está empenhado. Não há peças “livres” ou “inacessíveis”. Na realidade, especialistas comentam que até mesmo simples tarefas geralmente exigem contribuições de áreas de processamento espalhadas por praticamente todo o cérebro.
É verdade que alguns produtos químicos ou drogas podem aumentar a capacidade do cérebro de lembrar, de processar informações, ou estar alerta, como qualquer bebedor de café ou energético já sabe. Aliás, se esse mito fosse verdade, sugeriria que a maior parte do cérebro é desnecessária ou irrelevante. Quando alguém fosse baleado na cabeça, ao invés de nunca mais se recuperar, ouviríamos seus médicos dizerem: “Felizmente, a bala só danificou os 80% do cérebro que ele não usava”.
O roteirista de “Sem Limites” não deve se sentir mal, entretanto. O cinema está perdoado. Até porque, mesmo o brilhante filme “A origem” (“Inception”) incluía um personagem dizendo: “Nós todos usamos apenas uma fração do potencial do nosso cérebro”.
Live Science

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tubos para coleta de sangue

Os tubos de coleta de sangue são estéreis, feitos de vidro ou plástico e alguns possuem vácuo. Comumente utilizados em punções venosas, eles são projetados para a coleta, transporte e processamento das amostras.

O interior destes tubos pode ser revestido com anticoagulantes e as vedações preservam a integridade da amostra até a chegada ao laboratório. Embora não seja necessário ao coletor conhecer todos os detalhes sobre os procedimentos analíticos dos testes hematológicos, é essencial conhecer o tipo de amostra necessária para cada análise.


Tipo de Análise - Tipo de Amostra Bioquímica e Sorologia - Soro ou plasma Hematologia - Sangue total com EDTA Glicemia - Plasma com fluoreto de sódio Coagulação - Plasma com citrato de sódio
Tubos para coleta
A amostra deve ser coletada em tubos específicos para cada tipo de análise, sendo de extrema importância conhecê-los para a realização correta do exame. O material colhido em recipiente inadequado será rejeitado e descartado pelo laboratório p…

Conheça os principais meios de cultura

O crescimento dos microrganismos nos diferentes meios de cultura utilizados fornece as primeiras informações para a sua identificação. É importante conhecer o potencial de crescimento de cada meio de cultura e adequar ao perfil bacteriano esperado para cada material.


Alguns procedimentos são essenciais na hora da preparação de cada meio de cultura para a obtenção de melhores resultados e evitar contaminações, como nos diferentes casos: quando distribuir o meio antes de autoclavar, os tubos não precisam estar esterilizados; quando distribuir o meio após a autoclavação, os tubos, frascos, placas, pipetas e vidrarias ou materiais auxiliares obrigatoriamente devem ser estéreis e os meios devem ser autoclavados com as tampas semi-abertas, para que a esterilização seja por igual em todo o conteúdo dos tubos - tampas fechadas não permitem a entrada do vapor.

Ágar nutriente (AN)

Meio relativamente simples, de fácil preparo e barato, muito usado nos procedimentos do laboratório de microbiologi…

Vírus Epstein-Barr

O vírus Epstein-Barr, frequentemente referido como EBV, é um membro da família dos herpesvírus e um dos mais comuns nos humanos. O vírus ocorre em todo o mundo, e a maioria das pessoas é infectada com EBV em algum momento durante suas vidas.


Crianças tornam-se suscetíveis ao EBV tão logo a proteção de anticorpos maternos (presente no nascimento) desaparece. Muitas crianças são infectadas com EBV, e essas infecções geralmente não causam sintomas ou são indistinguíveis. Nos países desenvolvidos, muitas pessoas não estão infectadas com EBV na infância. Quando a infecção com EBV ocorre durante a adolescência ou na idade adulta jovem, provoca a mononucleose infecciosa em 35% a 50% dos casos.

Os sintomas da mononucleose infecciosa são febre, dor de garganta e aumento dos gânglios linfáticos. Às vezes, há o envolvimento do fígado e do baço. Problemas cardíacos ou envolvimento do sistema nervoso central ocorrem raramente, e a mononucleose infecciosa quase nunca é fatal. Não há associações co…