Fisiologia

Esteróides Anabolizantes: efeitos nocivos causados pelo uso abusivo

*KRAUS, Karine da Silva.

Resumo: Este trabalho de cunho bibliográfico tem como objetivo abordar os fatores que levam os jovens ao consumo de esteróides anabolizantes e as possíveis consequências patológicas causadas pelo uso abusivo destas substâncias.
Palavras-chave: Anabolizantes, Jovens, Patologias.
_________________________________________________________________
* Acadêmica do 3° Semestre de Farmácia da Faculdade de Quatro Marcos-FQM.

1. Introdução
Os esteróides anabolizantes são hormônios androgênicos, secretados em especial pelos testículos  e em menor porção pelo córtex da adrenal e pelo ovário, entre eles podemos citar a testosterona que tem como função manter as características sexuais secundárias e muitas vezes no tratamento de homens  com patologias afins.
Entretanto, a descoberta desses hormônios em forma sintética fez com que muitos jovens em busca de um corpo "malhado" consumissem altas doses desses hormônios. Dessa forma, o uso de esteróides anabolizantes sintéticos pode produzir efeitos colaterais indesejáveis como: diminuição da função testicular, incluindo a redução da produção de esperma, ginecomastia, disfunção hepática, alterações comportamentais e do humor.

2. Desenvolvimento
Segundo Katzung (2005), os esteróides anabólicos obtiveram certa proeminência para uso médico no início dos anos 50, para o tratamento de pacientes com deficiência nos estrogênios naturais ou que sofriam de doenças caracterizadas por desgaste muscular. Entretanto, agora os esteróides anabólicos passaram a fazer parte integral do ambiente de alta tecnologia dos desportos competitivos, sendo utilizados por cerca de 90% dos fisiculturistas profissionais do sexo masculino e por 80% dos fisiculturistas profissionais do sexo feminino com a esperança de que possam melhorar o desempenho.
De acordo com McArdle, Katch e Katch (1998), um esteróide anabólico é um medicamento que funciona de maneira semelhante ao principal hormônio masculino testosterona. Ao unir-se com áreas receptoras especiais no músculo e em vários outros tecidos, este hormônio contribui muito para as características sexuais secundárias masculinas e para as diferenças sexuais na massa muscular e na força, que começam a se manifestar no início da puberdade.
Os esteróides anabólicos são tomados frequentemente em combinação com um programa de treinamento com resistência e uma maior ingestão de proteína. O objetivo consiste em aprimorar o desempenho nos desportos que exigem força, velocidade e potência. De fato, um levantamento recente dos membros da equipe norte-americana de levantamento de potência indicou que dois terços daqueles que responderam (taxa de resposta de 60%) haviam usado esteróides androgênico-anabólicos. Nos Estados Unidos, mais de 300.000 homens e mulheres utilizaram esteróides anabólicos durante o período de 1 ano de 1992 a 1993.As autoridades federais estimaram parcimoniosamente que o emergente negócio do tráfico ilegal de esteróides ultrapassa os 100 milhões de dólares por ano- número esse que está aumentando rapidamente.O fato de muitos atletas obterem seus esteróides no "mercado negro" gera o temor de que indivíduos desinformados possam tomar uma dose maciça e prolongada do medicamento,sem qualquer monitorização médica para as possíveis alterações prejudiciais na função fisiológica. Particularmente inquietante é o uso de esteróides entre rapazes e mocinhas jovens e seus efeitos subseqüentes, que incluem virilização extrema e cessação prematura do crescimento ósseo. Aproximadamente 1 de 15 estudantes colegiais,ou aproximadamente meio milhão de adolescentes(250.000 prestes a terminarem a escola secundária), utilizaram esteróides. Essas são as mesmas pessoas jovens com probabilidade de abusarem de uma ampla variedade de outros medicamentos (drogas), assim como de compartilharem de agulhas nesse processo. O aprimoramento do desempenho atlético foi a razão mais comum citada para o uso de esteróides entre adolescentes, porém 25% disseram que a principal razão era um aspecto mais adequado.
Segundo Powers e Howley (2000), o uso de testosterona ou de esteróides anabolizantes sintéticos pode produzir efeitos colaterais indesejáveis. As mulheres que os utilizam apresentam aumento das características sexuais masculinas secundárias (incluindo engrossamento da voz e crescimento de barba), aumento do clitóris e irregularidade menstrual. As reações adversas ao uso crônico de esteróides anabolizantes por homens incluem (a) uma diminuição da função testicular, incluindo a redução da produção de esperma (b) ginecomastia - desenvolvimento de seios, (c) disfunção hepática e (d) alterações comportamentais e do humor. Como o uso de esteróides causa efeitos prejudiciais sobre a massa da parede ventricular, lipídeos sanguíneos e tolerância a glicose, o risco de cardiopatia também é maior.

3. Considerações finais
Contudo, fica evidente que o desconhecimento dos efeitos colaterais provocados pelo uso de anabolizantes tem acometido muitos jovens e atletas de uma forma geral, onde a busca de aceitação social é uma das vendas em seus olhos, que com seus padrões  de belezas sobrepõem a saúde , propiciando assim consequências patológicas no futuro.

Bibliografia
BISSON, Marcelo Polacow. Famácia clínica e atenção farmacêutica. ed.2003. São Paulo.
KATZUNG, Bertram G. Farmacologia básica e clínica. 9. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2005.
MARZZOCO, Anita; TORRES, Bayardo B. Bioquímica básica. 3. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2007.
MCARDLE, William D.;KATCH,Frank I.;KATCH,Victor L.Fisiologia do exercício.4.ed.Rio de Janeiro:Guanabara Koogan,1998.
SILVA, Penildon. Farmacologia. 6. ed.Rio de Janeiro:Guanabara Koogan,2002.

Artigo por: Raphael Gonçalves Nicésio

Os artigos do blog são destinados a estudantes, profissionais e pessoas que se interessam pela biomedicina e demais áreas da saúde. O conteúdo não visa substituir as orientações de um médico, portanto não deve ser utilizado para autodiagnóstico ou automedicação.

Licença Creative Commons
Esta publicação está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional. Não é permitido duplicar, copiar ou reproduzir qualquer parte sem autorização prévia.

0 comentários:

Postar um comentário

2007-2016. Biomedicina Brasil. Tecnologia do Blogger.