Pular para o conteúdo principal

Alergia de crianças ligada à deficiência de vitamina D

Crianças com deficiência de vitamina D são mais propensas a ter tanto alergias alimentares quanto alergias ao ar livre, diz estudo. 
Crianças com níveis baixos de vitamina D tiveram 2,3 vezes mais chances de ter alergias a carvalho e 2,4 vezes mais probabilidade de serem alérgicas a amendoim do que as crianças com níveis suficientes de vitamina, mostrou o estudo. Casos de alergia a ambrósia, cães, baratas, camarão e sete outros alérgenos são mais comumente vistos em crianças com deficiência de vitamina D, ou seja, os testes mostraram que tinham menos de 15 nanogramas de vitamina D por mililitro de sangue, ao contrário das crianças com número suficiente da vitamina (mais de 30 nanogramas de vitamina D por mililitro de sangue).
Nos EUA, o número de pessoas com deficiência de vitamina D e o número de pessoas com alergias são crescentes, segundo o estudo. "Este estudo sugere que estes dois fenômenos podem estar ligados", concluíram os pesquisadores. 
Acredita-se que a vitamina D tenha efeitos anti-inflamatórios no corpo, que podem desempenhar um papel na ligação, exibe o estudo. 
Uma pesquisa anterior mostrou que o número de pessoas que visitam salas de emergência devido a reações alérgicas agudas de alimentos aumenta no inverno. Os níveis de vitamina D tendem a serem menores no inverno, porque as células da pele precisam de luz solar para produzir vitamina D ativa de outros compostos no corpo.
O estudo foi baseado em uma amostra nacionalmente representativa de 3.136 crianças e adolescentes que participaram do National Health and Nutrition Examination Survey. Os pesquisadores mediram os níveis de vitamina D no sangue e fizeram entrevistas e exames físicos. Também estudaram 3.454 adultos, mas não encontraram associação entre os níveis de vitamina D e alergias nesse grupo. 
Este estudo mostra apenas uma associação, e não prova que a deficiência de vitamina D provoca alergias em crianças, disse o pesquisador Dr. Michal Melamed, professor assistente de medicina e de epidemiologia e saúde da população no Albert Einstein College of Medicine, em Nova York. Mas as crianças certamente devem consumir quantidades adequadas da vitamina, disse. "As últimas recomendações dietéticas para as crianças tomarem 600 UI de vitamina D por dia pode mantê-los deficientes em vitamina D", completa Melamed. 
Outras pesquisas têm sugerido uma ligação semelhante. Um estudo de 2010, no Journal of Clinical Investigation mostrou que a vitamina D reduziu a produção de proteínas relacionadas com as alergias do modelos. Outro estudo de 2010 por pesquisadores do Massachusetts General Hospital em Boston, descobriram que os níveis baixos de vitamina D estão associados com um aumento do risco de infecções respiratórias. O novo estudo foi publicado online no volume 17 de fevereiro do Journal of Allergy and Clinical Immunology.

Live Science

Comentários

Artigos populares

Tubos para coleta de sangue

Os tubos de coleta de sangue são estéreis, feitos de vidro ou plástico e alguns possuem vácuo. Comumente utilizados em punções venosas, eles são projetados para a coleta, transporte e processamento das amostras.

O interior destes tubos pode ser revestido com anticoagulantes e as vedações preservam a integridade da amostra até a chegada ao laboratório. Embora não seja necessário ao coletor conhecer todos os detalhes sobre os procedimentos analíticos dos testes hematológicos, é essencial conhecer o tipo de amostra necessária para cada análise.


Tipo de Análise - Tipo de Amostra Bioquímica e Sorologia - Soro ou plasma Hematologia - Sangue total com EDTA Glicemia - Plasma com fluoreto de sódio Coagulação - Plasma com citrato de sódio
Tubos para coleta
A amostra deve ser coletada em tubos específicos para cada tipo de análise, sendo de extrema importância conhecê-los para a realização correta do exame. O material colhido em recipiente inadequado será rejeitado e descartado pelo laboratório p…

Conheça os principais meios de cultura

O crescimento dos microrganismos nos diferentes meios de cultura utilizados fornece as primeiras informações para a sua identificação. É importante conhecer o potencial de crescimento de cada meio de cultura e adequar ao perfil bacteriano esperado para cada material.


Alguns procedimentos são essenciais na hora da preparação de cada meio de cultura para a obtenção de melhores resultados e evitar contaminações, como nos diferentes casos: quando distribuir o meio antes de autoclavar, os tubos não precisam estar esterilizados; quando distribuir o meio após a autoclavação, os tubos, frascos, placas, pipetas e vidrarias ou materiais auxiliares obrigatoriamente devem ser estéreis e os meios devem ser autoclavados com as tampas semi-abertas, para que a esterilização seja por igual em todo o conteúdo dos tubos - tampas fechadas não permitem a entrada do vapor.

Ágar nutriente (AN)

Meio relativamente simples, de fácil preparo e barato, muito usado nos procedimentos do laboratório de microbiologi…

Vírus Epstein-Barr

O vírus Epstein-Barr, frequentemente referido como EBV, é um membro da família dos herpesvírus e um dos mais comuns nos humanos. O vírus ocorre em todo o mundo, e a maioria das pessoas é infectada com EBV em algum momento durante suas vidas.


Crianças tornam-se suscetíveis ao EBV tão logo a proteção de anticorpos maternos (presente no nascimento) desaparece. Muitas crianças são infectadas com EBV, e essas infecções geralmente não causam sintomas ou são indistinguíveis. Nos países desenvolvidos, muitas pessoas não estão infectadas com EBV na infância. Quando a infecção com EBV ocorre durante a adolescência ou na idade adulta jovem, provoca a mononucleose infecciosa em 35% a 50% dos casos.

Os sintomas da mononucleose infecciosa são febre, dor de garganta e aumento dos gânglios linfáticos. Às vezes, há o envolvimento do fígado e do baço. Problemas cardíacos ou envolvimento do sistema nervoso central ocorrem raramente, e a mononucleose infecciosa quase nunca é fatal. Não há associações co…