Hematologia

Leucemia Mielóide Crônica

Doença Mieloproliferativa
- ESPLENOMEGALIA
- LEUCOCITOSE

Diagnóstico
- MIELOGRAMA
- EXAMES DE ROTINA

Principais Evidências
- PRESENÇA DO GENE BCR-ABL
- CROMOSSOMO PHILADELPHIA t(9;22)
 
Formas Clínicas
- FORMA CRÔNICA
- FORMA ACELERADA
- FORMA TERMINAL (BLÁSTICA)

Tratamento
- QUIMIOTERAPIA
- ALFA-INTERFERON
- TX-MEDULA ÓSSEA (CURATIVO)

Caso clínico
Paciente de 63 anos, safenectomizado há 3 anos, após episódio de infarto agudo do miocárdio,  fez consultas de acompanhamento periódicas com o cardiologista. Nos últimos 2 meses sentiu muita fadiga, canseira com pequenos esforços e dor pré-cordial do tipo anginosa. Realizou todos os exames cardiológicos, que se mostraram normais. Porém, o exame hematológico mostrou hemoglobina de 11 mg/dL e leucocitose de 35.000/mm³. Dentre os leucócitos, houve um aumento de neutrófilos, bastonetes, metamielócitos, eosinófilos e basófilos. A contagem de plaquetas foi de 450.000/mm³.
Diante do quadro, o cardiologista suspeitou de leucemia mielóide crônica e o encaminhou ao hematologista. Este, realizou um exame de biópsia da medula óssea (mielograma), que indicou hipercelularidade com granulócitos em diferentes estágios de maturação (bastonetes, metamielócitos, mielócitos, promielócitos e mieloblastos), aumento de eosinófios e basófilos. O exame citogenético detectou o cromossomo Philadélfia. Diante do quadro fechou-se o diagnóstico de leucemia mielóide crônica.


Fonte: BENNETT, J.C.; PLUM, F. Cecil: tratado de medicina interna.

Artigo por: Raphael Gonçalves Nicésio

Os artigos do blog são destinados a estudantes, profissionais e pessoas que se interessam pela biomedicina e demais áreas da saúde. O conteúdo não visa substituir as orientações de um médico, portanto não deve ser utilizado para autodiagnóstico ou automedicação.

Licença Creative Commons
Esta publicação está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional. Não é permitido duplicar, copiar ou reproduzir qualquer parte sem autorização prévia.

0 comentários:

Postar um comentário

2007-2016. Biomedicina Brasil. Tecnologia do Blogger.