Pular para o conteúdo principal

Combate ao mieloma

Estudo dos genes é essencial.
O mieloma é um câncer que se desenvolve na medula óssea, devido ao crescimento descontrolado de células plasmáticas. Para entender um pouco melhor o que causaria o desenvolvimento da doença, cientistas mapearam o código genético de 38 pessoas com mieloma múltiplo e acabaram descobrindo genes que podem contribuir com a causa do problema. Estudar a os genes de tantas pessoas com câncer ajudou os pesquisadores a ter uma compreensão melhor sobre a doença e pode ajudar a indústria farmacêutica a criar droga mais competentes para combatê-la.
“Se compararmos o genoma do tumor ao genoma normal, isso nos dá boas pistas sobre o que faz uma célula sadia se transformar em uma célula cancerígena”, disse um dos líderes do estudo, Todd Golub. Ele disse que as descobertas revelam muitos caminhos para futuros tratamentos, incluindo diversos genes que nunca haviam sido ligados ao câncer. “Nós temos um número grande de exemplos de genes que nunca desconfiamos ter influência, mas que, na verdade, são importantes. Isto muda a direção dos estudos deste campo para lugares que nunca antecipamos”.
Os resultados sugeriram que 4% dos pacientes com mieloma múltiplo tem mutações no gene BRAF, a mesma mutação descoberta em pessoas que desenvolveram o câncer de pele melanoma. Estes pacientes tem uma resposta positiva a uma droga experimental desenvolvida pelo laboratório Roche e uma chamada Plexxikon, da empresa farmacêutica Daiichi Sankyo. Espera-se que estes medicamentos podem ajudar os pacientes com mieloma. “A próxima etapa será explorar esta hipótese em testes clínicos”, afirma Golub.
A Fundação de Pesquisas em Mieloma Múltiplo, dos EUA, saudou o estudo como “um passo a frente” nos esforços para o tratamento deste tipo de câncer que começa nas células do tutano do osso. Golub dá os créditos à nova tecnologia de sequenciamento genético que não era possível há cinco anos. “É um avanço muito positivo que vai proporcionar ao campo enxergar muitas coisas que antes não seriam possíveis imaginar”, disse ele. “Daqui a cinco anos, nós teremos mapeado todo o cenário dos cânceres comuns aos seres humanos”.
Reuters

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tubos para coleta de sangue

Os tubos de coleta de sangue são estéreis, feitos de vidro ou plástico e alguns possuem vácuo. Comumente utilizados em punções venosas, eles são projetados para a coleta, transporte e processamento das amostras.

O interior destes tubos pode ser revestido com anticoagulantes e as vedações preservam a integridade da amostra até a chegada ao laboratório. Embora não seja necessário ao coletor conhecer todos os detalhes sobre os procedimentos analíticos dos testes hematológicos, é essencial conhecer o tipo de amostra necessária para cada análise.


Tipo de Análise - Tipo de Amostra Bioquímica e Sorologia - Soro ou plasma Hematologia - Sangue total com EDTA Glicemia - Plasma com fluoreto de sódio Coagulação - Plasma com citrato de sódio
Tubos para coleta
A amostra deve ser coletada em tubos específicos para cada tipo de análise, sendo de extrema importância conhecê-los para a realização correta do exame. O material colhido em recipiente inadequado será rejeitado e descartado pelo laboratório p…

Conheça os principais meios de cultura

O crescimento dos microrganismos nos diferentes meios de cultura utilizados fornece as primeiras informações para a sua identificação. É importante conhecer o potencial de crescimento de cada meio de cultura e adequar ao perfil bacteriano esperado para cada material.


Alguns procedimentos são essenciais na hora da preparação de cada meio de cultura para a obtenção de melhores resultados e evitar contaminações, como nos diferentes casos: quando distribuir o meio antes de autoclavar, os tubos não precisam estar esterilizados; quando distribuir o meio após a autoclavação, os tubos, frascos, placas, pipetas e vidrarias ou materiais auxiliares obrigatoriamente devem ser estéreis e os meios devem ser autoclavados com as tampas semi-abertas, para que a esterilização seja por igual em todo o conteúdo dos tubos - tampas fechadas não permitem a entrada do vapor.

Ágar nutriente (AN)

Meio relativamente simples, de fácil preparo e barato, muito usado nos procedimentos do laboratório de microbiologi…

Vírus Epstein-Barr

O vírus Epstein-Barr, frequentemente referido como EBV, é um membro da família dos herpesvírus e um dos mais comuns nos humanos. O vírus ocorre em todo o mundo, e a maioria das pessoas é infectada com EBV em algum momento durante suas vidas.


Crianças tornam-se suscetíveis ao EBV tão logo a proteção de anticorpos maternos (presente no nascimento) desaparece. Muitas crianças são infectadas com EBV, e essas infecções geralmente não causam sintomas ou são indistinguíveis. Nos países desenvolvidos, muitas pessoas não estão infectadas com EBV na infância. Quando a infecção com EBV ocorre durante a adolescência ou na idade adulta jovem, provoca a mononucleose infecciosa em 35% a 50% dos casos.

Os sintomas da mononucleose infecciosa são febre, dor de garganta e aumento dos gânglios linfáticos. Às vezes, há o envolvimento do fígado e do baço. Problemas cardíacos ou envolvimento do sistema nervoso central ocorrem raramente, e a mononucleose infecciosa quase nunca é fatal. Não há associações co…