Imunologia

Fiocruz desenvolverá vacina contra dengue

O ministro da Saúde, José Gomes Temporão, no Reino Unido desde segunda-feira, anunciou nesta sexta-feira (25) em Londres o desenvolvimento de uma vacina contra a dengue em parceria com o laboratório britânico GlaxoSmithKline (GSK).
O custo de desenvolvimento, de 70 milhões de euros (quase R$ 184 milhões), será dividido igualmente entre o governo brasileiro e a gigante farmacêutica.
A GSK participará da montagem de uma unidade de pesquisa e desenvolvimento na Fundação Oswaldo Cruz, no Rio de Janeiro. O Centro de Pesquisa e Desenvolvimento será voltado a tecnologias para a "prevenção e atenção" a três doenças: dengue, malária e febre amarela. Na primeira etapa, a prioridade será o desenvolvimento de uma vacina contra a dengue.
O ministro admitiu que o desenvolvimento da vacina não é simples: “Primeiro é preciso desenvolver um protótipo, depois produzi-lo em escala semi-industrial, depois testar em animais, depois testar em seres humanos, é um longo caminho a ser desenvolvido.”
Pouco depois do anúncio, a assessoria do Ministério esclareceu que Temporão ponderou que, em um cenário absolutamente otimista, seriam necessários pelo menos cinco anos para que a pesquisa dê resultado. “Sabemos que entre o desenvolvimento de uma vacina e toda a fase de testes leva-se um bom tempo até se pensar no início da produção”, explicou a assessoria.
Segundo Temporão, essa é a primeira parceria público-privada do Brasil na área de produção de vacinas. Mas há uma antiga parceria entre o Instituto Butantan (público, subordinado ao governo de São Paulo) e a francesa Sanofi-Aventis, para o desenvolvimento de vacinas.
A semana de Temporão em Londres foi dedicada a fortalecer a indústria farmacêutica e de equipamentos de saúde no Brasil. Empresários brasileiros acompanham a comitiva.
Segundo a pasta, o Brasil tem um déficit de US$ 7 bilhões na balança comercial do setor de saúde, que representa 8% do PIB, movimenta R$ 160 bilhões a cada ano e emprega 10% da população brasileira ativa.
O diagnóstico oficial é que o país é dependente de importações de vacinas, medicamentos, fármacos, reagentes e equipamentos para diagnósticos e equipamentos hospitalares. E que só parcerias vão impulsionar a capacidade local de inovação e produção. “O país deixa de apenas comprar pacotes básicos de transferência de tecnologia para a construção de uma relação que permite o desenvolvimento de insumos desde a sua fase de pesquisa”, afirmou Temporão.
Pesquisas de uma vacina contra a dengue já estão em andamento na Fiocruz mas ainda não conseguiram proteger contra os quatro sorotipos da dengue.
Segundo nota do ministério, a parceria anunciada nesta sexta-feira "é um dos desdobramentos" do acordo de transferência tecnológica para a produção nacional de vacina para pneumococo, assinado em agosto com a Glaxo. A vacina que protege contra meningite bacteriana e pneumonia entrará no calendário nacional de imunização em 2010. O investimento de produção e distribuição será de cerca de 1,5 bilhão de euros (quase R$ 4 bilhões).
De Londres, Temporão segue para Washington, onde assina carta de intenções entre o Instituto Nacional de Câncer (Inca) e o National Cancer Institute sobre cooperação na área de pesquisa de câncer de mama.

Artigo por: Raphael Gonçalves Nicésio

Os artigos do blog são destinados a estudantes, profissionais e pessoas que se interessam pela biomedicina e demais áreas da saúde. O conteúdo não visa substituir as orientações de um médico, portanto não deve ser utilizado para autodiagnóstico ou automedicação.

Licença Creative Commons
Esta publicação está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional. Não é permitido duplicar, copiar ou reproduzir qualquer parte sem autorização prévia.

0 comentários:

Postar um comentário

2007-2016. Biomedicina Brasil. Tecnologia do Blogger.