Pular para o conteúdo principal

Bactéria encontrada no solo pode aumentar inteligência

Gostaria de aumentar sua inteligência? Pois saiba que uma pesquisa americana concluiu que a simples exposição a uma bactéria encontrada no solo, a Mycobacterium vaccae, poderia aumentar a capacidade de aprender.
Estudos anteriores mostraram que, quando injetado morto em ratos, esse micro-organismo elevou os níveis de serotonina e diminuiu a ansiedade. Com base nisso, os pesquisadores Dorothy Matthews e Susan Jenks decidiram avaliar se interferia também no aprendizado, já que a serotonina desempenha um papel importante nesse aspecto.
As cientistas alimentaram alguns camundongos com as bactérias vivas e analisaram a capacidade deles de percorrer um labirinto em relação a um grupo controle de animais, que não recebeu a Mycobacterium vaccae. E eles realmente se saíram melhor. Concluíram o percurso duas vezes mais rápido e demonstraram menos comportamentos de ansiedade.
Na etapa seguinte, as bactérias foram retiradas da dieta e, os roedores, testados novamente. .Embora tenham concluído o labirinto de maneira mais lenta que no primeiro experimento, ainda eram mais velozes que os de controle.
A prova final aconteceu após três semanas de descanso. Os ratos que haviam se alimentado com Mycobacterium vaccae para o primeiro teste se mostraram mais ágeis de novo, mas os resultados não eram estatisticamente significativos, o que sugere um efeito temporário.
As pesquisadoras disseram ao site Science Daily que as pessoas provavelmente ingerem ou inalam essa bactéria quando passam algum tempo em contato com a natureza e que o estudo indica que ela pode influenciar na ansiedade e no aprendizado de mamíferos. Acrescentaram ainda que seria interessante que as escolas incluíssem atividades em ambientes externos onde a Mycobacterium vaccae esteja presente.
Os dados foram apresentados no 110° Encontro Geral da Sociedade Americana de Microbiologia, em San Diego, nos Estados Unidos, que ocorreu de 23 a 27 de maio.

Vida e Saúde

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tubos para coleta de sangue

Os tubos de coleta de sangue são estéreis, feitos de vidro ou plástico e alguns possuem vácuo. Comumente utilizados em punções venosas, eles são projetados para a coleta, transporte e processamento das amostras.

O interior destes tubos pode ser revestido com anticoagulantes e as vedações preservam a integridade da amostra até a chegada ao laboratório. Embora não seja necessário ao coletor conhecer todos os detalhes sobre os procedimentos analíticos dos testes hematológicos, é essencial conhecer o tipo de amostra necessária para cada análise.


Tipo de Análise - Tipo de Amostra Bioquímica e Sorologia - Soro ou plasma Hematologia - Sangue total com EDTA Glicemia - Plasma com fluoreto de sódio Coagulação - Plasma com citrato de sódio
Tubos para coleta
A amostra deve ser coletada em tubos específicos para cada tipo de análise, sendo de extrema importância conhecê-los para a realização correta do exame. O material colhido em recipiente inadequado será rejeitado e descartado pelo laboratório p…

Conheça os principais meios de cultura

O crescimento dos microrganismos nos diferentes meios de cultura utilizados fornece as primeiras informações para a sua identificação. É importante conhecer o potencial de crescimento de cada meio de cultura e adequar ao perfil bacteriano esperado para cada material.


Alguns procedimentos são essenciais na hora da preparação de cada meio de cultura para a obtenção de melhores resultados e evitar contaminações, como nos diferentes casos: quando distribuir o meio antes de autoclavar, os tubos não precisam estar esterilizados; quando distribuir o meio após a autoclavação, os tubos, frascos, placas, pipetas e vidrarias ou materiais auxiliares obrigatoriamente devem ser estéreis e os meios devem ser autoclavados com as tampas semi-abertas, para que a esterilização seja por igual em todo o conteúdo dos tubos - tampas fechadas não permitem a entrada do vapor.

Ágar nutriente (AN)

Meio relativamente simples, de fácil preparo e barato, muito usado nos procedimentos do laboratório de microbiologi…

Vírus Epstein-Barr

O vírus Epstein-Barr, frequentemente referido como EBV, é um membro da família dos herpesvírus e um dos mais comuns nos humanos. O vírus ocorre em todo o mundo, e a maioria das pessoas é infectada com EBV em algum momento durante suas vidas.


Crianças tornam-se suscetíveis ao EBV tão logo a proteção de anticorpos maternos (presente no nascimento) desaparece. Muitas crianças são infectadas com EBV, e essas infecções geralmente não causam sintomas ou são indistinguíveis. Nos países desenvolvidos, muitas pessoas não estão infectadas com EBV na infância. Quando a infecção com EBV ocorre durante a adolescência ou na idade adulta jovem, provoca a mononucleose infecciosa em 35% a 50% dos casos.

Os sintomas da mononucleose infecciosa são febre, dor de garganta e aumento dos gânglios linfáticos. Às vezes, há o envolvimento do fígado e do baço. Problemas cardíacos ou envolvimento do sistema nervoso central ocorrem raramente, e a mononucleose infecciosa quase nunca é fatal. Não há associações co…