Histologia

Microscopia

O microscópio é um instrumento que permite a observação de pequenos seres ou estruturas não perceptíveis a olho nu. Há vários tipos de microscópios: simples ou lupa (ampliação até 600 x), óptico ou composto (ampliação até 2000 x), eletrônico (ampliação até 2.000.000 x) e protônico (ampliação até 1.000.000 x). O aumento de um microscópio é calculado através da multiplicação da lente ocular pelo aumento da lente objetiva. O microscópio mais usado nos laboratórios é o óptico. Ele consta basicamente de uma parte mecânica, uma parte óptica e um sistema de iluminação.

Partes do microscópio


é feito de ligas de metais pesados para impedir que o aparelho tombe.
Estativo haste ou suporte que se articula com o pé, sustenta o tubo, a platina, o condensador, o aparelho e os mecanismos macro-micrométricos.
Platina ou mesa de forma redonda ou retangular, é fixa, móvel ou giratória no plano horizontal ou então apresenta uma parte inferior fixa ao estativo e outra superior, deslizante. As platinas fixas geralmente compensam sua imobilidade por meio de peças deslizantes, chamadas "charriot". Entre as garras do último se encaixa a lâmina com o material a ser estudado: pode ser deslocado para frente, para trás, à direita ou esquerda, sempre no mesmo plano, por meio de cremalheiras laterais. No centro há uma abertura para a passagem dos raios luminosos, coletados pelo espelho, e dirigidos pelo condensador e o diafragma sobre a preparação entre lâmina e a lamínula, projetando através do tubo e da ocular até a retina do observador.
Tubo no microscópio monocular o tubo representa um cilindro metálico, com um encaixe posterior, da precisão para sua adaptação a outro encaixe, porém de corte investido na cremalheira.
Dispositivos macro e micrométrico entre o tubo e o estativo há uma peça deslizante em sentido vertical, acionada  por dois tipos de "botões", os macrométricos e micrométricos. Com o mecanismo macrométrico obtém-se focalização ótica grosseira da peça a ser examinada, enquanto que, com o dispositivo micrométrico obtém-se deslocamentos do tubo até de dois milésimos de milímetro ou menos, dando desta forma nitidez à imagem.
Revólver é colocado na extremidade inferior do tubo nos modelos mais antigos ou dos dispositivos macro e micrométricos nos instrumentos modernos de tubo bipartido. É munido de 3 ou 4 vãos circulares, providos de matrizes para roscas. Nestas matrizes se enroscam as 3 ou 4 objetivas, sempre na ordem de seu aumento progressivo. Basta, então, durante os trabalhos microscópicos, fazer girar mecanismos de câmbio de objetivas ou revólver em um só sentido, para obter-se aumentos sucessivos ou vice-versa, já focalizados, pelo menos, macrometricamente.

Óticas

Oculares são encaixadas nas extremidades superiores do tubo. Podem ser retiradas e substituídas facilmente segundo a necessidade do momento. É importante saber que as oculares ampliam apenas a imagem formada pela objetiva. Não tornam mais nítidas as estruturas do objeto a ser estudado. Seria ilógico, portanto, empregarem-se nos trabalhos microscópicos objetivas de pouco aumento próprio e oculares de grande poder de ampliação. Também não se pode aconselhar o uso simultâneo de objetivas e oculares de forte aumento. O campo visual seria pouco nítido nas estruturas das células. Por exemplo, se apresentariam “apagadas”, quase não haveria luminosidade e o campo ótico seria mínimo. No estudo geral das células ou dos tecidos e no controle dos processos de coloração e diferenciação dos cortes são suficientes oculares com aumento próprio pequeno ou médio. Há, assim, satisfatória nitidez das estruturas, campo visual grande e bem uniformemente iluminado. Na escolha das oculares para um microscópio há um princípio importante a se observar: as qualidades óticas das mesmas somente atingem seu grau máximo de aproveitamento quando estão combinadas com as objetivas certas.
Objetivas são sistemas óticos, construídos com 4, 6 ou mais lentes superpostas. Além de fornecerem uma imagem ampliada de um objeto qualquer, procuram corrigir também os defeitos cromáticos dos raios luminosos e de “esfericidade”. 
Condensador com diafragma o condensador está colocado por baixo da platina. Sua função é fornecer bastante luz.  Para tanto, é provido de um sistema de lentes convergentes, que concentram e jogam o maior número de feixes luminosos pela lente frontal da objetiva. É indispensável quando se empregam grandes aumentos. O condensador, idealizado por Abee e aperfeiçoado cada vez mais, permite ao pesquisador obter a iluminação desejável para cada caso. Há condensadores para o "campo claro" e contrastes de fases para campo escuro. No campo claro, a lente frontal é geralmente "desviável", o que permite iluminarem-se rapidamente grandes campos claros, quando os trabalhos são executados com aumentos pequenos. Todos os condensadores para o campo claro e contrastes de fases estão equipados com um diafragma do sistema íris, cuja abertura é regulável para perfeito ajuste a cada caso. Além disso, há uma cremalheira, que permite o afastamento total do diafragma. Fecha-se o diafragma quando se usa objetivas de pouco aumento, para eliminar os raios laterais. Abre-se o diafragma na medida em que se vão aumentando as ampliações.
Espelho é encaixado por baixo do condensador, em um vão do pé do microscópio. É redondo e articula-se entre duas laterais. Uma de suas faces é plana e a outra côncava. A primeira colhe e projeta os raios paralelos e divergentes e a segunda os convergentes. O espelho côncavo é usado nas ampliações pequenas; o plano, juntamente com o condensador, nas grandes e nas imersões.

Focalização

a) Procurar a objetiva de menor aumento.
b) Acertar a iluminação do microscópio de acordo com a objetiva a ser usada.
c) Observar por fora da ocular, ir movendo o canhão para baixo por meio do parafuso macrométrico até que a objetiva se aproxime o mais possível da lâmina sem tocar nela.
d) Observar através da ocular, girar o parafuso macrométrico em sentido inverso (elevando o canhão) até perceber o foco.
e) Dar nitidez à imagem com o parafuso micrométrico.

Cuidados

O equipamento não deve ficar exposto à luz ou ao calor.
Após o uso, limpar as objetivas com um papel próprio ou pano macio.
Para transportar o microscópio, segurá-lo pelo estativo e pela base. 
Girar o macrométrico e micrométrico somente quando houver real necessidade.

Prof. Arlindo Costa

Artigo por: Raphael Gonçalves Nicésio

Os artigos do blog são destinados a estudantes, profissionais e pessoas que se interessam pela biomedicina e demais áreas da saúde. O conteúdo não visa substituir as orientações de um médico, portanto não deve ser utilizado para autodiagnóstico ou automedicação.

Licença Creative Commons
Esta publicação está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional. Não é permitido duplicar, copiar ou reproduzir qualquer parte sem autorização prévia.

0 comentários:

Postar um comentário

2007-2016. Biomedicina Brasil. Tecnologia do Blogger.