Fisiologia

Como você usa seu cérebro?

Muitas pessoas acreditam que nós só usamos uma pequena fração do nosso cérebro, digamos, 20% de nossa capacidade real. Algumas pessoas até afirmam que são capazes de usar mais o cérebro do que outros, o que lhes confere poderes psíquicos.
Será que isso existe? Um novo filme, “Limitless” (em português, “Sem limites”), conta a história ficcional de uma escritora que toma uma droga experimental que lhe permite utilizar 100% de seu cérebro, adquirindo uma memória e concentração sobre-humanas, além de outras habilidades fantásticas.
Como o enredo sugere, quem sabe do que seríamos capazes se usássemos os 80 ou 90% do nosso cérebro que estão sendo desperdiçados? Isso só o filme vai saber mesmo. Porque, na vida real, isso não passa de baboseira.
Pois é, a boa (ou má) notícia é que você já está usando 100% do seu cérebro. Não há velocidade superior ou grande potencial que você ainda não tenha acesso. Muitas pesquisas mostram claramente que o cérebro inteiro já está empenhado. Não há peças “livres” ou “inacessíveis”. Na realidade, especialistas comentam que até mesmo simples tarefas geralmente exigem contribuições de áreas de processamento espalhadas por praticamente todo o cérebro.
É verdade que alguns produtos químicos ou drogas podem aumentar a capacidade do cérebro de lembrar, de processar informações, ou estar alerta, como qualquer bebedor de café ou energético já sabe. Aliás, se esse mito fosse verdade, sugeriria que a maior parte do cérebro é desnecessária ou irrelevante. Quando alguém fosse baleado na cabeça, ao invés de nunca mais se recuperar, ouviríamos seus médicos dizerem: “Felizmente, a bala só danificou os 80% do cérebro que ele não usava”.
O roteirista de “Sem Limites” não deve se sentir mal, entretanto. O cinema está perdoado. Até porque, mesmo o brilhante filme “A origem” (“Inception”) incluía um personagem dizendo: “Nós todos usamos apenas uma fração do potencial do nosso cérebro”.
Live Science

Artigo por: Raphael Gonçalves Nicésio

Os artigos do blog são destinados a estudantes, profissionais e pessoas que se interessam pela biomedicina e demais áreas da saúde. O conteúdo não visa substituir as orientações de um médico, portanto não deve ser utilizado para autodiagnóstico ou automedicação.

Licença Creative Commons
Esta publicação está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional. Não é permitido duplicar, copiar ou reproduzir qualquer parte sem autorização prévia.

0 comentários:

Postar um comentário

2007-2016. Biomedicina Brasil. Tecnologia do Blogger.