Pular para o conteúdo principal

Regeneração da mama após câncer

Pesquisadores australianos estão testando uma nova técnica para estimular o crescimento natural de tecidos da mama para reconstruir os seios após cirurgias de mastectomia em pacientes de câncer. A técnica, já testada em porcos, consiste em implantar uma espécie de "molde" em forma de seio sob a pele do peito da mulher, sob o qual seriam injetadas células musculares da própria paciente para estimular a produção natural de gordura no local.
Os cientistas do Instituto de Microcirurgia Bernard O'Brien, de Melbourne, pretendem começar os testes em humanos no próximo ano, inicialmente com seis mulheres. Segundo eles, a nova técnica seria capaz de criar novos seios mais naturais do que com os métodos atuais de reconstrução, além de reduzir a quantidade de cicatrizes.
O estudo foi apresentado nesta semana em uma conferência sobre cirurgias plásticas em Sydney.

Gel de células

Segundo os cientistas, após a implantação do molde, a gordura cresceria naturalmente para formar um novo seio no formato determinado. O molde conteria um gel feito a partir de células musculares da própria paciente para estimular a produção de novos tecidos.
Para Anthony Hollander, especialista em engenharia de tecidos da Universidade de Bristol, na Grã-Bretanha, o principal atrativo da nova técnica é sua simplicidade e o fato de o crescimento do tecido ocorrer dentro do próprio corpo. Segundo ele, o avanço tecnológico da nova técnica é a utilização do molde feito de material biológico para manter as células novas em seu lugar.
No futuro, os cientistas australianos pretendem desenvolver o material do molde para que ele se torne biodegradável e não necessite de uma intervenção cirúrgica para retirá-lo após o crescimento do novo tecido. Mas Hollander adverte que, para que a técnica tenha sucesso, os cientistas precisam garantir primeiro que as células cancerosas sejam totalmente removidas e que novas células cancerosas não cresçam no processo de reconstrução do seio.

BBC Brasil

Comentários

Artigos populares

Tubos para coleta de sangue

Os tubos de coleta de sangue são estéreis, feitos de vidro ou plástico e alguns possuem vácuo. Comumente utilizados em punções venosas, eles são projetados para a coleta, transporte e processamento das amostras.

O interior destes tubos pode ser revestido com anticoagulantes e as vedações preservam a integridade da amostra até a chegada ao laboratório. Embora não seja necessário ao coletor conhecer todos os detalhes sobre os procedimentos analíticos dos testes hematológicos, é essencial conhecer o tipo de amostra necessária para cada análise.


Tipo de Análise - Tipo de Amostra Bioquímica e Sorologia - Soro ou plasma Hematologia - Sangue total com EDTA Glicemia - Plasma com fluoreto de sódio Coagulação - Plasma com citrato de sódio
Tubos para coleta
A amostra deve ser coletada em tubos específicos para cada tipo de análise, sendo de extrema importância conhecê-los para a realização correta do exame. O material colhido em recipiente inadequado será rejeitado e descartado pelo laboratório p…

Conheça os principais meios de cultura

O crescimento dos microrganismos nos diferentes meios de cultura utilizados fornece as primeiras informações para a sua identificação. É importante conhecer o potencial de crescimento de cada meio de cultura e adequar ao perfil bacteriano esperado para cada material.


Alguns procedimentos são essenciais na hora da preparação de cada meio de cultura para a obtenção de melhores resultados e evitar contaminações, como nos diferentes casos: quando distribuir o meio antes de autoclavar, os tubos não precisam estar esterilizados; quando distribuir o meio após a autoclavação, os tubos, frascos, placas, pipetas e vidrarias ou materiais auxiliares obrigatoriamente devem ser estéreis e os meios devem ser autoclavados com as tampas semi-abertas, para que a esterilização seja por igual em todo o conteúdo dos tubos - tampas fechadas não permitem a entrada do vapor.

Ágar nutriente (AN)

Meio relativamente simples, de fácil preparo e barato, muito usado nos procedimentos do laboratório de microbiologi…

Vírus Epstein-Barr

O vírus Epstein-Barr, frequentemente referido como EBV, é um membro da família dos herpesvírus e um dos mais comuns nos humanos. O vírus ocorre em todo o mundo, e a maioria das pessoas é infectada com EBV em algum momento durante suas vidas.


Crianças tornam-se suscetíveis ao EBV tão logo a proteção de anticorpos maternos (presente no nascimento) desaparece. Muitas crianças são infectadas com EBV, e essas infecções geralmente não causam sintomas ou são indistinguíveis. Nos países desenvolvidos, muitas pessoas não estão infectadas com EBV na infância. Quando a infecção com EBV ocorre durante a adolescência ou na idade adulta jovem, provoca a mononucleose infecciosa em 35% a 50% dos casos.

Os sintomas da mononucleose infecciosa são febre, dor de garganta e aumento dos gânglios linfáticos. Às vezes, há o envolvimento do fígado e do baço. Problemas cardíacos ou envolvimento do sistema nervoso central ocorrem raramente, e a mononucleose infecciosa quase nunca é fatal. Não há associações co…