Epidemiologia

Alergia de crianças ligada à deficiência de vitamina D

Crianças com deficiência de vitamina D são mais propensas a ter tanto alergias alimentares quanto alergias ao ar livre, diz estudo. 
Crianças com níveis baixos de vitamina D tiveram 2,3 vezes mais chances de ter alergias a carvalho e 2,4 vezes mais probabilidade de serem alérgicas a amendoim do que as crianças com níveis suficientes de vitamina, mostrou o estudo. Casos de alergia a ambrósia, cães, baratas, camarão e sete outros alérgenos são mais comumente vistos em crianças com deficiência de vitamina D, ou seja, os testes mostraram que tinham menos de 15 nanogramas de vitamina D por mililitro de sangue, ao contrário das crianças com número suficiente da vitamina (mais de 30 nanogramas de vitamina D por mililitro de sangue).
Nos EUA, o número de pessoas com deficiência de vitamina D e o número de pessoas com alergias são crescentes, segundo o estudo. "Este estudo sugere que estes dois fenômenos podem estar ligados", concluíram os pesquisadores. 
Acredita-se que a vitamina D tenha efeitos anti-inflamatórios no corpo, que podem desempenhar um papel na ligação, exibe o estudo. 
Uma pesquisa anterior mostrou que o número de pessoas que visitam salas de emergência devido a reações alérgicas agudas de alimentos aumenta no inverno. Os níveis de vitamina D tendem a serem menores no inverno, porque as células da pele precisam de luz solar para produzir vitamina D ativa de outros compostos no corpo.
O estudo foi baseado em uma amostra nacionalmente representativa de 3.136 crianças e adolescentes que participaram do National Health and Nutrition Examination Survey. Os pesquisadores mediram os níveis de vitamina D no sangue e fizeram entrevistas e exames físicos. Também estudaram 3.454 adultos, mas não encontraram associação entre os níveis de vitamina D e alergias nesse grupo. 
Este estudo mostra apenas uma associação, e não prova que a deficiência de vitamina D provoca alergias em crianças, disse o pesquisador Dr. Michal Melamed, professor assistente de medicina e de epidemiologia e saúde da população no Albert Einstein College of Medicine, em Nova York. Mas as crianças certamente devem consumir quantidades adequadas da vitamina, disse. "As últimas recomendações dietéticas para as crianças tomarem 600 UI de vitamina D por dia pode mantê-los deficientes em vitamina D", completa Melamed. 
Outras pesquisas têm sugerido uma ligação semelhante. Um estudo de 2010, no Journal of Clinical Investigation mostrou que a vitamina D reduziu a produção de proteínas relacionadas com as alergias do modelos. Outro estudo de 2010 por pesquisadores do Massachusetts General Hospital em Boston, descobriram que os níveis baixos de vitamina D estão associados com um aumento do risco de infecções respiratórias. O novo estudo foi publicado online no volume 17 de fevereiro do Journal of Allergy and Clinical Immunology.

Live Science

Artigo por: Raphael Gonçalves Nicésio

Os artigos do blog são destinados a estudantes, profissionais e pessoas que se interessam pela biomedicina e demais áreas da saúde. O conteúdo não visa substituir as orientações de um médico, portanto não deve ser utilizado para autodiagnóstico ou automedicação.

Licença Creative Commons
Esta publicação está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional. Não é permitido duplicar, copiar ou reproduzir qualquer parte sem autorização prévia.

0 comentários:

Postar um comentário

2007-2016. Biomedicina Brasil. Tecnologia do Blogger.