Tecnologia

Nascem primeiros bebês por meio da fertilização de contagem cromossômica

Procedimento traz esperança a muitos casais que lutam para ter um filho e que já passaram por muitos ciclos de FIV

Após dez anos de tentativa, um casal britânico concebeu os primeiros bebês fecundados a partir de uma nova técnica de fertilização in vitro (FIV), que utiliza a contagem cromossômica para selecionar os melhores embriões.

O procedimento foi desenvolvido por pesquisadores da Universidade de Oxford, no Reino Unido e pode trazer esperança a muitos casais que lutam para ter um filho e que já passaram por muitos ciclos de FIV.

George e Helen Ashton formam o primeiro casal a ter filhos no Reino Unido por meio da técnica chamada microarray CGH. Os pequenos Alex e Louis nasceram em novembro de 2010.

O procedimento permite que os embriões possam ser verificados para o número certo de cromossomos antes da implantação em um tratamento de fertilização in vitro, diminuindo as chances de aborto espontâneo ou síndrome de Down.

A técnica

A estratégia de aplicar microarray CGH, ou hibridação genômica comparativa, a embriões de cinco dias de idade, ou “blastocisto”, foi desenvolvida pelos doutores Dagan Wells e Elpida Fragouli, de Oxford.

“Se um espermatozóide e um óvulo se unem e produzem um embrião com o número errado de cromossomos, o embrião geralmente não consegue estabelecer uma gravidez, levando ao aborto”, explica o doutor Wells, do Departamento de Obstetrícia e Ginecologia.

Tal como acontece com o tratamento de FIV de rotina, vários óvulos são produzidos e fertilizados. Cinco dias depois, no estágio de blastocisto, um pequeno número de células é retirado do embrião em crescimento e o microarray CGH é usado para verificar se há alterações significativas presentes nos cromossomos. Com efeito, ele examina o DNA embalado em cromossomos das células. Os resultados estão disponíveis 24 horas depois.

Com base nessas informações, é possível se certificar de que os embriões apenas com o número correto de cromossomos serão transferidos na fertilização in vitro, melhorando as taxas de gravidez.

Em um estudo ainda em andamento, doutor Wells e colaboradores revelaram que as taxas de gravidez após o teste do cromossomo foram aumentadas em mais de 50% em um grupo de 200 pacientes norte-americanas em tratamento de fertilização in vitro. Outros estudos pelo grupo da Universidade de Oxford mostraram que o microarray CGH tem uma precisão superior a 95% para a detecção de embriões anormais.

“O método que nós desenvolvemos permite-nos identificar que os embriões têm o número correto de cromossomos. Esses embriões devem ter a melhor chance de produzir um bebê e com o menor chances de abortar ou ter síndrome de Down”, concluiu doutor Wells.

Fonte: isaude.net

Artigo por: Rafael Fernandes

Os artigos do blog são destinados a estudantes, profissionais e pessoas que se interessam pela biomedicina e demais áreas da saúde. O conteúdo não visa substituir as orientações de um médico, portanto não deve ser utilizado para autodiagnóstico ou automedicação.

Licença Creative Commons
Esta publicação está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional. Não é permitido duplicar, copiar ou reproduzir qualquer parte sem autorização prévia.

0 comentários:

Postar um comentário

2007-2016. Biomedicina Brasil. Tecnologia do Blogger.