Microbiologia

Estudo revela bactéria mutante resistente a antibióticos

Londres (Reino Unido) - Uma nova linhagem de bactéria que tem se espalhado rapidamente e vem se mostrando resistente à maioria dos antibióticos está deixando a comunidade médica de todo o mundo em alerta, anunciaram os cientistas num artigo publicado nesta quarta-feira na revista Lancet.
Turistas que viajaram ao sul da Ásia com o objetivo de fazer cirurgias estéticas levaram consigo para a Grã-Bretanha este novo tipo de bactéria mutante. As infecções hospitalares que já eram difíceis de ser tratadas tornaram-se ainda mais resistentes aos medicamentos em consequência de uma enzima descoberta recentemente e que deixa a bactéria muito resistente. A enzima chamada de NDM-1 foi identificada pela primeira vez ano passado pelo professor Timothy Walsh, da Universidade de Cardiff, em dois tipos de bactéria - Klebsiella pneumoniae e Escherichia coli - em um paciente sueco internado em um hospital da Índia.
As bactérias NDM-1 são resistentes até ao ''carbapenem'', um grupo de antibióticos utilizado como última tentativa em tratamentos de emergência contra bactérias resistentes a muitos remédios.
Os cientistas afirmaram que as bactérias foram introduzidas na Grã-Bretanha por pacientes que viajaram a Índia e Paquistão para fazer cirurgias estéticas. "Se estas infecções continuassem sem o tratamento apropriado, com certeza poderíamos esperar algum tipo de mortalidade", declarou Walsh, professor de microbiologia, à rádio BBC. "Vai ser muito difícil tratar as infecções nos pacientes com este tipo de bactéria. Você não vai ficar bem".
No estudo, coordenado por Walsh e pela Universidade Karthikeyan Kumarasamy de Madras, os cientistas tentaram determinar a presença da NDM-1 no sul da Ásia e no Reino Unido. Examinando pacientes com sintomas suspeitos em hospitais, eles detectaram 44 casos (1,5% dos pesquisados ) em Chennai, e 26 (8% dos pesquisados) em Haryana, cidades da Índia.
Também encontraram a superbactéria em Bangladesh e no Paquistão, assim como 37 casos na Grã-Bretanha, alguns em pacientes que haviam retornado recentemente de cirurgias estéticas na Índia e Paquistão. "A Índia também é responsável por cirurgias estéticas de outros cidadãos europeus e americanos, e é provável que a NDM-1 se espalhe pelo mundo", afirma o estudo, publicado na revista médica britânica Lancet.

Fonte: Ciência e Saúde

Artigo por: Raphael Gonçalves Nicésio

Os artigos do blog são destinados a estudantes, profissionais e pessoas que se interessam pela biomedicina e demais áreas da saúde. O conteúdo não visa substituir as orientações de um médico, portanto não deve ser utilizado para autodiagnóstico ou automedicação.

Licença Creative Commons
Esta publicação está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional. Não é permitido duplicar, copiar ou reproduzir qualquer parte sem autorização prévia.

1 comentários:

  1. Pessoal vai ter um Curso de Microbilogia qlqre coisa me deeem um alo!! bjsok Neta

    ResponderExcluir

2007-2016. Biomedicina Brasil. Tecnologia do Blogger.